Arquivo de abril, 2013

Não adianta querer esconder o que já está estampado para todos verem

Cavaleira da Verdade disse:

26 de abril de 2013 às 11:58

Bom dia!

lavagem cerebral na igreja cristã maranata

lavagem cerebral na igreja cristã maranata

Com a integração da cúpula ao PES hoje, a corrupção vai correr de vento em pompa como sempre foi. Só que agora com mais cuidados devido a terem sidos descobertos nos delitos ilícitos aos quais foram presos.

Não adianta querer esconder o que já está estampado para todos verem, só não enxerga quem não quer ou a quem quer se fazer de boi sonso.

A parte administrativa está sob o comando da cúpula, não se iludam irmãos, saim fora disso!

Não se iludam: a maranatinha do Pastor Juvenal está a sob o domínio e poder da ICM-PES. Esse engano que a igreja viveu nesses 45 anos irá se perpetuar nessa igreja e nas demais que estão surgindo.

Não entendo a postura ddos membros da igreja nesse momento: espiritualmente estão doentes e se apegam a esses falsários e picaretas da fé que mais uma vez vão usá-los e manipulá-los; só que agora de maneira mais sórdida pois estão com o coração cheio de mágoas, de ódio, pecados e mais pecados… dando ouvidos a espíreitops de demônios…

Não sejam como Tomé que tem que ver para crer pois isso não vai terminar bem para a vida das pessoas que estão saindo de outras igrejas e trocando figurinhas. O pecado da iniquidade é imenso e parece se perpetuar pois as pessoas estão dando abertura para isso.

Pr Juvenal muito me admira uma pessoa que se diz Pastor se prestar a esse papel hein? Enganar as pessoas como está fazendo, muitos te acham gente fina, legal, educado, tudo isso ai não vai livrar sua cara não viu?

Não se esqueça de que com Deus não se brinca. Chega de fazer as pessoas de bobas e usa-las e descarta-las como se nada valessem. Deixa MP e PF pegar vocês tudo de novo!

Paz!

fonte: http://cavaleiradaverdade.wordpress.com/2013/04/26/nao-adianta-querer-esconder-o-que-ja-esta-estampado-para-todos-verem/

Anúncios

Desintoxicação gradativa… mas TOTAL.

Depois da postagem da decisão que determinou a prisão dos líderes da ICM, e os membros do MP-ES terem identificaram cinco tipos de crimes na banda podre enraizada na Maranata:

1. crime contra a ordem tributária,
2. estelionato,
3. falsidade ideológica,
4. formação de quadrilha e
5. lavagem de dinheiro.

testemunhas contra a seita maranata eram intimadas com arma pelos fundadores e cúmplices

testemunhas contra a seita maranata eram intimadas com arma pelos fundadores e cúmplices

Quem insiste em permanecer e defender essa obra filha única, tem que estar envolvid nas falcatruas, ou desvio de conduta mesmo; e na última das hipóteses estar sob efeito de hipnotismo psicológico que brota da cabeça do papagueiros.

Esse Marcus Fercondini apareceu cobrando “evangelho puro” (mas senti a catinga da formatação e fiquei esperando ele tirar as luvas de pelica e esparramar calúnias e ofensas).

Pois é, informar também é uma forma de evangelizar pois estamos resgastando almas aprisionadas no ninho sujo e contaminado pelas falsas profecias, pelas heresias e pela escravidão em que essa seita os mantem.

Evangelho puro é esse que voces estão mostrando na Midia não é? Gostam de atirar pedras mas esquecem que o seu Lider Mor destruiu familias inteiras, igrejas, a fé e até vidas que hoje se encontram enfermas fisicamente e espiritualmente!

E na estrada da obra revelada e alguns estão marcados para morrer. Leiam em http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/denunciei/ e sem ofensas, a pergunta continua: caidos?! onde eles estão?!

Isso voces icemitas formatados e meia-solas representantes do palácio da rianha desfigura não querem ver e se borram de medo de perguntar…. Não sabem cobrar. E alguns de vocês quando aparecem perantre as autoridades ficam com esta de joão sem braço: falarei em juizo… Acho que o CV tem a LISTA desses maus pastores que assim fizeram…. por MEDO!!!!

Aqui o Evangelho é pregado a todo instante, quer seja com as denúnicias quer na Biblia uxcluisvamente, nada alem da letra como voces aprenderam. Viu o que deu querer enxergar alem da letra?

O MP e a PF enxergaram melhor do que os meias-solas cativos e cúmplices do sistema… e ai está o resultado: prisão do lobo mal e dos três porquinhos… È logo reagira com demandas judiciais mas as Decisões Judiciais desfavoráveis à cúpula estão amointoiando enquanto o conjunbto de blogd insiste nas DENÚNCIAS e as pessoas honestas e sinceras se libertam do cativeiro maranático…..

Voces sabiam que depois de designado Presidente das ICM_PES comprou uma fazenda aqui por perto em dinheiro vivo? Maleta fechadinha com dindim vivo… e vendedor até assustou!

Picaretas de grau maior, mas os dias dessa elite merceária estão contados… A casa caiu, caiu geral!

Juvenal não adianta posar de bom moço hein?! Está vendo ai o que acontece com aqueles que puxam saco do velho Tio Patinhas?

