Posts com Tag ‘ex-maranata’

Pessoal, gostaria de deixar o meu depoimento. Como não sei como postar, vou deixar por aqui, pode ser? Depois o responsável pelo Blog inclui onde achar melhor.

Vamos lá:

A minha mãe começou a freqüentar a ICM na cidade de São Paulo (a famosa “Igreja Central”, como era chamada na época) depois que o meu pai faleceu por volta dos anos de 1987-1988. Eu tinha sete anos de idade na época. Posso dizer que cresci na igreja e me desliguei totalmente apenas no ano de 2006, quando me tornei membro da IPI (Igreja Presbiteriana Independente).

Portanto, conheço bem a ICM e suas doutrinas equivocadas e distorcidas. Neste tempo que estive por lá vi muitas coisas absurdas acontecerem e presenciei atitudes e comportamentos por parte da liderança totalmente incompatíveis com os ensinamentos cristãos. Eu vi com meus próprios olhos toda sorte de preconceito: discriminação em razão da cor da pele; discriminação de pessoas portadoras do vírus HIV; discriminação de pessoas divorciadas, pastor “sugerindo” que os irmãos votassem em determinado candidato, etc, etc.

Isso, meus caros, sem contar o preconceito escancarado e absurdo contra as mulheres, que são tidas como seres de um grau inferior. Não são dignas sequer de subir ao púlpito (restrição que não se aplica à cúpula da igreja, porque a cúpula é “espiritualmente mais elevada”, o que torna algumas mulheres milagrosamente “assexuadas”).

Neste tempo todo muitas foram as histórias acumuladas que este espaço se tornaria pequeno demais para que fossem todas elas narradas. Vou compartilhar aqui algumas delas.

Em certa ocasião eu levei na igreja para emprestar para uma irmã dois livros de ficção que eu havia lido na escola (sabe aqueles livros extra curriculares que temos que ler no colégio?). Por um lapso, eu esqueci o livro no banco da igreja no domingo de manhã e eles acabaram sendo “confiscados” pelo pastor responsável na época pelos “Adolescentes”. O pastor acabou comigo em público e com todos os adolescentes na época. Lembro-me até hoje daquela humilhação.

Não podíamos ler livros de qualquer tipo. Estudar Teologia? Nem pensar. Afinal, “a letra mata, mas o espírito vivifica” Qualquer semelhança com a Idade Média não é mera coincidência… Aliás, soltar versículos bíblicos fora do contexto é especialidade da ICM

Em outra ocasião, eu fui cair na besteira de ir à madrugada com o meu uniforme da escola (na época eu cursava o 3º ano do ensino médio). Fazia isso porque não dava tempo de ir à madrugada e depois voltar em casa para trocar de roupa. Claro que o uniforme escolar consistia em uma camiseta e uma calça de moletom com o logo da escola. Para minha surpresa (e indignação) um dos diáconos me chamou para uma conversa e disse que eu não poderia usar aquela roupa. Disse que caso eu fosse obrigada a usar o abrigo de moletom eu deveria colocar uma saia por cima da roupa (pode????). Se eu insistisse em ir à madrugada com aqueles trajes eu perderia a função de instrumentista na igreja.

Resultado: não pude freqüentar mais às madrugadas.

Foram tempos difíceis. Não se podia questionar nada. Tive que viver praticamente a minha infância, adolescência e juventude sendo julgada por aquelas pessoas e no completo silêncio.

Eu sempre questionei internamente todos esses dogmas absurdos da ICM (Clamor pelo Sangue; Consulta à Palavra, Supremacia da Revelação, etc, etc) e a falta de amor e tolerância com as pessoas, mas sempre que me pegava questionando a igreja, seus dogmas e doutrinas, temia que algum mal me ocorresse (afinal, alguém sempre acabava soltando: Cuidade: “Você está blasfemando contra a Obra”; “Não toque no Unigido do Senhor, etc, etc).

Apesar de ser instrumentista, eu nunca me adeqüei totalmente ao sistema da ICM. Eu sempre fui uma pessoa mais reservada e por conta disso não costumava usar os “jargões” da denominação (“Misericórdia!!”; “Varão Valoroso”; “Glória Jesus”; “Esta obra Maravilhosa”; “igreja Fiel”; “Glória Jesus”, etc).

Não preciso dizer quantas vezes fui chamada para passar no grupo de intercessão por conta da minha “apatia”. Sempre tinha um irmão ou irmã que se achava no direito de falar algo negativo sobre a minha pessoa como se tivesse sido dito pelo Espírito Santo. Eu, tonta na época, ficava tentando procurar me examinar para ver o que eu estava fazendo de errado e muitas vezes não conseguia entender aquelas revelações sobre a minha pessoa. Sempre me senti um peixe fora dágua. Sentia-me excluída por nunca ter visto nenhum “anjo dourado”. Conforme fui amadurecendo, Deus começou a me mostrar que ali não era o meu lugar. Foi quando tomei coragem e fui conhecer outra denominação. Hoje posso dizer que há vida pós ICM.

Demorei muito para tomar esta atitude e, infelizmente, ainda tenho muitos familiares por lá. Mesmos com todos esses escândalos as pessoas continuam a seguir os ensinamentos e doutrinas equivocadas da igreja e é muito difícil convencê-las do contrário. Quem já foi de lá sabe bem do que eu estou falando.

Não sei como está agora, mas ainda convivo no meu trabalho com alguns “Maranatas” e vejo que a ditadura continua. Eu tenho seqüelas e vícios até hoje e confesso que estou reaprendendo o que é ser verdadeiramente cristã.

Para os que ainda estão por lá eu peço que reflitam. Jesus Cristo ensinou o que é o AMOR e o PERDÃO. Foi o próprio Senhor Jesus que nos ensinou a amar o próximo e não julgar as pessoas.

O preconceito, a discriminação e o sectarismo religioso não são compatíveis com a fé cristã e com uma vida nova em Cristo Jesus.

Acredito que Deus permitiu que todo o escândalo com a Maranata viesse à tona para abrir os olhos de muitos. Para os que ainda estão por lá, lembrem-se: Quem crucificou Jesus foram os religiosos sectaristas da época, justamente aqueles que não admitiam que seus dogmas fossem questionados.

Cristo conviveu em seu tempo com a diversidade e jamais outorgou mandato a qualquer grupo ou denominação. Manteve sempre diálogo com grupos de diferentes pessoas.

