Posts com Tag ‘discriminação na maranata’

PERGUNTAS QUE NÃO QUEREM CALAR!

igreja cristã maranata - perguntas que não querem calar!

igreja cristã maranata – perguntas que não querem calar!

CV,

Eu também ando cansada desse maranatês medíocre.

Não dá nem vontade de responder, mas, já que o o irmão Joilson quer sugestões de solução para a icm-pes, e a irmã Firme nas Promessas respondeu muito bem, eu vou fazer algumas perguntas para ver se o irmão tem alguma resposta.

Quero saber irmão Joilson se:

– A icm tem solução para os lares que ela destruiu,
casais que ela separou e os filhos que ela colocou contra seus pais?

– Que solução a icm tem para os jovens perdidos para o mundo e para as drogas, muitos deles filhos de dirigentes da igreja, jovens estes que se encontram desesperançados com tantas decepções e falta de cuidados e atenção da igreja?

– Qual a solução para irmãs que envelheceram acreditando em falsos dons e em promessas de contrair matrimônio nos galpões do maanaim e agora, com o ciclo reprodutivo interrompido com a chegada da menopausa, amargam uma vida de frustração e solidão vivendo sem a esperança de ter marido e filhos?

– Que solução a icm tem para os estão precisando de tratamentos psiquiátricos e psicológicos e que agora fazem uso de medicamentos de tarja preta? Pessoas estas que estão com traumas profundos na alma, causados por esta seita?

– Qual a solução para os prejuízos na vida financeira e profissional dos irmãos que interromperam seus estudos devido ao excesso de atividades e reuniões nas unidade locais e maanains? Deixaram de se reciclarem de fazer concursos por não terem tempo para estudarem.

– Qual a solução para o isolamento familiar e social onde perdemos o contato e o convívio com os nossos queridos? Ou você acha que somos iguais ao GG que somos inimigos dos nossos parentes? Não. Nós amamos nossos parentes mas a seita nos afastou deles.

– E para os homens da icm que perderam a personalidade e identidade tornando-se infantis e manipuláveis com cabresto preso ao pes?

– Qual é a solução que a icm tem pra curar as feridas profundas que ela causou na alma dos retirantes que estão sofrendo pelo caminho?

– E a solução para os que estão traumatizados com a discriminação e preconceitos que sofreram dentro desta seita?

– E o que você sugere quando encontramos pessoas das quais sentimos vergonha por termos pertencido a uma seita herética, sectarista e que dissemina o ódio religioso como esta?

– Qual a solução para reaver os amigos e bens que perdemos e para o prejuízo espiritual ocasionado pelo isolamento em que vivíamos todos esses anos, devido ao orgulho religioso, ao narcisismo e discriminação?

– Que solução você tem para a nossa vergonha de ver o presidente da igreja que frequentávamos estar com foto estampada no jornal e que mostra que ela está sendo investigada por vários tipos de crimes(em tese)?

Você tem uma solução para isto irmão Joilson?

Pois eu tive uma solução perfeita para esta pouca vergonha toda que foi

SAIR!

E esta é a única solução para o crente de verdade: É sair do meio desse lamaçal de crimes(em tese), heresias e mentiras.

Que dia a icm ouviu alguém? Que dia alguém pode sugerir alguma coisa ali dentro? Tudo tínhamos que engolir calados, obedecer a tudo que vinha do pes via circular ou pelo chatélite.

Agora temos este espaço para denunciar os desmandos que sofremos e não para remediar icm. Ela não tem remédio porque nunca quis as Verdades Bíblicas e se enveredou pelo rumos das heresias, apostasias e mentiras na base do “ossorrevelô”.

Quem vai revelar a solução para a icm-pes agora vai ser a justiça como MPES-MPF-PF-TJ-CIA-INTERPOL não sei mais qual autoridade porque são tantas as ramificações dos crimes(em tese) que o MPES até já sugere a existência de umaorganização criminosa cf. http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/04/nota-a-imprensa/

“…informa que instaurou o Procedimento Investigatório Criminal – PIC n. 005/2012 no dia 08/03/2012, com o objetivo de investigar, identificar e especificar condutas de membros da Igreja Cristã Maranata, supostamente integrantes de uma organização criminosa especializada e responsável por crimes de estelionato e outras fraudes, bem como crimes contra a fé pública, ordem tributária e lavagem de dinheiro, ludibriando fiéis com o desvio de numerários oferecidos para determinadas finalidades ligadas à Igreja em proveito próprio e de terceiros, pessoas físicas e jurídicas (compostas por interpostas pessoas) vinculadas à quadrilha.”