E agora Juvenal? Vc vai responder às perguntas do Antunes? Já leu? Não?!! http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/04/a-iniquidade-permanece/comment-page-2/#comment-52824

Mas pode se ver em http://diganaoaseita.wordpress.com/2013/04/24/nem-a-pau-juvenal/ Pois é Juvenal…

Reveja sua maranatinha que está está desfiguirada e se vale a pena colocar sua cabeça na forca junto que esses maus pastores…. E atenção, voces que estão ouvindo o canto da sereia e estão acompanhando essa transferencia de igreja que já nasce ceia de dindim:cuidado com essa passagem ai pois pode custar muito além de seus bolsos.

Não façam isso com suas vidas, com a vida de seus filhos! Procurem ajuda enquanto é tempo, enquanto há jeito, porque o estrago vai ser grande.

Agradeço a Deus a cada dia a oportunidade que tive de me livrar dessa seita memso ainda tendo que sofrer no fisico as marcas deixadas por ela, mas na mente não!

Fujam enquanto há tempo!

Paz
.
.
http://cavaleiradaverdade.wordpress.com/2013/04/25/hoje-vemos-como-a-icm-pes-esta-em-descredito-diante-da-sociedade-vergonha/

CV.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/04/a-iniquidade-permanece/#comment-52826

Um povo, um estado, uma faculdade de direito clamam por justiça.

Acabem com a corrupção na justiça, política e polícia capixaba!

Corrupção promovida por uma instituição que se diz religiosa - a maranata.

Corrupção promovida por uma instituição que se diz religiosa – a maranata.

Corrupção e crimes promovidos por homens que se dizem “pastores”!

Pastores que estão criando novas “igrejas” como a “Congregação Cristã Nova Aliança” para continuar a iludir e enganar o povo.

Pastores que criam essas seitas para a empresa religiosa continuar a faturar!

Pastores que vão continuar a promover crimes e corrupção com o dinheiro do dízimo, tirado da maranata e dos filhotes dela (“Congregação Cristã Nova Aliança”)

Corrupção promovida por uma instituição que se diz religiosa - a maranata.

Corrupção promovida por uma instituição que se diz religiosa – a maranata.

Corrupção promovida por uma instituição que se diz religiosa - a maranata.

Corrupção promovida por uma instituição que se diz religiosa – a maranata.

Corrupção promovida por uma instituição que se diz religiosa - a maranata.

Corrupção promovida por uma instituição que se diz religiosa – a maranata.

Corrupção promovida por uma instituição que se diz religiosa - a maranata.

Corrupção promovida por uma instituição que se diz religiosa – a maranata.

Corrupção promovida por uma instituição que se diz religiosa - a maranata.

Corrupção promovida por uma instituição que se diz religiosa – a maranata.

Homenagem e grito por justiça no muro da faculdade de direito de Vitória ao/para o juiz Alexandre Martins que encontrou nas suas investigações todo este esquema de corrupção no Estado do Espírito Santo e por isso foi assassinado covardemente!

E agora Juvenal? Faz parte da quadrilha?

Maranata: cúpula volta, mas não administra

Justiça afirma que membros do Conselho Presbiteral só podem ter atividade religiosa. 

Vilmara Fernandes 

Foto: Vitor Jubini – GZ

 Vitor Jubini - GZ

Conselho havia sido afastado no final de 2012

A cúpula da Maranata – composta por nove membros do Conselho Presbiteral – foi autorizada pela Justiça a retornar para igreja, mas só poderá exercer funções espirituais ou eclesiásticas. A eles está vetada qualquer participação na área administrativa, que continuará nas mãos do interventor, o pastor e coronel aposentado da Polícia Militar Julio Cezar Costa.

O conselho, formado por pastores, foi afastado no final do ano passado, após operação realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual, em conjunto com a Polícia Federal. Eles investigam o desvio do dízimo doado pelos fiéis e que pode ter resultado na prática de crimes como lavagem de dinheiro, estelionato, formação de quadrilha, desvio de recursos públicos, entre outros.

Salário

A decisão de permitir a volta da cúpula foi do juiz Marcelo Menezes Loureiro, titular da Vara Central de Inquéritos de Vitória. No mesmo documento, ele aceitou os honorários propostos pelo coronel aposentado Julio Cezar Costa. No período em que permanecer como interventor da igreja, o pastor e militar receberá um salário mensal de R$ 24,9 mil.

Ele deverá apresentar, até o dia 4 do próximo mês, o primeiro relatório de suas atividades à frente da instituição. “Já está quase tudo pronto, seguindo o que foi pedido pela Justiça”, adiantou Costa.

O interventor explicou que a decisão da Justiça também suspende a proibição dos pastores do conselho de se comunicarem, o que sana uma dificuldade que vinha sendo enfrentada por eles. “Eles não podiam ministrar aulas no Maanaim ou fazer pregações em igrejas para não descumprir uma decisão da Justiça, o que agora acaba”, assinalou Costa.

Horários

Na tarde de ontem, Costa publicou uma instrução de serviços em que define dias e horários onde o conselho poderá se reunir. O espaço a eles destinado será uma sala do Presbitério de Vila Velha, a sede administrativa da Maranata. “Nesses momentos, não haverá presença de funcionários da área administrativa, seguindo o que determina aa Justiça”, assinalou Costa.