E se ainda resta alguma dúvida, lembrem-se dos Crentes de Beréia: (…) Ora estes de Beréia, eram mais nobres que os de Tessalônica, pois receberam a palavra de Deus, com toda a avidez, examinando as escrituras todos os dias para ver se as coisas eram de fato assim”. Atos: 17:11 Á paz.

fonte: https://obramaranatarevelada.wordpress.com/2012/12/18/igreja-crista-maranata-lembremos-as-fases-do-tsunami-o-mar-de-quarenta-e-quatro-anos-de-lama-esta-se-afastando-formando-as-imensas-ondas-muitos-estao-se-apercebendo-do-que-esta-acontecendo-morme/#comment-4565

Anúncios

Eu gostaria que o responsável desse blog publicasse a minha historia, pois não sei como é que faz para publicar então deixarei neste comentário, peço desculpa pela longa historia mas gostaria muito de deixar a minha historia gravada aqui para que muitos saibam o que eu passei:
Conheci a obra com 16 anos (hoje estou com 25 anos), no começo eu e minha mãe começamos ir aos cultos, depois meus dois irmãos e meu pai que ia esporadicamente.
Éramos uma família que dava assistência em varias cidades, onde precisavam de irmãos para ajudar ali estávamos, sem medir esforços estávamos lá, morávamos a uma hora da igreja e íamos a pé sempre, no começo os irmãos nos levavam mas depois começou a ser fardo então disseram que teríamos que caminhar sozinhos pois já estávamos a mais tempo na obra e outras vidas precisavam de assistência, sem problemas íamos sempre a pé… com chuva, com sol, estávamos lá…
Cheguei a ser professora, instrumentista, grupo de louvor ,comecei o trabalho em asilos e hospitais aqui na minha cidade, meu irmão obreiro e instrumentista…
Só que tínhamos um grande defeito considerado por eles, éramos uma família muito unida, minha mãe era a galinha com seus pintinhos, e sempre falavam pra ela que era necessário cortar o cordão umbilical… Meu Deus! Qual era o problema de uma mãe amar seus filhos, qual era o problemas de sempre estarmos juntos, dela sempre no proteger. Tinham pavor de família unida.
E assim continuamos, até que minha família passou por problemas financeiros, minha mãe infelizmente caiu na mão de agiotas, passamos até por necessidade. Só que isso chegou no ouvido dos dirigentes e então o inferno começou, na época eles não quiseram ouvir minha mãe, disseram que ela estava sujando a obra, que ela era uma mancha na igreja, que ela pra ela sentar no ultimo banco e não falar e nem se envolver de mais com os irmãos.
Mas naquela época minha mãe preferiu sair para que a obra não fosse “manchada”, então meu irmão mais velho foi transferido para uma outra cidade, e eu fiquei sozinha naquele lugar…
Amados… foram os piores anos da minha vida, quantas humilhações, quantas perseguições, uns tinham pena de mim, chegavam a dizer “ o que seria da minha vida se eu saísse da obra com a família desestruturada que eu tinha”, estar no louvor para eles era uma misericórdia, por pena.
Vivia sendo chamada no grupo de interseção não porque tinha feito algo errado, mas por ser perseguida, tinha umas irmãs fofoqueiras que tinha a coragem de chegar no pastor e dizer a irmã Carolina não me comprimenta, não me da a “ paz do Senhor”… pode um absurdo desse? Uma vez viram uma foto minha com vestido e legue e tiveram coragem de falar para o pastor que eu estava de calça.
Sabe aquele período que fazem culto nas casas de todos irmãos? Na minha não podia então eu tinha que ir pra casa de outro irmão para poder participar do culto no lar. Se eu ficasse doente eu não recebia visita, pois não podiam entrar na minha casa éramos como leprosos…
Até que um dia neste período de culto no lar disseram que “ o Senhor permitiu”, então foram uns 4 irmãos… então chamei minha mãe ate a sala para que ela pudesse participar… o irmão em nenhum momento olhou na minha mãe… durante toda a palavra ele pregava só para mim… foi vergonhoso a atitude dele … mas mesmo assim continuei…
Sabe amados… minha mãe é uma pessoa maravilhosa, uma mulher zelosa, uma ótima esposa uma ótima mãe, uma serva temente a Deus, que ama o Senhor desde pequena… mesmo não conhecendo a palavra ela sempre nos ensinou o melhor.
Ela amava a obra, e sempre dizia que um dia voltaria para a obra assim que as coisas se resolvessem, ela amava os louvores e ama ate hoje, todos os dias coloca o som para ouvi-los
Sabe irmãos minha mãe não teve problemas financeiros porque quis, porque era má… infelizmente aconteceu qualquer pessoa pode passar por isso e ela não soube lidar com aquilo… mas os dirigentes não quiseram saber o porque apenas nos julgaram…
Eu fui ficando muito cansada de todas as humilhações, era uma inveja muito grande, pois eu gostava muito de crianças e elas gostavam muito de mim… eu dava aula de flauta… cantava ate bem no louvor… e as pessoas odiavam aquilo…
E quando ficaram sabendo que eu fazia filosofia… a h foi o fim… sempre me olhavam como um perigo para a igreja… eu queria que os jovens pudessem ir ate a minha casa…
Um dia marquei com varias jovens… combinamos tudo direitinho para assistir um filme, ate que na hora ninguém foi… foram pra casa de uma outra irmã (com a vida mais direita)
Não houve uma assistência, uma visita, passamos por dificuldades e necessidades, mas sabe quem nos assistiu o Senhor nosso Deus, Ele foi o nosso Provedor, Consolador!
Uma vez recebemos uma conta de agua num valor muito alto, pois houve um vazamento e não tínhamos condições de pagar, então cortaram nossa agua… e na minha casa tinha um tanque grande então chovia e enchíamos aquele tanque… e por 6 meses ficamos sem agua encanada, mas nesses 6 meses o Senhor nosso Deus proveu a chuva, quando a agua do reservatório estava pra acabar, chovia novamente.
Há mais ou menos dois anos sai da ICM pois não aguentei mais… não aguentei as humilhações, não aguentei o pastor passar do meu lado e nunca me comprimentar, não aguentei um dia pedir carona para a esposa dele e ao me levarem em casa ele ficar de cara feia e nem na porta da minha casa me deixou.. deixou um quarteirão antes…
Eu ia dar assistência em outra cidade, eles não gostavam de me buscar, mandavam eu esperar em outro lugar….
Sabe o problema não foi comigo e sim com a minha mãe, eles não podiam me tratar daquela forma, eu era uma serva, eu amava aquele lugar, aqueles irmãos… eu cuidava das filhas do pastor, e nem para o aniversario da menina eles me chamaram… o preconceito era terrível… lá os ricos eram bem tratado os pobres eram discriminados, pobre só servia para o trabalho braçal…
Não aguentei mais… foi muito difícil… quando sai desde aquele dia, nunca me visitaram, nunca perguntaram porque eu sai, o pastor nunca me ligou, o responsável do meu grupo de assistência nunca me procurou…
Para eles talvez a minha saída foi uma limpeza na igreja… os jovens que eu tanto amava nunca me fizeram uma visita, aquelas que se diziam minhas amigas se passar na rua nem olhava na minha cara…
Mas hoje sou feliz, não vivo no fardo, no medo, na angustia… eu não tinha tempo para minha família, para os meus pais que tanto precisavam de mim… eu não tinha tempo pra mim… vivia por conta de viajar, ensaio, encontros, limpeza… minha família ia se desfazendo aos poucos.
E sabe muitos daqueles irmãos que julgaram minha família, hj tem seus lares destruídos, filhos destruídos, casamento falido…
Vivíamos em uma ditadura Maranata…
Quando contei para minha mãe do que estava acontecendo dos escândalos, ela chorou profundamente e dizia não pode ser verdade minha filha, eu orava ao Senhor para que me desse condições de voltar…
Ela falava “ meu Deus quanto eu chorei pela vida dos meus filhos, me sentia culpada pelas humilhações que eles passavam, quanto tempo eu me culpei… me chamaram de caída… eu nunca fui caída Senhor… eu nunca manchei o Teu nome”
Minha mãe, minha família nunca foi caída ou desestruturada, tivemos problemas sim, passamos por situações adversas, mas jamais poderiam fazer o que fizeram conosco. Quem nunca passou por problemas que atire a primeira pedra… só precisávamos naquele momento de uma simples assistência, mas nem isso souberam dar… hoje tenho pavor em encontrar com qualquer uma dessas pessoas… bando de farizeu

fonte: https://obramaranatarevelada.wordpress.com/2012/12/09/igreja-maranata-integrantes-igreja-maranata-estado-es-suspeitos-desvio-de-dizimo/#comment-4417

.