Meu nome?

Eurípia Inês.

PS.: Quer mais postagens de minha autoria?

Acesse http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/O CV nos informa que esse artigo discriminação e preconceitos apresenta 350 postagens publicadas, o que significa cerca de 120.000 palavras, ou seja, mais de 150 pgs. A4. Um livro…

Ainda diversos artigos aqui mesmo neste blog, diga não àSeita.

Paz

Eurípia Inês.

Base do artigo publicada em http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/12/triste-fim-de-jornada-de-quarenta-anos/comment-page-4/#comment-23097

fonte: http://diganaoaseita.wordpress.com/2012/12/13/perguntas-que-nao-querem-calar/

Anúncios

Eu gostaria que o responsável desse blog publicasse a minha historia, pois não sei como é que faz para publicar então deixarei neste comentário, peço desculpa pela longa historia mas gostaria muito de deixar a minha historia gravada aqui para que muitos saibam o que eu passei:
Conheci a obra com 16 anos (hoje estou com 25 anos), no começo eu e minha mãe começamos ir aos cultos, depois meus dois irmãos e meu pai que ia esporadicamente.
Éramos uma família que dava assistência em varias cidades, onde precisavam de irmãos para ajudar ali estávamos, sem medir esforços estávamos lá, morávamos a uma hora da igreja e íamos a pé sempre, no começo os irmãos nos levavam mas depois começou a ser fardo então disseram que teríamos que caminhar sozinhos pois já estávamos a mais tempo na obra e outras vidas precisavam de assistência, sem problemas íamos sempre a pé… com chuva, com sol, estávamos lá…
Cheguei a ser professora, instrumentista, grupo de louvor ,comecei o trabalho em asilos e hospitais aqui na minha cidade, meu irmão obreiro e instrumentista…
Só que tínhamos um grande defeito considerado por eles, éramos uma família muito unida, minha mãe era a galinha com seus pintinhos, e sempre falavam pra ela que era necessário cortar o cordão umbilical… Meu Deus! Qual era o problema de uma mãe amar seus filhos, qual era o problemas de sempre estarmos juntos, dela sempre no proteger. Tinham pavor de família unida.
E assim continuamos, até que minha família passou por problemas financeiros, minha mãe infelizmente caiu na mão de agiotas, passamos até por necessidade. Só que isso chegou no ouvido dos dirigentes e então o inferno começou, na época eles não quiseram ouvir minha mãe, disseram que ela estava sujando a obra, que ela era uma mancha na igreja, que ela pra ela sentar no ultimo banco e não falar e nem se envolver de mais com os irmãos.
Mas naquela época minha mãe preferiu sair para que a obra não fosse “manchada”, então meu irmão mais velho foi transferido para uma outra cidade, e eu fiquei sozinha naquele lugar…
Amados… foram os piores anos da minha vida, quantas humilhações, quantas perseguições, uns tinham pena de mim, chegavam a dizer “ o que seria da minha vida se eu saísse da obra com a família desestruturada que eu tinha”, estar no louvor para eles era uma misericórdia, por pena.
Vivia sendo chamada no grupo de interseção não porque tinha feito algo errado, mas por ser perseguida, tinha umas irmãs fofoqueiras que tinha a coragem de chegar no pastor e dizer a irmã Carolina não me comprimenta, não me da a “ paz do Senhor”… pode um absurdo desse? Uma vez viram uma foto minha com vestido e legue e tiveram coragem de falar para o pastor que eu estava de calça.
Sabe aquele período que fazem culto nas casas de todos irmãos? Na minha não podia então eu tinha que ir pra casa de outro irmão para poder participar do culto no lar. Se eu ficasse doente eu não recebia visita, pois não podiam entrar na minha casa éramos como leprosos…
Até que um dia neste período de culto no lar disseram que “ o Senhor permitiu”, então foram uns 4 irmãos… então chamei minha mãe ate a sala para que ela pudesse participar… o irmão em nenhum momento olhou na minha mãe… durante toda a palavra ele pregava só para mim… foi vergonhoso a atitude dele … mas mesmo assim continuei…
Sabe amados… minha mãe é uma pessoa maravilhosa, uma mulher zelosa, uma ótima esposa uma ótima mãe, uma serva temente a Deus, que ama o Senhor desde pequena… mesmo não conhecendo a palavra ela sempre nos ensinou o melhor.