A decisão da Justiça também permite o retorno do pastor Daniel Moreira à Diretoria Administrativa e de Recursos Humanos. Ele também havia sido afastado de suas funções. Outro ponto da decisão diz respeito aos bens da igreja, dos quais R$ 30 milhões vão permanecer bloqueados.

O Conselho 

Presidente
Gedelti Gueiros

Conselheiros
José Fraga Athayde
Gilson Souza
Marcelo Ferreira
Adaísio Fernandes
Luiz Eugênio do Rosário
Renato Duguay
Diniz Ciprestes
Alexandre Brasil

fonte: http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2013/04/noticias/cidades/1433081-maranata-cupula-volta-mas-nao-administra.html

HOMENS DE DEUS VALOROSOS QUE FIZERAM A DIFERENÇA

Juiz acusado de mandar matar colega é condenado por corrupção

http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2013/04/noticias/cidades/1432638-juiz-acusado-de-mandar-matar-colega-e-condenado-por-corrupcao.html

maranata - contra fatos nao ha argumentos

maranata – contra fatos nao ha argumentos

Nossa sociedade está hoje feliz por tantas decisões Judiciais favoraveis a Sociedade que clamou por justiça nesses longos anos de espera, como no caso do Juiz Alexandre Martins de Castro Filho, assassinado em 2003.Esta foi a primeira condenação de Leopoldo na área criminal. Nossa Justiça tem executado um trabalho fantástico para a Sociedade.

Não devemos esquecer também do Advogado competente Dr. Leo Schuler que foi o representante legal de um dos acusados pela cúpula. Ele tem sido de muita importancia para a Sociedade atuando em diversas áreas e em diversos casos.

Casos de planos de Saúde de pessoas carentes que não podem custear honorários Advocatícios, e de pessoas que são covardemente atacadas por injustiças processuais, casos de família e tambem trabalhistas.

Ele foi o único Advogado   a dar a cara a bater no caso da Maranata  representante ativo  de um povo que clama por justiça que o nomeou para representa-losno caso das denúncias da maranata, e vem trabalhando duramente para desmascarar essa corja maldita!

E todos os processos quebraram. caindo todos por terra. isso são frutos  da busca incessante pela verdade que os homens da justiça conquistam abençoados por Deus.

No Blog temos o valoroso CV que com sua força e determinação esteve esse tempo todo tocando seu tambor sózinho. Até que DEUS  viu a necessidade de mandar mais valentes para ajuda-lo. E aos poucos começaram a chegar os irmãos de diversos cantos do mundo, prontos a tocar o tambor, Todos que chegaram tiveram seus lugares ja preparados por Deus. E hoje vemos um Império chamado ICM_PES ser desmoronado pela ação de Deus e por orgãos Competentes, e por Homens de Deus que tiveram a ousadia  de denunciar um sistema mercenário e opressor que tanto mal noas fez.

Isso é o inicio de uma batalha mas não é o fim da guerra! Continuemos firmados na rocha que é Jesus e fazendo nossa parte, contrubuindo para que essa organização fraudulenta chamada maranata caia de vez.

CVA

fonte: http://cavaleiradaverdade.wordpress.com/2013/04/25/homens-de-deus-valorosos-que-fizeram-a-diferenca/

a justiça deveria investigar e revelar QUEM está por trás desse dinheiro que promovia essa corrupção:

É dinheiro do dízimo da maranata!!

Juiz acusado de mandar matar colega é condenado por corrupção

Antonio Leopoldo foi condenado a cinco anos e seis meses de prisão, em regime semiaberto, por corrupção passiva

VILMARA FERNANDES
Foto: Carlos Alberto da Silva

Carlos Alberto da Silva

Antônio Leopoldo Teixeira foi condenado prisão semiaberta

O juiz aposentado Antônio Leopoldo Teixeira foi condenado nesta quarta-feira a cinco anos e seis meses de prisão, em regime semiaberto, por corrupção passiva. O magistrado é acusado de receber vantagens num esquema de venda de sentenças e benefícios para presos enquanto atuava como titular da Vara de Execuções Penais, a mesma em que trabalhou o juiz Alexandre Martins de Castro Filho, assassinado em 2003. Este, inclusive, fez um relatório, denunciando irregularidades que teriam sido cometidas por Leopoldo.

Foi esse documento – produzido em 2001 e assinado também pelos juízes Carlos Eduardo Lemos e Rubens da Cruz – que resultou ontem na condenação de Leopoldo. Este, por sua vez, também é acusado de ser um dos mandantes do assassinato de Alexandre.

Liberdade

Mesmo com a condenação desta quarta, o juiz aposentado responderá ao processo em liberdade, como prevê a lei. Ele terá que pagar uma multa de dois salários mínimos. Em setembro de 2011, o juiz Alexandre Farina Lopes, da 9ª Vara Criminal de Vitória, o havia inocentado das acusações.

Essa decisão foi reformada, por unanimidade, pelos desembargadores Adalto Dias Tristão, Manoel Alves Rabello e Willian Silva, que atuam 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado. Na mesma ocasião foi condenado, com pena e multa semelhantes, Valderis Martins, apontado como primo de Leopoldo.

Segundo o Ministério Público Estadual (MPES), existiria um “esquema ilícito” na 5ª Vara Criminal de Vitória. Lá Valderis atuaria como intermediário nas negociações para que presos fossem beneficiados, irregularmente, junto à Vara de Execuções Penais. Tudo isso ocorreria “mediante pagamento de vantagem indevida”, diz o relatório dos desembargadores.