.

Bem vinda Irmã Carol,

Obrigado por compartilhar sua história com os irmãos – é muito importante não permanecer no silêncio, muito importante para tantos irmãos que vivem sobre esse julgo pesado dessa seita maranata. A seita conseguiu sobreviver por tantos anos por causa do medo que deixou nos corações de tantos que sofreram com essa discriminação que acontece nos bastidores.

Compartilhe sua história também com os irmãos no Ministério do CV:

http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/

Cabe ao Ministério Público também analisar e ouvir estas histórias de discriminação de uma instituição que se diz “igreja” e “cristã”

A discriminação é REGRA nessa seita – não de cara – ela acontece nos bastidores, bem como você descreveu.

Alias é como o resto na seita:

a obra não faz politica – pesquise você mesmo: politico + maranata, dinheiro público + maranata

pastor errou tá fora – pesquise: pastor + maranata, maranata + governador valadares, pastor + pirâmide de containers e repare se está fora? Quanto mais escândalo traz na ficha mais provável ser levantado para o presbitério da seita – essa é a realidade.

Está na hora de falar! E quem sofreu danos morais ou danos financeiros com essa “obra” que somente serve a uma minoría aliada à família em Vila Velha no ES deve dirigir-se ao Ministério Público do Espírito Santo. Principalmente para proteger outros irmãos cristãos em caír nessa seita maligna.

http://www.mpes.gov.br:8080/ouvidoria/portal/contato.html

PAZ

Você que esta esperando o resultado das investigações para sair,será que vale a pena?estive em fevereiro em Vitória e Vila Velha,e voltei em agosto fiquei 8 dias,do dia 20 aos dias 28/08/2012,conversei com várias pessoas,ex-maranatas,e outra denominações,a icm em Vitória e vila velha esta mais suja do que o Carlinhos Cachoeira,e os larapes do mensalão,todos que conversei falam mal da seita maranata,você ainda quer conviver dentro de um sistema corrompido,e se você tiver familia terá coragem de continuar,falam em adultérios,corupção dentro da seita,como pode o Espiríto Santo operar dentro da seita,você não vê que os cultos não há libertação,não há conversão e os cultos estão pesados.

Vai esperar mais o que para sair,ver todos escandalo na mídia falada,ouvida e televisionada?

DIGA NÃO A SEITA!!!!!!!!!!!!!

UM ABRAÇO FRATERNAL. Pr. eduardo gil vasconcellos

fonte: http://diganaoaseita.wordpress.com/sobre/#comment-57

“Levantou-me o Espírito, e ouvi por detrás de mim uma voz de grande estrondo, que, levantando-se do seu lugar, dizia:Bendita seja a glória do SENHOR.”

(Ez. 3.12)

A apostila Os Valentes da Obra (1) evidencia que a mentalidade (conduta) de Obra – da qual é bem difícil alguém dela ficar livre – construída ao longo do tempo, é capaz de,  noite e dia, operar na imaginação dos beatos, desavisados obreiros e desencorajados pastores corrompidos pela heresia icemita e ainda agrilhoados ao misticismo pseudocarismático do sistema.

Buscar entendimento oculto das Escrituras,  e espiritualizar expressões ou frases isoladas do contexto próximo e conteúdo geral, indo além do plano semântico da passagem, é enredar a membresia com  extravagâncias de interpretação. Método extremamente perigoso. Na alegoria ou espiritualização a mente do intérprete não se prende às exigentes regras da Hermenêutica Bíblica.

Entenda: não há como checar o que ele interpreta, e não merece confiança o que ele diz ser doutrina revelada ou palavra revelada. Nestes casos (alegoria ou espiritualização) o intérprete busca o pretenso sentido oculto do texto, fazendo disto o padrão único. O pior acontece, quando ele está enredado por bajuladores, falsos profetas ou pastores subalternos que o apoiam descaradamente e proclamam: Deus falou!

Evidentemente, na terra de cego quem tem um olho é caolho. Não duvide: o olhar caolho da doutrina revelada busca algo com que possa acirrar a empáfia religiosa, desacatar as Escrituras Sagradas e encantar com empulhação além do que está escrito e do jeito que está escrito. Cegos guiando cegos e o Diabo bate palmas.

Esteja atento e bem disposto para o que você vai ler, pensar e refletir.

Criando ilusões

Complicada, confusa, dispersiva e mal elaborada, a apostila Os Valentes de Davi – Valentes da Obra é anunciada com ares de doutrina revelada além da letra e mistérios da Obra que veio da eternidade; mas não passa de grandiloquente imbróglio embrulhado em absoluta incerteza. Certamente, este “além da letra” passou a  jargão do maranatês e pedra de tropeço para o gedeltismo.

I) A apostila Os Valentes de Davi – Valentes da da Obra aparece bem no início dos Seminários da Obra e encontrou lugar de destaque no palco das ilusões e mitos da então incipiente monarquia pseudocarismática. Conteúdo dissimulado de exclusivo e integral apoio ao mestre-mor, o expositor inigualável da palavra revelada que veio da eternidade. (sic)

apostila afirma que Davi é tipo de Cristo. A burla aparece logo no início do referido texto. Assim começa a espiritualização. Expressamente. Ora, por mais que admiremos o afável poeta, diligente guerreiro, homem de seis mulheres e rei de Israel, é absolutamente incorreto afirmar que Davi é tipo de Cristo. Nem o desobediente, idólatra, multimilionário, ocultista e polígamo Salomão serve de tipo do Espírito Santo (como ensina o mestre); mas na espiritualização é possível, especialmente quando o profeta de bolso estremece a fala e proclama: falei através do meu ungido…

Definitivamente, as Escrituras Sagradas jamais permitirão esse tipologês do mestre que ignora a Epístola aos Hebreus e demais Escrituras; mas coloca a inerrância da doutrina revelada além da letraacima da inerrância das Escrituras Sagradas, enquanto debocha e continua debochando dos que se dedicam a exercer fé em Jesus e biblicamente pensar e pensar teologicamente.