Ela amava a obra, e sempre dizia que um dia voltaria para a obra assim que as coisas se resolvessem, ela amava os louvores e ama ate hoje, todos os dias coloca o som para ouvi-los
Sabe irmãos minha mãe não teve problemas financeiros porque quis, porque era má… infelizmente aconteceu qualquer pessoa pode passar por isso e ela não soube lidar com aquilo… mas os dirigentes não quiseram saber o porque apenas nos julgaram…
Eu fui ficando muito cansada de todas as humilhações, era uma inveja muito grande, pois eu gostava muito de crianças e elas gostavam muito de mim… eu dava aula de flauta… cantava ate bem no louvor… e as pessoas odiavam aquilo…
E quando ficaram sabendo que eu fazia filosofia… a h foi o fim… sempre me olhavam como um perigo para a igreja… eu queria que os jovens pudessem ir ate a minha casa…
Um dia marquei com varias jovens… combinamos tudo direitinho para assistir um filme, ate que na hora ninguém foi… foram pra casa de uma outra irmã (com a vida mais direita)
Não houve uma assistência, uma visita, passamos por dificuldades e necessidades, mas sabe quem nos assistiu o Senhor nosso Deus, Ele foi o nosso Provedor, Consolador!
Uma vez recebemos uma conta de agua num valor muito alto, pois houve um vazamento e não tínhamos condições de pagar, então cortaram nossa agua… e na minha casa tinha um tanque grande então chovia e enchíamos aquele tanque… e por 6 meses ficamos sem agua encanada, mas nesses 6 meses o Senhor nosso Deus proveu a chuva, quando a agua do reservatório estava pra acabar, chovia novamente.
Há mais ou menos dois anos sai da ICM pois não aguentei mais… não aguentei as humilhações, não aguentei o pastor passar do meu lado e nunca me comprimentar, não aguentei um dia pedir carona para a esposa dele e ao me levarem em casa ele ficar de cara feia e nem na porta da minha casa me deixou.. deixou um quarteirão antes…
Eu ia dar assistência em outra cidade, eles não gostavam de me buscar, mandavam eu esperar em outro lugar….
Sabe o problema não foi comigo e sim com a minha mãe, eles não podiam me tratar daquela forma, eu era uma serva, eu amava aquele lugar, aqueles irmãos… eu cuidava das filhas do pastor, e nem para o aniversario da menina eles me chamaram… o preconceito era terrível… lá os ricos eram bem tratado os pobres eram discriminados, pobre só servia para o trabalho braçal…
Não aguentei mais… foi muito difícil… quando sai desde aquele dia, nunca me visitaram, nunca perguntaram porque eu sai, o pastor nunca me ligou, o responsável do meu grupo de assistência nunca me procurou…
Para eles talvez a minha saída foi uma limpeza na igreja… os jovens que eu tanto amava nunca me fizeram uma visita, aquelas que se diziam minhas amigas se passar na rua nem olhava na minha cara…
Mas hoje sou feliz, não vivo no fardo, no medo, na angustia… eu não tinha tempo para minha família, para os meus pais que tanto precisavam de mim… eu não tinha tempo pra mim… vivia por conta de viajar, ensaio, encontros, limpeza… minha família ia se desfazendo aos poucos.
E sabe muitos daqueles irmãos que julgaram minha família, hj tem seus lares destruídos, filhos destruídos, casamento falido…
Vivíamos em uma ditadura Maranata…
Quando contei para minha mãe do que estava acontecendo dos escândalos, ela chorou profundamente e dizia não pode ser verdade minha filha, eu orava ao Senhor para que me desse condições de voltar…
Ela falava “ meu Deus quanto eu chorei pela vida dos meus filhos, me sentia culpada pelas humilhações que eles passavam, quanto tempo eu me culpei… me chamaram de caída… eu nunca fui caída Senhor… eu nunca manchei o Teu nome”
Minha mãe, minha família nunca foi caída ou desestruturada, tivemos problemas sim, passamos por situações adversas, mas jamais poderiam fazer o que fizeram conosco. Quem nunca passou por problemas que atire a primeira pedra… só precisávamos naquele momento de uma simples assistência, mas nem isso souberam dar… hoje tenho pavor em encontrar com qualquer uma dessas pessoas… bando de farizeu

fonte: https://obramaranatarevelada.wordpress.com/2012/12/09/igreja-maranata-integrantes-igreja-maranata-estado-es-suspeitos-desvio-de-dizimo/#comment-4417

.