Homicídio

Esta foi a primeira condenação de Leopoldo na área criminal. E pode ter repercussões, segundo Lemos, no processo sobre o mando da morte do juiz Alexandre. “Foi essa denúncia, hoje condenação, que resultou no homicídio”, assinala.

O procurador do MPES, Sócrates de Souza, vai além: diz que a condenação vai repercutir na decisão que aposentou o juiz Leopoldo. “Assim que ela for publicada, pediremos a cassação da aposentadoria.” Hoje, o juiz recebe R$ 27 mil por mês.

Outro lado 

O advogado Fabrício de Oliveira Campos adiantou que vai recorrer da condenação de seu cliente, o juiz Antônio Leopoldo Teixeira. Ele ainda vai decidir, assim que a decisão for publicada, se fará recursos ao próprio Tribunal de Justiça do Estado ou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília.

Campos adiantou que o magistrado foi condenado por fatos que não estavam presentes na denúncia feita pelo Ministério Público Estadual. “A denúncia diz que ele teria recebido vantagens indevidas em duas oportunidades. Não há provas do recebimento dessas vantagens, e o TJ entendeu que não precisava dessas provas”, pontuou o advogado.

Campos avalia que a condenação de Antônio Leopoldo põe em risco a atuação de vários agentes públicos. “Comentários, sem provas, podem levar a acusações e condenações”, destaca. O advogado também recorrerá ao STJ contra uma outra decisão do TJ, que manteve a determinação de que o julgamento de Leopoldo, na acusação de homicídio contra o colega Alexandre, será por júri popular.

Entenda o caso

Outubro de 2001

Os juízes Carlos Eduardo Lemos, Alexandre Martins de Castro Filho e Rubens da Cruz denunciam ao Tribunal de Justiça o colega Antônio Leopoldo Teixeira por corrupção na Vara de Execuções Penais. Ele, supostamente, concederia benefícios
a presos para irem para
o regime semiaberto

Março de 2003

O juiz Antonio Leopoldo é acusado de ser um dos mandantes do assassinato do juiz Alexandre Martins de Castro Filho. Um dos motivos do crime seriam as denúncias de corrupção

Março de 2005

O Tribunal de Justiça afasta o juiz Leopoldo das suas atividades

Setembro de 2005

Leopoldo é punido com a aposentadoria compulsória pelo Tribunal de Justiça, no processo administrativo aberto contra ele por irregularidades praticadas no período em que era titular da Vara de Execuções Penais. Hoje ele recebe R$ 27,3 mil

Abril de 2013

O magistrado é condenado a cinco anos e seis meses, em regime semiaberto, por corrupção. Foi sua primeira condenação na área criminal. Ele vai responder ao processo em liberdade

fonte: http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2013/04/noticias/cidades/1432638-juiz-acusado-de-mandar-matar-colega-e-condenado-por-corrupcao.html

Caso Jureth – disse a Juíza: rejeito a queixa-crime

DERROTA!

Havíamos dito que essas ações da ICM-PES contra dissidentes e aqueles que prestaram depoimentos perante os Órgãos Públicos apenas exibiriam decadente poder religioso

Caso Jureth: DECISÃO JUDICIAL: rejeito a queixa-crime

Obra maravilhosa, hein Gedelti?!

 

Processo : 0005008-33.2013.8.08.0024 Petição Inicial : 201300172821 Situação : Tramitando
Ação : Notícia-Crime Natureza : Juizado Especial Criminal Data de Ajuizamento: 19/02/2013
Vara: VITÓRIA – 2º JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

Distribuição
Data : 19/02/2013 12:33 Motivo : Distribuição por sorteio

Partes do Processo
Noticiado
JURETH MORAES CUNHA
Noticiante
IGREJA CRISTA MARANATA PRESBITERIO ESPIRITO SANTENSE
10633/ES – BARBARA VALENTIM GOULART

Juiz: RACHEL DURAO CORREIA LIMA

Decisão

5008-33.2013.8.08.0024
Noticiante: Igreja Cristã Maranata – Presbitério Espírito Santense
Noticiada: Jureth Moraes Cunha
D E C I S Ã O
Cuida-se de queixa-crime proposta por Igreja Cristã Maranata – Presbitério Espírito Santense em face de Jureth Moraes Cunha, imputando-lhe a prática do delito de difamação, capitulado no artigo 139 do Código Penal.

Aduz a querelante que a querelada, ao prestar depoimento para o Grupo Especial de Trabalho de Proteção à Ordem Tributária do Ministério Público do Estado do Espírito Santo, que investigava suposto desvio de valores pela Igreja Cristã Maranata por meio da emissão de notas fiscais sem que houvesse efetiva prestação de serviço ou compra de mercadoria, rogou ofensas à querelante, com fatos que não guardavam relação com os eventuais crimes em investigação, quando afirmou

[…] que desde os primeiros e-mails e início da apuração interna seu irmão Mário passou a sofrer perseguições, inclusive veiculadas em mensagens difundidas para toda a Igreja por videoconferência, em um sistema de avisos e comunicados aos membros; que as mensagens induziam e manipulavam os membros, vinculando a pessoa de Mário a figuras bíblicas que se voltaram contra Deus; que em uma dessas mensagens foi usada o seguinte refrão “Eu amo essa obra! Eu amo esta obra! Eu amo esta obra! Eu amo esta obra!”, colocando a Igreja e o Presbitério à frente de Deus e de seus propósitos. (fls. 11-12)

Assim, requer a condenação do querelado nas penas do artigo 139 c/c o inciso III do artigo 141, todos do Código Penal.