II) A apostila nada nos fala do “evangelho da graça de Deus” (At. 20.24) que chegou até nós (1 Pe. 1.10-12; 2 Pe. 1.16-18). Ela está carregada de alegorias, fantasias, ficções e malabarismos que distorcem a intenção do Espírito Eterno ao inspirar o hagiógrafo que proclama (2 Tm. 3.16-17):

“Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.”

A espiritualização de frases das Escrituras facilmente gera a doutrina revelada em afronta ao conteúdo ético, gramatical, histórico, inerrante, judicial, legal, natural, profético, santo, teológico e verdadeiro das Escrituras Sagradas. Ainda mais grave é a discriminação, que faz com insensatas proclamações de ser a ICM-PES, exclusivamente, a Igreja fiel, a Obra do Espírito, a única que tem a doutrina revelada. Deste modo, a esperteza do mestre-mor cai sobre sua cabeça entorpecida com o erro.

III) Ares de cabala e numerologia aparecem entranhadas nisto que o icemita-mor denomina de mistérios da Obra. Espiritualizando a expressão “trinta e sete” em 2 Sm. 23.39b., ele orgulhosamente proclama: 37 valentes => 3 = trindade 7 = perfeição (Obra perfeita do Espírito Santo).

Então, perguntamos: Qual trindade? Que ObraObra perfeita em quê? Como alguém consegue encontrar a trindade a Obra perfeitaescondidinhas na frase isolada do conteúdo e contexto geral das Escrituras? Não pergunte ao mestre-mor, pois ele  nunca dará explicações e dirá: mistérios da Obra.

Nada obstante, a lista desses guerreiros é maior que a anterior e se completa com o rol descrito em 1 Cr. 11.10-47 e 12.1-22, onde estão mencionados “os principais valentes de Davi que o apoiaram valorosamente no seu reino, para o fazerem rei… e eram dos valentes que o ajudaram na guerra”.  O mestre-mor jamais conseguirá demonstrar, como é que as listas de guerreiros (homens) sanguinários possam ser modelos de pastores para o Novo Testamento; mas além de espiritualizar ele incluiu mulheres (casadas ou solteiras) pois insistiu (ênfase nossa):

Os valentes da Obra também são assim: a irmã que enfrenta o marido não crente todos os dias; o jovem que se dedica ao serviço no Maanaim; os que abrem mão do conforto fazendo as madrugadas; a irmã que entende a revelação e abre mão da calça comprida; os pastores e obreiros que viajam; os trabalhadores do Maanaim; os que se gastam pela Obra.

Neste passo, a espiritualização da frase “trinta e sete” contraria o contexto, deixando-o completamente esvaziado de integração com o restante da Revelação Proposicional. E eis a empáfia icemita com mais um capítulo da doutrina revelada!  Não é verdade que mitos não precisam de sustentação?Ora, esse  esperto icemita intérprete dos intérpretes insistiu em chamar este blefe esquizofrênico demistérios da Obra.

IV) Assim, desde que o construtor de heresias afirma que 3 é o número da trindade, ele cai num círculo vicioso; porque o número 3aparece 14 vezes em 2 Sm. 23.1-39. Isolar somente o último versículo? O que acontecia na mente do pensante? Por que a atenção especial aocabalístico numero 37? Quem o inspirava? Quem o estimulava a dar continuidade à heresia? Só encontro esta resposta: ao espiritulizar“trinta e sete” intencionalmente, o mestre mergulhou a membresia no pior teologismo…

Considerando que o olhar caolho é capaz de dissimular e gerar a nebulosa revelação além da letra para cada frase das Escrituras; diante das 14 ocorrências do número 3 ao longo de 2 Sm. 23.1-39, o beato ignorante dará como correto: 3 (a trindade) e 14 > 2 x 7 (a dupla porção do valente da obra perfeita); e plenamente satisfeito o mestre dirá:  ele entendeu a Obra. Mas, o que se observa nestes casos é o seguinte: definitivamente o erro do mestre está introjetado na mente desse servo da Obra Maravilhosa.

Contra-golpeando esta palavra revelada, melhor será: 3 x 14 = 42 > 4+2 = 6 > número daqueles que aprisionam beatos e com mãos de ferro dominam os rebanhos de Deus. Dominadores, falsos mestres e falsos profetas nunca são transparentes.

V) A fim de entendermos o dano da espiritualização intencionalde frases da Bíblia e os malefícios decorrentes, o olhar caolho do construtor de heresias abusa da expressão bíblica “além da letra”, com o exclusivo e nefasto propósito de aprisionar os beatos com o jargão:Hoje a Obra é a igreja que compõe os 37 valentes.

Esteja certo de que este jargão é apresentado e reiterado com ares de augusta, inerrante e maravilhosa verdade… e os formatados dizem:Amém!

Infelizmente, o mestre-mor conseguiu introjetar na mente dos servos da Obra o enigmático e ininteligível status de valentes da Obra; porém, os erros e fracassos grosseiros nos cultos proféticos mostram que de valentes nada tem. Os retirantes que o digam…

VI) Aquele que elabora e institucionaliza jargões, descobriu que, de lerdos, beatos, formatados, obreiros e pastores subalternos nunca pensam; e por nunca pensarem, nunca exercem fé nas Escrituras, na sabedoria e no poder de Deus (cf. Rm. 1.16.17; 1 Co. 1.24), exatamente, por estarem empanzinados com doutrina revelada além da letra.

Beatos  encantados com a linguagem do não-pensamento facilmente se deixam FORMATAR nos modes do gedeltismo (eclesiasticismo fiosófico, místico, monárquico pseudocarismático) que nada tem de Evangelho de Deus. Esta linguagem do não-pensar, além de gerar jargões, franqueia portas para o falso profetismo que corre nasunidades locais da ICM-OBRA como fogo em palha seca e abre portas pa a ação de espíritos de engano.

Icemitas em geral e especialmente os formatados servos da Obraaprenderam a ecoar jargões. Ciclo vicioso! Quando alguém lhes pede a razão da fé, exlamam: OBRA MARAVILHOSA! Porém, se confrontados com o que Deus disse, do jeito que Ele disse,  eles respondem com agressões e maldições que aprenderam com a Mensagem Para Pastores 2007.

Infelizmente, a elite das elites dos icemitas (clero superior) e os pastores subalternos (crero inferior) depositam fé nos jargões do mestre muito religioso. Não tenho outro modo de dizer: eles depositam fé na crença do chefe icemita, por serem “néscios e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram” (Lc. 24.25).

Neste contexto o maranatês identifica a linguagem do formatado servo da Obra. Esta formatação é conseqüência direta de algo eminentemente e intencionalmente ocultista: A FALSA UNÇÃO.

Insistindo na insanidade religiosa

O argumento de fundo é este: o mestre-mor espiritualizou a frase “trinta e sete”, e apresentou o que denominadoutrina revelada além da letra, querendo dizer que o ministério da Obra Maravilhosa é para valentes que, neste sentido estão dotados da mesma estirpe dos arrolados “valentes de Davi”.

Ora, fosse incontroverso esse argumento, deveria merecer confirmação e  pleno respaldo das Escrituras. Mas este ensino pseudocarismático resiste ao exame das Escrituras? Evidentemente, NÃO!