.

Bem vinda Irmã Carol,

Obrigado por compartilhar sua história com os irmãos – é muito importante não permanecer no silêncio, muito importante para tantos irmãos que vivem sobre esse julgo pesado dessa seita maranata. A seita conseguiu sobreviver por tantos anos por causa do medo que deixou nos corações de tantos que sofreram com essa discriminação que acontece nos bastidores.

Compartilhe sua história também com os irmãos no Ministério do CV:

http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/

Cabe ao Ministério Público também analisar e ouvir estas histórias de discriminação de uma instituição que se diz “igreja” e “cristã”

A discriminação é REGRA nessa seita – não de cara – ela acontece nos bastidores, bem como você descreveu.

Alias é como o resto na seita:

a obra não faz politica – pesquise você mesmo: politico + maranata, dinheiro público + maranata

pastor errou tá fora – pesquise: pastor + maranata, maranata + governador valadares, pastor + pirâmide de containers e repare se está fora? Quanto mais escândalo traz na ficha mais provável ser levantado para o presbitério da seita – essa é a realidade.

Está na hora de falar! E quem sofreu danos morais ou danos financeiros com essa “obra” que somente serve a uma minoría aliada à família em Vila Velha no ES deve dirigir-se ao Ministério Público do Espírito Santo. Principalmente para proteger outros irmãos cristãos em caír nessa seita maligna.

http://www.mpes.gov.br:8080/ouvidoria/portal/contato.html

PAZ

CV,

Este texto “Discriminação, narcisismo e orgulho religioso”, me fez lembrar a trilogia do mal. Eles não gostam tanto de alegorizar? Está aí, provem do próprio veneno.

DISCRIMINAÇÃO – É tudo que a seita maranata faz com os que são diferentes e não se encaixam dentro dos seus inter$$es. Mas, principalmente, os mais vulneráveis.

NARCISISMO – Espelho, espelho meu diga se no mundo existe obra mais maravilhosa do que eu? Mais santa, mais organizada, mais perfeita?

ORGULHO RELIGIOSO – Quem jamais conseguiu superar os escribas e fariseus, no que diz respeito ao orgulho religioso, que a ICM-PES? Ela os supera, e muito; em falsa moralidade, excesso de rituais, leis, regras e fardos pesados colocados nos membros; em hipocrisia; crimes(em tese) enfim, a lista é grande.

Eu nunca frequentei um lugar por mais tempo e com mais assiduidade que a maranata. Em nenhum desses lugares como escola, faculdade, local de trabalho e moradia, eu presenciei o mau caratismo, cinismo e hipocrisia que presenciei nesta seita.

Hoje eu posso dizer que tenho nojo da maranata. Eu posso dizer que tenho muita vergonha de alguém saber que um dia frequentei esse lugar por longos anos. VERGONHA, é o que sinto.

Me envergonho de um dia ter adotado, mesmo que inconscientemente, esta trilogia do mal. Não tem como alguém frequentar esta lugar e não ser contaminado com esses comportamentos de discriminação, de ser narcisista e ter orgulhoso religioso.

A luta de quem sai é intensa para arrancar este mal de dentro de si, e só com ajuda poderosa de Deus para conseguir se libertar.

Más, a Palavra nos diz que há tempo para tudo debaixo do céu. Houve o tempo em que deixamos que plantassem esse mal dentro de nós. Agora, é tempo de pedir a Deus que o arranque e nos livre.

Creio que nós, retirantes, teremos nossas vidas marcadas para sempre, entre o período do antes e pós maranata. Talvez isso ocorra até entre as igrejas evangélicas também. É bem possível dado o volume de abusos que esta seita comete em todos os sentidos.

VERGONHA. É o que sinto.