Em manifestação às fls. 56/57, o Parquet opina pela rejeição da queixa-crime, ante a atipicidade da conduta.

Pois bem.

Inicialmente, impende registrar que, no caso dos crimes contra a honra, a verificação da presença do elemento subjetivo específico do tipo – consubstanciado no propósito determinado de produzir a ofensa, representado pelos “animus caluniandi”, “animus injuriandi” e “animus diffamandi” – é imprescindível à perfeita adequação dos fatos aos tipos penais definidores de tais delitos.

Justificando a necessidade desse especial fim de agir, Luis Regis Prado aduz que:

“Os delitos contra a honra são delitos de tendência intensificada. Isso significa que o tipo legal exige uma determinada tendência subjetiva de realização da conduta típica, qual seja, a finalidade de desacreditar, menosprezar (…). Não se requer a persecução de um resultado ulterior ao previsto no tipo, senão que o autor confira à ação típica um sentido subjetivo não expresso no tipo, mas deduzível da natureza do delito: o propósito de ofender. Essa tendência peculiar é o elemento subjetivo do injusto, distinto do dolo, que o tipo exige, além deste, para sua realização. O desvalor da ação não se esgota no dolo. Nos delitos contra a honra é preciso que também concorra o propósito de ofender.(…)”
(PRADO, Luiz Regis. Curso de Direito Penal Brasileiro. 6ª ed. São Paulo: Ed. RT, 2007,p.255)

Corroborando esse entendimento, César Roberto Bittencourt manifesta-se da seguinte forma:

“Inegavelmente, os crimes contra a honra não se configuram sem o propósito de ofender, que é o elemento subjetivo especial do injusto. Assim, é insuficiente que as palavras sejam idôneas a ofender, faz-se necessário que sejam proferidas com esse fim (…)”.
(Tratado de Direito Penal. 5ª edição. São Paulo: Saraiva, 2006, v. 2, p. 359)

Assim, este juízo de admissibilidade não pode se furtar de averiguar se a conduta da querelada revestiu-se de intenção difamatória ou não, na medida em que, nesta última hipótese, seria totalmente desarrazoado impor-lhe os transtornos de uma ação penal já de início improcedente.

No caso dos autos, conforme já afirmado, a querelada, ouvida pelo Grupo Especial de Trabalho de Proteção à Ordem Tributária do Ministério Público do Estado do Espírito Santo, teria, em sua oitiva, rogado ofensas à querelante por meio de narrativas, com “animus diffamandi”, ao afirmar

[…] que desde os primeiros e-mails e início da apuração interna seu irmão Mário passou a sofrer perseguições, inclusive veiculadas em mensagens difundidas para toda a Igreja por videoconferência, em um sistema de avisos e comunicados aos membros; que as mensagens induziam e manipulavam os membros, vinculando a pessoa de Mário a figuras bíblicas que se voltaram contra Deus; que em uma dessas mensagens foi usada o seguinte refrão “Eu amo essa obra! Eu amo esta obra! Eu amo esta obra! Eu amo esta obra!”, colocando a Igreja e o Presbitério à frente de Deus e de seus propósitos. (fls. 11-12)

Observando as palavras utilizadas pela querelada em seu depoimento diante do referido Grupo Especial de Trabalho (fls. 44/50) e, principalmente, o contexto fático em que se deu tal afirmativa, tenho por inadmissível a presente queixa-crime, já que criminalmente atípico o fato narrado na peça inicial. Explico.

A análise do contexto fático em que se deram as declarações é essencial à apuração de suposta prática criminosa, conforme a lição de Cezar Roberto Bitencourt:

“Para que se possa admitir como configurada a difamação, tal como penalmente considerada, é necessário que se explique o prejuízo moral que dela redundou; não basta retirar um dito qualquer de uma frase: é mister que seja acompanhado de circunlóquios, como esclarecem doutrina e jurisprudência. Não há ‘animus diffamandi’ na conduta de quem se limita a analisar e argumentar sobre dados, fatos, elementos, circunstâncias, sempre de forma impessoal, sem personalizar a interpretação. Na verdade, postura comportamental como essa não traduz intenção de ofender (…)”
(Cezar Roberto Bitencourt, “Tratado de Direito Penal”, Parte Especial, vol. 2, 8ª ed. São Paulo: Saraiva, 2008, p. 304-305).

No caso dos autos, as expressões empregadas pela querelada em relação à querelante, se analisadas isoladamente, até poderiam ter o condão de ofender a honra alheia, mas a verdade é que o contexto do caso e o propósito para os quais foram utilizadas revelam que falecia ao querelado o “animus diffamandi”, isto é, sua conduta não foi imbuída de qualquer intenção difamatória.

Consoante afirmado na própria queixa-crime, a fala da querelada teria ocorrido perante um representante do Ministério Público, num ambiente em que, tão-somente, buscavam-se elementos para a apuração de suposta prática de um ilícito e, eventualmente, para a futura persecução penal. Não é possível, assim, desconsiderar tal situação, a revelar que sua intenção não era de ofender, mas sim de auxiliar no esclarecimento dos fatos e de contribuir com o órgão ministerial.