Portanto, cabe a pergunta: é possível espiritualizar a frase “trinta e sete” com outros contornos?

VII) Sim, é possível. E até bem entremeados com ensinos e expressões proféticas das Escrituras com dramaticidade e peso; ainda mais, porque a frase “trinta e sete” aparece inserida no curto versículo 39 do capítulo em comento. Nele está inserido o número 37, cabalisticamente considerado o número fixo do destino. (3)

Então, a partir do cabalístico número 3 de que o icemita-mor lançou mão para introduzir na ICM-OBRA a alegada e mística palavra revelada, também chamada de mistério da Obra, formulemos a hipótese:

a.  3 > a tríade satânica (Ap. 16.13);
b.  > cada um dos “filhos do diabo” (Ef. 2.1-3; Jo. 8.44; 1 Jo. 3.10);
c.  7 > a obra perfeita do “príncipe que há de vir” (Dn. 8.25; 9.26);
d.  30 > 5 x 6 = cinco continentes dominados pelo “príncipe que há de vir” , ou seja: o Grande Homem Maçônico; ou
e.  30 > 3 x 10 = dez supernações (governo internacional) sob o jugo da trindade satânica (Dn. 2.28-43 cf. Ap. 13.1-8; 16.13);
f.   37 x 6 = 222 > a terça parte do mistério profético está revelada;
g.  222 > 2+2+2 = 6 > número do homem capacitado pelo Diabo, o pai da mentira (Jo. 8.44; Ap. 13.2b);
h.  222 > número a ser multiplicado por 3 para revelar o mistério da besta;
i.  666 > número da besta, a que sobe do mar, “pois é número de homem” (Ap. 13.18) aquele que receberá apoio do “falso profeta” (Ap. 16.13).

VIII)  Assim conjeturando, demonstro que a espiritualização de frases das Escrituras cria imbróglios dos mais ousados. Infelizmente, a cegueira espiritual de muitos os faz acreditar em doutrina revelada… mistérios da Obra. O pior acontece quando algum falso mestre declara:ossorrevelô! Ou lança mão do prestante profeta de bolso, que instigado pelo agregado que se esgueira nas sombras, irrompe com a profetada:DEUS FALOU!

Alguém dirá: esta hipótese não faz sentido. Então, lhes direi explicitamente: o que não faz sentido é a elite dessa falsa Obra Revelada continuar aprisionando os beatos e enganando obreiros e pastores subalternos com espiritualização da frase “trinta e sete” em 2 Sm. 23.39b., como o construtor de heresias exige e impõe. Somente um apóstata, dissociado da realidade, fanático, herético, ilusionista, ignorante ou mestre obstinado e tendencioso consegue falar de a trindade e a obra perfeita do Espírito Santo em 2 Sm. 23.39b. Absurdo! HERESIA!

Entendo que o formatado icemita, como medo de pecar contra a Obra Maravilhosa, nem percebe que mantém o cabalístico número 37introjetado na mente, porque ele é estimulado (inconscientemente) a querer ser mais um vale(n)te da Obra Revelada. Lamentavelmente, confiante nas meias verdades do mistério da Obra que veio da eternidade; e enganado nos cultos proféticos e nos Seminários da Obra com espiritualizações, profetadas e revelagens, o icemita de carteirinha desenvolve a espiritualidade esquizofrênica(alienação da realidade) no modelo proposto sistematicamente.

Infelizmente, o mestre-mor decompôs o cabalistico número 37com a intenção de proclamar que a trindade (qual delas?) está presente na Obra perfeita (perfeita em quê?), para a forma(ta)ção dosvalentes da Obra. De conformidade com esta palavra revelada essesservos da Obra ou valentes da Obra é que serão os notáveis, ou seja: homens capazes de apoiar  o chefe icemita e os balcões de negócios; defender o gedeltismo e  interesses da instituição monárquica e pseudocarismática. Corporatismo! Cumplicidade!

IX) Desde que o olhar caolho além da letra descobriu a trindade e a perfeição da Obra dentro da expressão “trinta e sete” inserida nas entranhas do curto versículo 39; ainda conjeturando e decompondo o número 39 (3 x 13) chegamos ao seguinte: 3 > número da tríade satânica; 13 > 6 + 7 = número do homem maligno e ocultista na mais perfeita rebelião contra Deus; porquanto é dito que 13 é o número de Satanás. (4)

Do mesmo modo, aplicando a esperteza do construtor em espiritualizar frases das Escrituras, diremos que o número 39 aponta o adorador do diabo, o homem maligno em sua completa depravação e revolta contra Deus.

Então, concluímos: na frase “trinta e sete” o olhar caolho “além da letra”  encontrou a trindade e a perfeição da obra; mas embaraçou-se na heresia que guarda, em suas entranhas, a intensificação do mal.

X) Portanto, se o olhar caolho do construtor de heresias da obra perfeita que veio da eternidade acredita em força e mistério dos números; e que certos segredos da doutrina revelada aparecem escondidinhos em expressões numéricas e frases isoladas das Escrituras; diremos que ele conseguiu construir e erguer a doutrina revelada ao nível de dogma negrumoso e ocultista. Portanto, este ensino é herético. ENSINO DE DEMÔNIOS!

Conjuro-te, perante Deus e Cristo Jesus, que há de julgar vivos e mortos, pela sua manifestação e pelo seu reino: prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina. Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas.

CONCLUSÃO

A astúcia da elite icemita está na  formatação e na  manipulação de obedientes obreiros que não-pensemfazendo-os crer movidos pelo espírito de obediência à Obra como fonte de autoridade espiritual e poder pentecostal para serem  valentes… muito valentes. Autoridade espiritual?, capacitação sobrenatural? poder pentecostal e valentia? onde estão na prática? O evitar de desmascarar os falsos profetas e o fugir de expulsar demônios demonstram a fraqueza dos valetes (escrevi valetes). Os erros grosseiros nos cultos proféticos – fatos incontroversos notórios e públicos – provam o contrário da lenga-lenga do mestre-mor.

A ordem do monarca é imperiosa: ABSORVAM A OBRA! Deste modo, o chefe muito religioso impõe o DON (Doutrinas, Orientações e Normas do Presbitério cf. arts. 5º e 25 do Estatuto da ICM-PES), constantemente manipulado pelo  icemita mestre dos mestres e exclusivo modelo dos 37 valentes (quem lê entenda).

Assim, o clero superior despeja a doutrina revelada sobre o clero inferior; e estes obrigam as unidades locais à INDISCUTÍVEL OBEDIÊNCIA. Nesse construto hierárquico de profetadas e revelagens avalia-se a capacidade do servo da Obra ser erguido à condição de defensor da instituição e mero representante do presbitério naunidades locais, conforme o Estatuto Icemita.