Um bom domingo a todos.

A paz do Senhor Jesus.

Eurípia Inês.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/11/discriminacao-narcisismo-e-orgulho-religioso/#comment-22707

CV e irmãos, a paz do Senhor Jesus!

Quando me retirei da icm sofri preconceitos do tipo: “saiu da obra”, “ela caiu”, “é uma pessoa difícil”. Além de chegar aos meus ouvidos estes comentários, muitos nem me cumprimentavam e viravam o rosto.

Num determinado dia, estava no centro da cidade, quando me deparei com alguns da icm, quando me viram de calça, mudaram para o outro lado da rua. Entrei no banco e meu coração quase saltava pela boca e a vontade de chorar era imensa. Foi então que orei à Deus em pensamento:

– Ah… Senhor… fale comigo, eu preciso que o Senhor fale comigo, se estou certa ou errada, me mostre alguma coisa, meu pai!

E para a minha surpresa…. Deus falou naquele momento !

Enquanto aguardava em pé na fila, uma mulher que estava atrás de mim, me tocou e disse assim:
– moça, você é evangélica?
– sim, graças à Deus eu sou, porque?
– porque, o seu jeito demonstra .
– ah… que bom! Você não sabe o quanto fico feliz em ouvir isso!
– Olhando para você, percebe que você é crente!

Irmãos, eu fiquei tão feliz, tão feliz, pois Deus tirou toda dúvida que existia em mim a respeito de uso e costume. Aproveitei a oportunidade e falei de Jesus para aquela mulher.

Pois é. Não adianta usar saias e ter o coração sujo, podre. Por fora aparência de piedade e por dentro sepulcro caiado! A nossa vida tem que exalar o bom perfume de Cristo!

Icemitas, leiam mais a palavra de Deus e sejam libertos das tradições dos fariseus!

A paz!

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/#comment-18275

Tantas denúncias, tantas discriminiçãoes e nada de justiça… tudo continua da mesma forma… só Deus é quem vai resolver.
Paz em Cristo Jesus.
.
.
Não é bem assim… olha o retrato da liderança da ICM-PES:

Investigação chega a líderes da Maranata
http://www.youtube.com/watch?v=U4egV1Z5lrg&feature=related

Pastor da maranata gedelti gueiros esta na mira do inquerito criminal
http://www.youtube.com/watch?v=jZikkT-6yr4

Leia também:
.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/o-juizo-vem/
.
V. nem imagina o quanto de progresso existe nas investigações e nem imagina o que está para sair…

CV.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2010/07/a-conspiracao/#comment-16101

Querido CV, queridos irmãos(ãs),
QUE SAUDADES!

Amada “Uma jovem dos olhos de Deus”, estou aqui com vocês.

Sabe, fica parecendo que já falamos tudo. Que não falta mais nada para se saber nesta seita. Mas, ao contrário, a cada dia aparecem mais coisas terríveis para provar que nós fizemos a melhor escolha que foi SAIR.

Tenho ainda muitos fatos para contar e já que encontro quem tem disposição para ouvir… aí vai.

Fui visitar uma senhora surda que era da seita. Ao chegar em sua casa ela foi logo me falando:
-Eu já sei tudo. Eu li “A Gazeta” na internet. Eu vi a foto do Gedelti. Estou muito triste e com vergonha porque chamei meus amigos para ir à igreja e agora, eles ficam falando que a igreja, além de não respeitar os surdos, existe roubo de dízimo, e vários escândalos…

Irmãos, eu não sabia se chorava de tristeza ou de vergonha e ela continuou dizendo:
-Como você não pode ficar lá na frente do maanaim para interpretar porque se expõe e falavam que -na “obra” o homem não aparece- Mas e agora? Pode aparecer no jornal com esses escândalos?
-Para interpretar que é honesto não pode aparecer mas com o que é desonesto pode?
-Não era para preservar a “obra”?
-Nos maltrataram, foram preconceituosos porque somos surdos e agora? Pode ser desviar dízimo, pode contrabandear, pode emitir notas frias… eu li tudo, tudo…
-Estou muito triste por tudo isso. Eu gostava do Gedelti, mas a igreja maranata não gosta de nós. As outras igreja crentes gostam dos surdos e os trata com amor e sem preconceito.