Não há que se falar, ainda, que as afirmações por ela ditas não guardem relação com o objeto da investigação, consoante afirmado pela querelante na queixa-crime, pois, como é óbvio, respondeu o querelado apenas ao que lhe foi inquirido, sendo, pois, o esclarecimento desses fatos relevante para o representante do “Parquet”.

Em face de tal contexto fático, isto é, prestando depoimento a um representante do Ministério Público para esclarecimento dos fatos, respondendo apenas ao que lhe era perguntado, agiu a querelada em evidente “animus narrandi”, de sorte que, a meu ver, resta iniludível a atipicidade da conduta do mesmo, o que enseja a rejeição da presente queixa-crime, na esteira da jurisprudência pátria, senão vejamos:

RECURSO EM SENTIDO ESTRITO – QUEIXA-CRIME – CRIME CONTRA A HONRA – CALÚNIA E DIFAMAÇÃO – DEPOIMENTOS PRESTADOS PERANTE AUTORIDADE POLICIAL, COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO E MINISTÉRIO PÚBLICO. AUSÊNCIA DE ANIMUS CALUNIANDI E DIFFAMANDI.
(…)
2. Além do dolo, faz-se necessário o propósito de ofender (animus caluniandi ou diffamandi) o que, consoante análise detida dos autos, não restou evidenciado.
3. A conduta praticada pelo recorrido é atípica e antijurídica, vez que não estou evidenciada a vontade por parte do recorrido de ofender a honra da recorrente, sendo certo tal requisito revela-se elemento subjetivo implícito do tipo.
4. Recurso improvido.
(TJDFT, 1ª Turma Criminal, Processo n. 0060002-88.2005.807.0001, Relator: JOÃO EGMONT, julgado em 14/08/2008, DJe 16/10/2008, p. 96)

AÇÃO PENAL – CRIME CONTRA A HONRA – QUEIXA-CRIME – EXPOSIÇÃO DO FATO CRIMINOSO E DAS SUAS CIRCUNSTÂNCIAS – AUSÊNCIA – ANIMUS NARRANDI – JUSTA CAUSA – NÃO-CARACTERIZAÇÃO – QUEIXA-CRIME REJEITADA.
1. Nos termos do artigo 41 do Código de Processo Penal, a queixa-crime deve conter a exposição do fato criminoso, com todas as suas circunstâncias.
2. A falta de justa causa para o exercício da ação penal implica na rejeição da queixa-crime (art. 395, inciso III, do Código de Processo Penal). Verificado apenas o animus narrandi, ou seja, a intenção de narrar ou relatar um fato, na conduta dos querelados, inviabiliza-se a persecução penal.
3. Queixa-crime rejeitada.
(STJ, APn 616-DF, Rel. Ministro MASSAMI UYEDA, CORTE ESPECIAL, julgado em 15/06/2011, DJe 04/08/2011)

QUEIXA-CRIME. DIFAMAÇÃO (ART. 139, CP). ELEMENTOS OBJETIVOS E SUBJETIVOS DO TIPO. AUSÊNCIA NA ESPÉCIE. FALTA DE JUSTA CAUSA. REJEIÇÃO DA AÇÃO PENAL (ART. 6º DA LEI 8.038/90).
(…)
4. Os elementos subjetivos que integram o tipo da difamação excluem o denominado “animus narrandi”. Sob esse ângulo, já asseverava Nelson Hungria: “Pode-se, então, definir o dolo específico do crime contra a honra como sendo a consciência e a vontade de ofender a honra alheia (reputação, dignidade ou decoro), mediante a linguagem falada, mímica ou escrita. Ê indispensável a vontade de injuriar ou difamar, a vontade referida ao ‘eventus sceleris’, que é no caso, a ofensa à honra” (“Comentários ao Código Penal”, volume VI, 5ª ed.: Rio de Janeiro, Forense, 1982, p. 53).
(…)
7. Queixa-crime rejeitada por ausência de justa causa (art. 6º, “caput”, da Lei nº 8.038/1990).
(STJ, APn 607-MS, Rel. Ministro LUIZ FUX, CORTE ESPECIAL, julgado em 15/09/2010, DJe 30/09/2010)

Assim sendo, a análise das assertivas do querelado conduz a constatação distinta daquela sugerida pela querelante, porquanto ausente a figura do dolo específico, já que tais declarações não foram direcionadas à ofensa da honra alheia, notadamente porque não atua assim quem age com “animus narrandi”, como no caso dos autos.

Ante o exposto, acolhendo a judiciosa manifestação do Ministério Público, entendo que o fato imputado na queixa-crime não constitui crime, razão pela qual rejeito a queixa-crime, com arrimo no inciso III do artigo 395 do Código de Processo Penal, determinando, assim, a extinção do feito.

Intimem-se todos.

Notifique-se o MP.

Após, arquivem-se.

Vitória (ES), 24 de abril de 2013.