Buscar entendimento oculto das Escrituras, além do plano semântico da passagem, é espiritualizar frases consistindo emextravagâncias de interpretação em completa DESARMONIA com o que Deus disse, do jeito que Ele disse. Método extremamente perigoso. Na espiritualização de frases das Escrituras a mente do intérprete não se prende às exigentes regras da Hermenêutica Bíblica, e não há como checar o que ele interpreta. Neste passo, o gedeltismo busca o pretenso sentido oculto do texto, fazendo disto o único padrão… e fracassa. E fracassa quem o imita…

Caindo no engodo de espiritualização de frases das Escrituras, em Ap. 8.5 o mestre-mor cometeu o pior dos erros: destituiu a Cristo Jesus de Seu Apostolado, Messianato e Sumo Sacerdócio, declarando: (5)

Enquanto os anjos se preparam para atender às determinações do Todo Poderoso, o fogo do altar (símbolo do Espírito Santo) é jogado sobre a Terra para os homens, que recebem diretamente do altar o calor das chamas incendiárias do poder de Deus, onde o Espírito Santo age cada vez com mais intensidade em seus corações, como apelo e preparo aos fatos que sucederão, evitando surpresa, o medo e o terror próprio dos desavisados. É a misericórdia de Deus preparando o homem para receber com alegria as suas intervenções.

Mergulhando ainda mais nesta erronia esquizofrênica, o chefe icemita insistiu em que três das quatro trombetas do Apocalipse tocaram (se assim for, já estamos na grande tribulação) e a quarta trombeta equivale à “última trombeta” de 2 Co. 15.52; quando, então, a Igreja Fiel (leia-se: a ICM-PES) exclusivamente será arrebatada“num abrir e fechar de olhos”. Erro em cima de erro. Milenar é o ensino da Escritura (Jó 5.12-13):

“Ele (Deus) frustra as maquinações dos astutos, para que as suas mãos não possam realizar seus projetos. Ele apanha os sábios na sua própria astúcia; e o conselho dos que tramam se precipita.”

Não é, pois, de admirar, que a augusta doutrina revelada… mistérios da Obra propalada pelo chefe muito religioso da ICM-PES, seja conveniente como encantamento dos incautos e instrumento de aprisionamento e manipulação dos obedientes e obtusos servos da Obra.

Nesta condição,  diáconos, mestres dos Seminários, obreiros e os referidos  representates do presbitério (pastores) anseiam e esperam pelo escondido na cartola ou na manga do paletó do mágico; e agrilhoados ao condicionamento místico-religioso da doutrina revelada além da letra, não mais conseguem enxergar o que está nas Escrituras SagradasO absurdo disfarce do poder camaleônico ficou introjetado na mente de cada icemita. Romper com esses entraves exige esforço indescritível.

O propósito deste artigo foi demonstrar em que resulta a alegoria (fantasia) na boca e na doutrina dos falsos mestres e incrédulos especializados na empulhação e na espiritualização de frases das Escrituras. 

Ora, a empulhação gera incrédulos e mata! A apostila em comento nos mostra que a Verdade do Evangelho ainda é mistério nesta ICM-OBRA, onde alegorias, dissimulações, espiritualizações das frases da Bíblia e o gasto e muito obtuso tipologês aparecem absolutos e indispensáveis no arranjo caracteristicamente dissimulado dos ensinos principais nos Seminários da Obra.

Os beatos dependentes e os obreiros subalternos aprenderam a confiar na crença do monarca muito religioso; e, deste modo dispensam o criterioso exame das Escrituras, bem como o exercício da fé no poder e sabedoria de Deus. E enquanto os valetes (escrevi valetes) dormem, os filhos do maligno incentivam o maranatês que continua crescendo qual joio no meio do trigo (Mt. 13.24-30,36-43). Laços do Diabo!

Por conseguinte, a doutrina revelada consegue encantar beatos, obreiros obtusos e pastores subalternos; mas não faz o mais mínimo sentido para os crentes firmes na “fé em Cristo Jesus” (Gl. 2.16) segundo as Escrituras; porque não somos “como os demais, que não têm esperança” (1 Ts. 4.13b). Mas logo aparecem decepções  falhas recorrentes, a ponto de obreiros dizererem: muita coisa está errada dentro desta igreja. Nesta condição de fidelidade a Cristo e às Escrituras Sagradas é que “seremos arrebatados… num abrir e fechar de olhos…” (1 Ts. 4.17; 1 Co. 15.52).

Portanto, ARREBATAMENTO JÁ!

Tenho por firme, que a porção das Escrituras que RECUSAMOS, é sempre aquela que nos torna INÚTEIS PARA O REINO DE DEUS. Cristão, escreva isto em seu espírito e esteja certo desta máxima. Dispensa demonstração por ser escrituristicamente verdadeira. Sua consciência já falou ai dentro do coração.

Você não precisa concordar comigo. Porém, NUNCA poderá dizer: ninguém me avisou.

NOTAS:

Artigo acrescido e revisado em 17.12.2011.

Artigo apresentado na Comunidade Já fui um Maranata em 31.08.2008. Daí em diante ele aparece em diversos Blogs e Sites. Atualização e re-estilização na data desta republicação.

Expressões e frases entre aspas e itálico pertencem à Almeida, RA-SBB. Aquelas sem aspas e em itálico aparecem em apostilas da ICM-PES.

(1) Antes que deletem, copie o conteúdo da apostila “Os Valentes da Obra” em http://doutrinarevelada.blogspot.com/2009/05/os-vanentes-da-obra-davi.html

(2) O Estatuto da ICM-PES emhttp://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=1278527&tid=2533346986709427110&na=4

(3) O cabalístico 37 é mais curioso do que se pensa. Os números 111, 222, 333, 444 etc., são todos múltiplos de 37, ou seja: multiplicando 37 por 3, 6, 9,… (seguindo a seqüência) obtêm-se estes mesmos números.

(4)  http://www.espada.eti.br/n1478.asp

(5) Gedelti V. T. Gueiros – Revista Personalidades – A Quarta Trombeta, ano IV, n. 13, 1998, pgs. 39-41. Neste mesmo sentido: Guia Verbo, 1a. ed., 2002, pgs. 20-30; VerboNews – Edição Especial – Editora e Marketing Ltda, n. 13, Ano 2, Abril de 2006, pgs. 20-24.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/09/a-obra-construindo-heresias/

Ontem eu fui me reunir com os retirantes de BSB e a surpresa foi enorme. Encontrei entre os irmãos 5 pessoas que eram da mesma igreja que eu. Eu fiquei muito feliz. Eles disseram que entraram aqui no Blog do CV e ficaram atônitos não querendo acreditar e sentindo uma grande dor e decepção mas que continuam lendo porque nunca imaginavam tais coisas. Disseram que a igreja que frequentavam está a cada dia mais vazia e triste e que só agora entendem o porquê.

Irmãos, os retirantes de Brasília (que não foram para outras denominações) estão se reunindo em uma casa cedida pelo irmão Hugo, filho do falecido pr. Hugo. Essa casa tem um salão com capacidade par a umas 100 pessoas mas já não está cabendo. Devo esclarecer também que fica num local muito distante e por isso nem todos os retirantes se reúnem ali.