Nesta hora ela começou a chorar e eu também porque não é a primeira irmã que me fala isso. E eu de certa forma me sinto culpada e também cobrada. Eu os levei para a igreja e eles sofreram.

Eu expliquei para ela que também fui vítima. Que também estou sofrendo com tudo que aconteceu e me decepcionei muito. Pedi perdão a ela pela parte de culpa que sinto ter.

Graças a Deus, para meu alívio, ela me compreendeu dizendo que via que eu lutava pelos surdos, que os ajudava e que eu não me preocupasse que ela me entendia, que não estava triste comigo…

Amados irmãos, essas são as sequelas que essa seita deixa em nossas vidas.

A comunidade surda é bastante comunicativa e quando algo acontece é comum que todos fiquem sabendo. Eu tenho enfrentado problemas com isso porque era conhecida como a “intérprete da maranata”. Algumas pessoas iam à igreja para ver o trabalho com os surdos. Agora eu passo por situações constrangedoras por ver meu nome ligado à imagem negativa e obscura desta instituição.

Não esperava que iria enfrentar esse tipo de problema. Isso deveria ser um motivo de orgulho e não de vergonha para mim.

Mas como sempre o SENHOR nos honra. Ele me guardou e eu não me contaminei com a forma malvada que esta seita tem de tratar as pessoas, principalmente as mais humildes. Glórias a Jesus por isso!

A paz do Senhor Jesus.

Eurípia Inês.
.
.
Amada Eurípia, intérprete dos surdos.

Essa é a nossa dor. Demos o melhor enquanto lá estávamos; e que o SENHOR se compadeça dos que estão decepcionados com a implosão do sistema. Não por falta de avisos e foram muitos, muitos. Nossos filhos foram traidos. O gedeltismo nos traiu! O poder camaleônico é a fábrica geradora de icemitas erguidos à bastada condição de meias-solas com autoridade eclesiástica para arrastar outros na direção do beco sem saida onde a membresia está presa.

http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2010/10/meu-canto-e-de-dores/
.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/08/beco-sem-saida/
.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/04/poder-camaleonico/
.
Mas diga a esses queridos que ouvem os sons do tambor: neste Blog os surdos são ouvidos, pois ficamos surdos para os que prometerem grandes coisas e nada fizeram; porque é muito triste o fim desta “jornada de quarenta anos”.
.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/12/triste-fim-de-jornada-de-quarenta-anos/
.
Mas que maravilha: o som dos tambor chega aos ouvidos deles. Eles podem ouvir que estamos fazendo o melhor com o nosso tambor. Diga a eles – com o seu jeito impressionanbte de falar com eles – que este Blog é deles. Que aqui eles têm VOZ. Diga isso a esses amados irmãos.
.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2009/12/eu-e-o-meu-tambor/
.
Paz.

CV.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/#comment-15943

CV, a Paz do Senhor! Permita-me deixar mais um comentário.

Gostaria de falar a respeito da discriminação e preconceitos cometidos pela seita ICM contra viúvos e viúvas que ali congregam. Não sei se em todas as regiões os pastores desta “igreja” agem da mesma maneira, mas na região onde moro, quando um viúvo ou viúva que congrega nesta “igreja” quer se casar novamente, não permitem que o matrimonio aconteça no templo. Ou seja, o culto de casamento só pode ser realizado em um salão ou sítio, o qual é alugado com todas as despesas correndo por conta do casal.

Não sei em que passagem da bíblia eles se fundamentam para tal discriminação, pois a Palavra de Deus é muito clara quando diz que tanto o homem quanto a mulher fica livre para se casar novamente ao falecer a esposa ou o marido (ICor.7:39). Sendo assim, nenhum dos dois comete adultério casando-se novamente (Rm.7:2-3).

Sabem de uma coisa, às vezes fico a pensar que esta seita tem uma bíblia diferente, só deles. Então acrescentam e tiram o que querem para sua conveniencia. Conheço um casal que era desta “igreja” e na época, a irmã era solteira e muito dedicada nesta seita ICM, com várias atribuições. Ela começou a namorar com um irmão desta “igreja” que era viúvo, ficaram noivos e resolveram se casar e um dos maiores desejos da vida desta irmã era se casar na igreja, de vestido de noiva e tudo o mais que se tem direito e que toda noiva almeja.