RACHEL DURÃO CORREIA LIMA
JUÍZA DE DIREITO

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/caso-jureth-disse-a-juiza-rejeito-a-queixa-crime/

Maranata perde três ações que movia na Justiça contra testemunhas

Depoentes falaram sobre desvio de dízimo; juíza afirma que elas não difamaram igreja

 

 

Vilmara Fernandes 

Data: 17/01/2013 - Vila Velha - ES - Igreja Maranata na Praia da Costa, rua Henrique Moscoso - Editoria: Cidades - Foto: Vitor Jubini - GZA Maranata perdeu nesta quarta-feira (24), na Justiça, três ações que movia contra testemunhas. Elas foram acusadas de difamar a igreja ao prestar depoimento ao Ministério Público Estadual (MPES) durante as investigações que apuram o desvio de recursos do dízimo doado pelos fiéis.

A decisão foi da juíza Rachel Durão Correia Lima, do 2º Juizado Especial Criminal de Vitória. Nos três casos, ela pontuou que nenhum tipo de crime foi praticado. “Tais declarações não foram direcionadas à ofensa da honra alheia (igreja)”, assinala em seu texto, ao se referir aos depoimentos prestados pelas testemunhas.

Em sua decisão, a juíza destaca ainda que os depoimentos foram prestados em um ambiente do Ministério Público Estadual, onde se buscava apurar a prática de fatos ilícitos. “Não é possível, assim, desconsiderar tal situação, a revelar que sua intenção (testemunhas) não era de ofender, mas sim de auxiliar no esclarecimento dos fatos e de contribuir com o órgão ministerial”, diz em seu texto. Ela recusou as ações e determinou a extinção dos processos.

Intimidação

Para o promotor de Justiça Paulo Panaro, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime organizado (Gaeco), a decisão comprova que o objetivo das ações – todas movidas pelo Presbitério de Vila Velha, que administra a Igreja Maranata – era o de ameaçar e intimidar as testemunhas. “O intuito era apenas coagir, porque o crime nunca existiu.”

Panaro assinala ainda que os processos configuram um modo de atuação da Maranata. “Exercem o direito que todos possuem de ir à Justiça com o intuito apenas de intimidar.”

Em março deste ano, o Gaeco, numa operação conjunta com a Polícia Federal, prendeu quatro pastores da Igreja Cristã Maranata, incluindo seu presidente interino, Elson Pedro dos Reis. Todos foram acusados de coagir e ameaçar testemunhas que haviam prestado depoimentos ao MPE.

Entre os ameaçados estava uma juíza e um promotor de Justiça. Além das ameaças diretas, segundo o MPES, a igreja moveu ações tanto na área cível quanto na área criminal contra todas as pessoas que prestaram depoimentos até para a Polícia federal.

Há relatos ainda de que fiéis foram conduzidos a cartórios para alterar declarações já prestadas. E o teor dos novos depoimentos eram ditados pelos pastores que os acompanhavam. De pelo menos 20 pessoas que foram ameaçadas sete alteraram suas declarações.

Igreja aguarda notificação

O interventor da Igreja Maranata, o coronel aposentado da Polícia Militar Julio Cezar Costa, informou ontem que vai aguardar a notificação da Justiça sobre a extinção dos processos movidos contra as testemunhas. “Decisão judicial é para ser respeitada”, assinalou. De acordo com o interventor, só após os advogados avaliarem a decisão é que será possível avaliar as ações que vão ser adotadas pela Maranata. “Se os interesses da igreja não foram atendidos, poderemos recorrer, ou não”, disse o coronel. 

Fonte: A Gazeta

http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2013/04/noticias/cidades/1432801-maranata-perde-tres-acoes-que-movia-na-justica-contra-testemunhas.html

Imagem

Essa é a nova maranata 2  que Pr Juvenal de itapoa está abrindo , só que com novo nome.Os irmãos que estão saindo para a Igreja do pastor Juvenal de Itapõa devem ficar atentos porque não estão falando a verdade para os membros.Esse pastor está saindo com 70@ da igreja e montando outra em frente a igreja Católica de Itapoa, o novo nome da maranata 2 se chamará Congregação Crista Nova Aliança. quem quiser conferir é só passar lá e vera na rua resplendor em Itapoa.

Só que não sabem que essa igreja tem Gedelti por trás pois pr juvenal e funcionário do PES e mora numa casa do PES, e está com uma desculpa esfarrapada que ele é o único interprete aqui, cai nessa não em gente!
Aonde o Sr Gedelpapa apoiaria um pastor saindo e levando com ele os membros de sua igreja obra filha unica. Antes nem pregar em outras denominações os pastores podiam, e agora um pastor que vive as custas do PES sai e leva consigo mais da metade da igreja.
Os instrumentos estão vindo do EUA, tem irmãos indo comprar tudo em dólares. Para uma igreja que está começando estranho não é?merece ser investigado pelo MP e PF.
No Rio de janeiro tem outro pastor fazendo a mesma coisa. Só que dessa vez eles estão mais espertos, as Igrejas terão nomes diferentes, descentralizando do PES mas não se iludam o dizimo ja tem destino certo, para o bolso da cúpula mercenária e corrupta.
Muita cara de pau desses pastores usurpadores da fé e dos bolsos dos membros. Não satisfeitos com o que já fizeram nesses 45 anos com a igreja querem perpetuar o reinado do papagueiros sendo laranjas de igrejas para lavagem de dinheiro e desmonte.
Vão cair tudo de novo! irão passar vergonha quem acompanhar essa corja maldita!

fonte: http://cavaleiradaverdade.wordpress.com/2013/04/21/1560/

 “Veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo: Filho do homem, fala aos filhos de teu povo, e dize-lhes: Quando eu fizer vir a espada sobre a terra, e o povo da terra tomar um homem dos seus termos, e o constituir por seu atalaia; e, vendo ele que a espada vem sobre a terra, tocar a trombeta e avisar o povo; se aquele que ouvir o som da trombeta, não se der por avisado, e vier a espada, e o abater, o seu sangue será sobre a sua cabeça. Ele ouviu o som da trombeta, e não se deu por avisado, o seu sangue será sobre ele; mas o que se dá por avisado salvará sua sua vida.”