Bom falar isso porque… o tambor está com o som mais alto. No começo o CV estava só e a cada dia pessoas iam sendo acrescentadas e iam ajudando-o.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2009/12/eu-e-o-meu-tambor/

Hoje somos quantos? Não podemos imaginar. Mas os números não importam. O que importa para nosso Deus é cada alma liberta podendo gozar das riquezas que ele tem para nós e que nos eram nagadas lá na seita do Morro do Moreno.
http://www.morrodomoreno.com.br/memorias.htm
http://www.vilacapixaba.com/Artigos/Artigo%20Vila%20Velha%2001.htm

E assim a cada vida liberta é uma grande alegria e bem sabemos que, por isso há festa no céu.

Continuemos em oração mas também com informação para que nossos queridos que ficaram, e até nos tratam com desprezo, também venham viver a liberdade que só a Graça de Jesus pode proporcionar.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/03/o-clamor-publico/

Boa tarde!
Ultimamente tambem tenho recebido emails de gente de ICM, me esculachando, falando as mesmas coisas que aprenderam com seu líder. Exclui todos da minha lista de contatos.
Esse pessoal não tem vergonha na cara mesmo, nunca mandarm um email de consolo, de ãnimo, ate mesmo de reflexão, agora acham que tem direito de invadir a nossa privacidade para amaldiçoar a gente.
Exclui todos, agora não me aborreço, não me extresso.
Povinho sem temor a Deus e sem carater!

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/11/muita-coisa-esta-errada-dentro-desta-igreja/#comment-13929

Eu também já fui um maranata. Graças a Deus que fui liberta de lá. No início achei que meu corpo iria encher de bolinha, porque eles rogam praga em quem sai. Mas, graças a Deus não aconteceu nada, porque a praga deles não pega em ninguém, eles só fazem terrorismo. Esse pr. Gedeuti é um terrorista. Fico com pena dele agora, ter que ir numa delegacia depor, explicando o sumiço desse dinheiro todo. Hoje sou feliz frequentando a igreja presbiteriana, dou risada de alegria por ter Jesus e não vivo mais de cara carrancuda e nem fazendo acepção das pessoas, como eu fazia lá. Oh Glória! Deus é bom demais!!!

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2010/07/a-conspiracao/comment-page-4/#comments

Bom dia a todos e APDSJ.

A coisa mais triste quando nos libertamos dessa seita é ouvir de pessoas q sempre estiveram com vc em reuniões, encontros de jovens, seminarios, vigilias, etc e que vc pensava serem seus amigos passarem a te evitar.
Quando tomei a decisão de sair, comuniquei a uma de minhas amigas dessa denominação dizendo q tinha voltado pra igreja onde aceitei a Jesus. A reação dela me surpreendeu: me chamou de oprimida, de traidora, de q não tinha valorizado a “obra”, que estava rejeitando as experiencias q Jesus me deu nessa “obra”, e por fim disse q eu estava com a mente cheia de razão e dominada por Satanás….

Por mais q tentasse explicar os motivos, não consegui me fazer entender. Tudo isso no bate papo do facebook. Embora tenha pessoas q entenderam e me apoiaram, é dificil qd vc perde alguem por causa de denominação. Por causa da mente formatada e condicionada a excluir quem não for do ninho.

Q Deus abençõe a todos.
.
.
Lucky Costa

Não tenho outro modo de dizer:
o gedeltismo nos traiu e as estradas estão cheias de retirantes…

O modelo de governo monárquico centralizado com

a) arrecadação de dinheiro em caixa on-line;
b) controle de bens móveis e imóveis (patrimônio);
c) formatação de emissários da monarquia pseudocarismática;
d) imposição de mitos;
e) ministério hierárquico (monarca domina o clero superior, que domina o clero inferior, que domina as “unidades locais”); e
f) oposição (repressão) aos questionadores

encurralou a ICM-PES em um beco sem saída, casa mal assombrada e o clamor é público.
.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/12/banquete-de-ladroes/
.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/08/beco-sem-saida/
.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/04/os-filhos-da-instigacao-do-odio/
.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/03/fabrica-de-meia-solas/
.
E agora Josés?

CV.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/#comment-13831

Boa noite a todos os irmãos. Quero deixar registrado aqui o meu relato do tempo que passei nessa denominação q se diz cristã.

Sou evangelica desde os 14 anos e amo a Palavra de Deus. Sempre lia e estudava inclusive outros livros q falvam sobre seitas e heresias, mas nunca havia me deparado com uma igreja pseudocristã. Estamos acostumados a pensar em TJs, Maçonaria, Mormons, Adventistas do Setimo dia como seitas hereticas e nem imaginamos que existem piores q essas. Enfim…

Aos 27 anos comecei a namorar um rapaz da ICM e fui no culto com ele. Achei o lugar simples, as pessoas me receberam muito bem e o culto muito bem organizado, louvores bem cantados…. acabei me deixando ficar, pois minha denominação era muito grande e na ICM tinha tanta atenção… Envolvi-me depressa e nem parei para questionar biblicamente as doutrinas… como era novidade pra mim, fiquei mesmo obsolvendo o q me passavam e rapidamente cresci. Em tres anos já estava no GL, já tocava violão e já tinha a maioria dos seminarios. Todo mes estava no maanaim reciclando e era mnuito conhecida por lá.

Mas aqui estamos falando de discriminação e preconceito e então vamos a minha experiencia.

Depois de quase dois anos na ICM meu namoro acabou. Apesar disso os jovens estavam senore comigo e as vezes saiamos pra lanchar. Na epoca eu trabalhava e ganhava um alto salario e não poucas vezes eu pagava o lanche de alguem ou até mesmo seminarios. Lembro-me de uma rixa entre os jovens q tinham funções q sempre saiam juntos e os jovens sem função sempre ficavam de fora, até o diacono reunir os jovens e proibir qualquer saida sem q todos fossem convidados. Como tinha muitos grupinhos, acabou q raramente passamos a sair juntos.

Qd fui mandada embora, depois de um tempo comecei a trabalhar num escritorio onde ganhava menos, mas tinha tempo de estar na igreja todos os dias e nos finais de semana. Gradativamente fui me afastando dos amigos q não eram da ICM e tb da familia. Ao mesmo tempo eu percebi q os jovens tinham mudado comigo e por dois motivos: finaceiro, pq não ficava mais pagando nada pra ninguem e afetivo: eu tinha mais de 30 e não pensava em casamento, como não penso até hj.

Fui muito discriminada por querer ser solteira e servir ao Senhor e tinha uma jovem q sempre q podia, me humilhava por isso. Um dos erros maiores dessa igreja é proibir os jovens de se relacionar com jovens de outras denominações. Se vc o faz, é pressionado a trazer a pessoa pra ICM ou a terminar. Eu presenciei muito isso. Por essa razão q tem tanta jovem solteira, mesmo pq os varões só querem garotas tipo modelo e quem vai querer namorar uma gordinha como eu? Principalmente uma gordinha q começou a questionar as coisas? E uma gordinha questionadora e pobre? Pra ICM tudo isso é deficiencia e correm disso.