Sabem o que aconteceu? Mesmo após muito sofrimento, choro e súplicas por parte dos noivos,os pastores meia-sola da seita não permitiram que se casassem na igreja. E é bom que fique claro tambem, que os noivos não deram nenhum motivo para que fosse tomada esta infeliz atitude. E quando os noivos perguntaram aos pastores meia-sola o porque daquela discriminação, não souberam lhes responder.Os noivos chegaram até mesmo a indagá-los e que lhes mostrassem na bíblia onde estava o texto no qual eles se baseavam para tal atitude, mas de nada adiantou. Simplesmente lhes disseram assim: a “obra” não faz casameto de viúvos em templos. Concluindo, os irmãos tiveram que pagar o aluguel de um sítio para que o culto de casamento fosse realizado. Um abraço a todos e fiquem na PAZ do SENHOR!

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/#comment-14642

ORAÇÃ INUSITADA II

Certa vez eu estava sentindo muita dor. Coisa muito comum em uma pessoa com deficiência motora mas dessa vez a dor insistia por muitos dias, interferindo no meu humor e desempenho profissional.

Após o culto resolvi pedir oração ao pastor. Claro que a gente faz esse pedido cheia de esperança. Vejam o que o pastor me falou:

“Eu vou orar por você para que você aceite a viver assim, que você saiba conviver com esse problema porque ele não tem jeito.”

Irmãos, eu fui tão bobinha que deixei ele orar assim mesmo.

Eu pergunto: Para que eu quero uma oração dessas? Que Deus é esse que se serve na maranata?
Onde está a fé? E que evangelho é esse? Era isso que Jesus dizia para alguém que o procurasse?

Agora vou fazer a mesma pergunta que o Gedelti fazia gritando no púlpito do Maanaim:

É ESSE EVANGELHO QUE VOCÊS QUEREM?

Amados que leem esse Blog, estou lendo o livro indicado pelo CV, “Curai enfermos e expulsai demônios” e digo a vocês que é muito bom que todos nós que estamos no libertando do jugo maranático o leiam também.

É um livro muito esclarecedor e fala sobre o Evangelho poderroso e puro de Jesus que veio para nos salvar mas TAMBÉM curar. Pastores, especialmente, precisam ler e praticar o que é ministrado nos capítulos deste livro.

Jesus não diz para nenhum enfermo se conformar com a dor. Ele curava a todos e comissionou seus discípulos a fazerem o mesmo: “curar os enfermos e expulsar os demônios”.

Aliás, certa vez o demônio entrou na minha “unidade local” e ninguém teve autoridade para expulsá-lo. Não será porque Jesus estava ausente? Ou será porque a obra!, obra!, obra!, realmente não tem poder nenhum?

É ESSE EVANGELHO QUE VOCÊS QUEREM?

A paz do Senhor Jesus a todos.

Eurípia Inês (nesses dias em Vitória-ES).

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/#comment-14588

A paz do SENHOR Jesus Cristo a todos os meus amados irmãos.

O preconceito visto no mundo até certo ponto é aceitável, mas não quando se trata de pessoas que se consideram irmãos, ligados pelo sangue de Jesus o qual é a comunhão intimidade diária como uma grande família. Bem. Vamos ao assunto em questão.

Eu presencie alguns anos atraz situação parecida com minha sogra ela sofria de insufissiêcia renal crônica e recém convertida, liberta da idolatria que vivia, entregou-se ao nosso SALVADOR,e logo foi ao Seminário. queria receber uma BENÇÃO, além dessa enfermidade ela não escutava bem, saimos do interior para Manain de PE. Não é muito distante, mas para uma pessoa com esses problemas chega a cansar-se.

infelizmente ela passou mal, a pressão dela subiu muito e fomos pra enfermaria, ela foi atendida por uma médica que logo nos perguntou: o que essa mulher está fazendo aqui? além de ser doente dos rins, não ouve nada… Fiquei decepcionada e respondi pra ela que ela tinha ido buscar uma benção, como ela tambem estava ali pra receber a dela.

Como nos enganamos, achando que tudo é uma benção, as pessoas são uma benção, a obra é uma benção, os Manains, as bancas, as telhas….e tudo que é relacionado a obra!!!!!!!