Ezequiel 33:1-5
Como um vento que sopra ou como a voz do deserto de Querite, a cada dia da semana, nas vinte e quatro horas do dia certo homem (CV) é lido (ou visto) por grande multidão. Ele evita aparecer e claro, em Querite alguem continua tocando o tambor. Mas ao longo do mês de março, especialmente, ele foi acessado 107.000 vezes. Maravilha!!! Nada cobrou e nem esperou gratidão.

Neste mesmo mês GG abusou de meias verdades, contratou marqueteira e organizou um circo na pça. do Papa (Vitória) para arrebanhar cerca de 120.000, exibir grandeza, gravatas vermelhas, poder religioso e provocar confusão no trânsito da cidade.

Esbanjou, dizem, algo perto de R$ 12.000.000,00 (doze milhões de reais) do dinheiro consagrado ao SENHOR. Entrou cercado de seguranças. Oh! O show estava começando… o monarca precisa de proteção de armas de fogo (e pasmesm! ele não confia no fio de escarlate. Sabiam???).

Para finalizar, ao som de trobeteiros de plantão e do grito “o rei está chegando” eis o pai da Obra como um peso que cai e esmaga. Depois da costumeira exibição ele desceu do púlpito… para ser preso com outros três engravatados…

Sombras e vitupérios…

Eurípia Inês

Enviado em 19/04/2013 as 12:00
.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2010/09/em-querite-nao-existem-atalhos/
.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/03/o-fio-de-escarlate-nao-aguentou/

CV.

………

Amada irma Eurípia,

por favor me permita complementar seu comentário…

No mês de março último, pelo Blog/Ministério do CV passaram107.000 (cento e sete mil visitantes) para conhecer a verdade sobre a seita criada pela família milionária do dízimo com sobrenome GUEIROS.

Mas no TOTAL dos blogs que falam/gritam a VERDADE sobre esta seita fundada pela família GUEIROS que se enriqueceu com o trabalho de milhares de servos enganados que doaram BILHÕES convencidos em fazer parte da obra de Deus passaram pelos blogs mais de 300.000 (trezentos mil) visitantes no mês de março de 2013.

 Minhas informações recentes do evento do jabuti na praça do papa para os escravos da obra gritarem: VIVA o rei da obra!!! – HEIL HITLER – falam de um custo total em dízimo na ordem de R$ 50.000.000,00 – cinquenta milhões de reais.

UM ABSURDO!!! Somente para exibir poder religioso!

Na verdade, somente mostrou como o Estado do Espirito Santo sofre com a corrupção e o poder de um homem sem temor a Deus. A corrupção promovida por uma seita que usa -sem temor – a Biblia e a placa de Igreja Cristã para enriquecimento da família GUEIROS e controle político de um pequeno Estado com grande potencial dentro da Federação Brasileira.

Mas tem mais: nestes custos de R$ 50.000.000,00 (cinquenta milhões de reais) estão incluídos uma “bruxa” marqueteira! Uma “unção” entra o homem que tentou enganar o Espírito Santo que procede do Pai e do Filho de Deus; e a mulher que conseguiu ENGANAR o Governo do Espirito Santo!!! Casal perfeito para o mal.

DOIS POVOS passando pelo maior VERGONHA! O povo de Deus que foi enganado pelo representante mais poderoso da família GUEIROS! E a “bruxa” marqueteira que conseguiu enganar o Governo do Espirito Santo!!

Poucos sabem que ela ROUBOU!! Literalmente ROUBOU o logotipo do governo atual do Estado do Espirito Santo criando uma cópia quase idêntica do logotipo da cidade de Berlim na Alemanha! Ainda inventou textos explicando para o Governador do Estado o significado das figurinhas! MAS NA VERDADE hoje se movimentam pelo Estado carros oficiais com esse logotipo, existem páginas na internet com esse logotipo, documentos, publicidades etc etc etc UMA POUCA VERGONHA!

Uma unção diabólica… o homem que tentou enganar o Espirito Santo do Pai e a mulher que enganou o Governo do Estado do Espírito Santo – ela EMBOLSOU uma boa grana para a festinha do rei da obra na praça do papa no desfile final…

Com amor e dedicação o CV, irmãs e irmãos que se dedicaram com Fé em DEUS e trabalho alcançaram o TRIPLO de irmãos – enquanto o rei da obra necessitou de CINQUENTA MILHOES reais em dízimo e ajuda da mulher que enganou o Espirito Santo para alcancar 120.000 de escravos…

QUE OBRA MAGGAVILHOSA!

PAZ

A.Marques Enviado em 20/04/2013 as 0:59

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/sombras-e-vituperio/