Um dia o pastor me chamou, junto com a jovem q gostava de me humilhar e disse q o Senhor tinha revelado nós duas para sermos responsaveis por inscrição de seminario. No momento em q nos ajoelhamos pra orar, ela fala no meu ouvido: Tinha q ser com vc? E depois, longe dos pastores disse q não queria nenhum tipo de amizade comigo pq não tinha nada a acrescentar a ela. E mesmo levando isso ao pastor, fui tratada como problematica. Deixei na mão do Senhor e apesar de mal nos falarmos, desempenhei bem a função.

Lendo as postagens da Euripia, devo concordar com ela quanto ao trabalho de Libras. Eu tb fiz a oficina e apesar de ter aprendido com facilidade e me emprenhar para estar interprete, depois da prova, pessoas q mal sabiam fazer uma frase em libras tinham sido “levantadas” interpretes e eu apenas como auxiliar. Botei a boca no trombone, falei com todas as professoras, indignada com aquilo. Eu tinha me esforçado pra nada? Duas semanas depois o pastor me chama e diz q agora eu poderia interpretar em qualquer igreja e pra eu dar essa noticia a todos os q riram de mim….ele sabia mais do q eu. E mesmo conseguido isso, não tinha mais vontade de interpretar. E durante o ultimo ano q estive na ICM, não interpretei nenhuma vez. Pq entendi naquele momento q não era pq Deus mostrou, mas pq homens mudaram de opinião.

Qd resolvi morar sozinha, consegui uma kitinet pertinho da igreja, na intenção de me dedicar mais, alem de ficar livre do problema do alcoolismo do meu pai. Apesar dos 6 anos q tive na ICM, esse quadro do meu pai não tinha mudado e não dava mais pra continuar vivendo com ele. Com apoio da minha mãe e meus irmãos, me mudei pra kitinet q uma senhora da igreja alugou pra mim. Sem o problema do meu pai q me fazia ficar mais tempo na igreja, passei a analisar melhor as coisas e a questionar.

Pesquisando, voltei a esse blog q eu tinha visitado a tres anos atras, mas achava q estava pecando contra a “obra” por estar aqui. Só q eu voltei a ler a Biblia como antes e com o escandalo, minha mente, q já estava clareando, se libertou de vez. Então voltei aqui e lendo os artigos e comentarios, cheguei a conclusão q não era coisa da minha cabeça…Era Deus falando comigo. No inicio fiquei zangada, me acando a maior das burras por não ter visto as heresias pregadas e ter aceitando sem confrontar na Palavra, mas depois as coisas foram voltando aos seus lugares e experimentei a liberdade em Cristo.

A mudança foi logo sentidda: de frequentadora assidua e participante de tudo, comecei a aparecer exporadicamente na igreja, sempre acompanhando as noticias e sempre q falava com algum amigo ou irmão da ICM, na maioria das vezes era agredida, ignorada e alguns me excluiram do facebook.

A ultima foi uma “palavra profetica” armada num culto de sabado, sem a presença do pastor onde o obreiro interpretou o diacono dizendo o absurdo q não vou esquecer: “Minha jovem (era mes de março e na igreja raramente tem palavra profetica direcionada a jovens, sem ser no mes tematico dos jovens), eis q te digo q seus pensamentos e sentimentos em relação a minha obra não me agradam. O homem é falho, mas minha obra é perfeita. E te dou poder para vencer esses pensamentos”. Todo mundo percebeu q era pra mim, a igreja estava praticamente vazia, e só tinha membro, sem visitante. Depois dessa, e no dia seguinte o pastor dizer q teve um dom, mas sem contar e falar q tinha q receber imposição de mãos por uma semana, eu decidi q realmente ali não era meu lugar.

Tem duas semanas q saí do ninho q não tem amor, coisa q cobrava demais dos irmãos e q ninguem me ouvia (chegaram a dizer q os membros me evitavam pq eu gostava de unir todo mundo e não tinha preconceito de ninguem. De fato, só os “excluidos” me procuravam) apenas diziam q eu devia fazer a obra q Deus cuidava do resto. E minha saida provocou algumas reações contrarias, fui taxada de caída e ainda não sei se a senhora vai permitir ficar na kitinet alugada, pois ela já percebeu q eu saí. Mas teve irmãos q não se chatearam, apenas disseram pra eu não sair da presença do Senhor.

Hj, depois de voltar para minha antiga denominação, acompanho de longe o desmoronar do palacio da rainha desfigurada. De vez em quando algum irmão de lá me procura e me dá razão. E entendem o pq de tantos posts falando da verdadeira e sã doutrina q está na Biblia, do jeito q está escrito.

Agradeço a todos pela paciencia de ler minhas muitas palavras.

CV, sempre q posso, divulgo o blog. É um oasis no deserto.

A todos, A paz do Senhor Jesus.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/#comment-13543

Ao Indignado do Comentário Enviado em 24/06/2012 as 2:51

Amigo, agora eu gostaria de te dizer com o que eu fico indignado.

Preste atenção:

Fico indignado quando penso que fui enganado nesta Seita ICM durante 27 anos;
fico indignado com as doutrinas heréticas que me ensinaram e que me levaram a ensinar tambem;
fico indignado com a lavagem cerebral que fizeram em mim e que graças a Deus já estou liberto dela depois que saí da Seita; fico indignado quando penso que muitas vezes ia para aquele Maanaim para aprender sempre as mesmas coisas, ou seja, heresias, quando poderia ter aproveitado melhor este precioso tempo perdido;
fico indignado quando penso nos “cultos de madrugadas” que tive que participar, quando poderia ter ficado em casa dormindo um pouco mais;
fico indignado quando penso que quando saía com minha esposa e filha para passearmos, ficava com pressa para retornar para não perder o tal do “culto profético” e aí nem aproveitava direito o passeio;
fico indignado quando penso que chegava do trabalho e ás vezes nem banho tomava, pois tinha que ir para a “igreja” rapidamente, pois era o diácono responsável pela “igreja” e não podia perder a reunião do culto profético;
fico indignado quando penso que em todos os anos na época do Natal não podíamos participar de momentos juntos com os familiares porque nos era ensinado para não participarmos;
fico indignado quando penso que nem o dia das mães podíamos comemorar junto com nossa mãezinha, porque nos ensinaram que isto não podia-se fazer…

Veja bem amigo, são tantas as indignações que se quizer colocar todas aqui,este comentário ficará imenso. Mas vou terminar falando de mais uma indignação:
fico indignado em pensar que meu dinheiro do dízimo e das ofertas foi surrupiado por uma quadrilha(em tese) que se instalou na cúpula desta “igreja”. Dinheiro este que não foi só o meu e que foi desviado para compra de carrões e mansões e foi até utilizado para se fazer plástica de natureza estética em mulher de pastor. E o pior é a indignação de saber que todos os crimes (em tese) dos quais a cúpula da Seita ICM está sendo investigada, provavelmente vem acontecendo a muitos anos…

Deixo este comentário para a sua reflexão.
Será que voce tambem ficará indignado?

Um abraço a todos e fiquem na PAZ!

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/03/castigo-definitivo/#comment-13528