Ainda estou no ninho. Minha sogra recebeu a sua benção ha cinco anos. O Senhor a CHAMOU. Eu meu esposo e cinco filhos (um jovem, um adolescente e três crianças) estamos não sei até quando, pois eu e meu esposo nos preucupamos com eles. para onde ir?

estamos vivendo um momento muito delicado, os comentarios são semelhantis, não falamos mentiras, é real, fomos enganados, ou nos deixamos enganar? essa pergunta nos fazemos constantimente. Se formos falar tudo, o espaço ainda é pequeno, o tempo é pouco, enfim fica para depois. QUE O NOSSO DEUS E PAI,TENHA MISERICÓRDIA DE TODOS OS SEUS FILHOS,inclusive de mim e minha familia.

CV, obrigada pela oportunidade e liberdade que temos de falar o que sentimos neste BLOG QUÉ É UMA BENÇAO. A paz do senhor a todos.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/#comment-13035

Irmãos,
quero agradecer a todos pelos comentários de apoio e consolo.

Como falei, vou a cada dia postando partes da minha história de discriminação e preconceito vividos na Maranata já que o artigo trata exclusivamente desse assunto e o CV recomenda que observemos o foco.

Como foram quase 20 anos então, só o problema de estacionamento da para escrever um livro.
Vou começar do maanaim que não tem muita estrutura e eu compreendia isso e não fazia nenhuma exigência mesmo tendo direito. O que eu pedia era para colocar meu carro mais perto da pista porque o estacionamento era no meio do mato. Os responsáveis, sempre de peito estufado diziam: ” A orientação do sinhô é a ordem de chegada”.
Eu explicava para ele que tinha dificuldade para andar no mato e usava muletas mas ele não se sensibilizava. Assim, muitas vezes meu carro ficava muito longe. Eu perdia o equilíbrio, me molhava quando estava chovendo.

Certa vez eu havia estacionado perto da cantina onde trabalhava. Precisava descarregar algumas coisas que havia comprado para a cantina(claro que com meu dinheiro). Como havia outros carros ali eu deixei o meu também. Veio um pastor com o peito estufado e com toda a autoridade disse: Tire o seu carro dali e coloque no estacionamento!
Só o meu ele mandou tirar.
Meu carro era adaptado e quando alguém o dirigia minha adaptação não funcionava e isso me causava grandes transtornos no trânsito por isso eu não deixava ninguém dirigi-lo. Conclusão, na hora de ir embora, meu carro estava no final do estacionamento, havia chovido e minha perna pregava no barro e eu não tinha força para dar o passo então eu tinha que puxá-la com a mão. Para completar a minha irritação um diácono me perguntou se eu queria que ele ma carregasse no colo. Eu gritei um não bem impaciente e pelo jeito foi só esse grito que chegou ao ouvido dos pastores porque os motivos dessas reações não chegavam.

Quero esclarecer aos irmãos que as pessoas com deficiência física não querem ser carregados, ou seus veículos manobrados, não. Nós queremos é o nosso direito de ir e vir sendo respeitados. Claro que se for necessário pediremos ajuda. Eu por exemplo, peço ajuda em escadas e em terrenos irregulares.

Os templos e maanains são construções novas e não devia estar fora das normas técnicas de acessibilidade. Já faz tempo que os cursos de arquitetura incluíram essa disciplina em sua grade curricular. Não há justificativas para nos negar esse direito.

Agora é que percebo que não somos bem vindos. Claro! A “obra” é “perfeita” e nós… Só que se esquecem que O PERFEITO nos ama imperfeitos.
Jesus jamais tratou assim as pessoas com deficiência. Todas Ele curou e eu espero e quero ser curada apesar de não ser infeliz por ter uma deficiência. Em tudo dou graças.

Nos últimos anos no maanaim, depois de tanto pedir e cair e também porque um pastor tomou a frente e se condoeu da causa dos deficientes, eles arrumaram um local para eu estacionar mas nas últimas vezes em que eu estive lá fui impedida de usá-lo.

Descobri depois de muitos anos que não se importavam em resolver esse problema porque eu não sou rica e nem importante porque um irmão, que é grande autoridade aqui, tinha vaga cativa no estacionamento e todos respeitavam.

Como falei esse assunto é extenso.
Depois continuo.

A paz do Senhor Jesus.
Eurípia Inês

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/#comment-12960