Posts com Tag ‘valentes da obra’

heresia icemita é um desastre!

Abri esta PÁGINA concordando com entendimento de que “a maioria das palavras trazidas nos cultos foi copiada do meio evangélico”.

Basicamente, o ensino e a pregação na ICM-PES está mais para cópia de antigas doutrinas de assembleianos, congregacionalistas, erros dos adventistas e até borrões da Cabala (que orienta o Judaísmo e a Maçonaria). Exemplos:

  1. A mão de Deus operando – antigo ensino sobre os cinco dons ministeriais (Ef. 4.11,12) muito difundido entre os irmãos da assembleianos e congregacionalistas.
  2. Clamor pelo sangue de Jesus – antiga heresia que vem dos papistas.
  3. Meios de graça – antiga doutrina de enfatizada em enquadres os mais variados (clamor, consulta, discernimento, dons, jejum, madrugada, ofertas, oração etc.)
  4. O  “fogo do altar” – distorção da frase em Ap. 8.5 que introduz o JUÍZO no cenário apocalíptico; mas Gedelti distorce a Escritura profética e inspirado em heresia de autor adventista diz que o“fogo do altar” – símbolo do Espírito Santo é derramado sobre os homens para que reebam com alegria as intervenções de Deus.
  5. Os toques das trombetas do Apocalipse  – na sequência do falso batismo com o fogo do altar Gedelti afirma que três das trombetas já tocaram e a quarta trombeta vai tocar num abrir e fechar de olhos  para o arrebatamento da igreja fiel, ou seja, a maranata.
  6. Os Valentes da Obra – absurda espiritualização da frase em 2 Sm 23.39b entremeados de expressões da numerologia cabalística prometendo a formação dos “valentes da Obra revelada”.

Claro, o astuto Davi da Obra viu-se na obrigação apresentar algo extraordinário e revelado por anjos. Deste modo, ele buscouentendimento oculto das Escrituras a fim de espiritualizar expressões ou frases isoladas do contexto próximo e conteúdo geral da Revelação Proposital, indo além do plano semântico da passagem.

E ele conseguiu enredar a membresia com as extravagâncias de interpretação. Método extremamente perigoso mas o preferido do mestre-mor. Na alegoria ou espiritualização de expressões ou frases das Escrituras a mente do intérprete não se prende às exigentes regras da Hermenêutica Bíblica e chega ao condenável “fogo estranho”expoxto ao juízo. Quem se lembra do episódio de Abiu e Nadabe?

Então, dissimulada e espertamente, ele lançou mão da ENGANAÇÃO, assim como o mágico faz (e exige aplausos e pagamento pelos serviços de entretenimento). Entrou em cena a LNP – linguagem do não-pensamento e o olhar caolho do construtor de heresias começou a difundir a ideia de Bíblia além da letra, algo da eternidade além da letra. Infelizmente ninguem entendeu o que ele quis diuzer com Obra! e então ele ameaça, despreza os valetes (escrevi valetes) e profetiza :esta Obra é filho único, quem não amar esta Obra vai… vai… cair e vai….ser comido de bichos… vai ser estraçalhado. Isto ele fala com o aspecto de fantástico, instigando o ódio religioso, pavoroso e sobrenatural. O medo impera!

Entenda. Em cada aula do seminário o hipnotizador entretinha o povo com os malabrares; e, enquanto jogava os malabares, a estupidez da incredulidade formava imagens na mente dos formatados hipnotizados e dos meia-solas empanzinados com a heresia icemita empurrada pela goela dos presentes. Consequentemente, ocorria o que chamamos de CATÁLISE entre os empanzinados. Encerrando a confusa exposição, era fácil alguma dupla de meia-solas arrotar alguma profetada (kandalaias… eis meu povo… sorrirás… estou presente etc. etc) com a aura de aqui Deus fala… ossorrevela… Este imbróglio é atualmente chamado de doutrina revelada que só a Obra tem porque esta Obra conhece a Bíblia além da letra. Juntando tudo estamos diante daheresia icemita que destituiu a Jesus de Seu Apostolado, Messianato e Sumo Sacerdócio.

Entenda: a espiritualidade estabelecida em falsa unção disseminou a educação equivocada no contexto da ideologia de Obra como forma de vida. A falsa unção é arma destruidora. Ela abre feridas, destrói a esperança, e mata! Os icemitas estão doentes de esquizofrenia e não se dão contas dessa doença. Tristeza!

Essas doutrinas foram oferecidas como comida requentada ao entorpecente som de OBRA! OBRA! OBRA! Distorcendo os fatos, escondendo as fraudes e faltoso com a imprescindível transparência, o mestre em espiritualização de frases das Escrituras, jargões, meias verdades e mentiras fincou pé e obsessivamente estabeleceu a monarquia. Nós já conhecemos os resultados. O Ministério Públicoinvestiga.

Estejam certos de que as expressões mistérios desta Obra ou só a Obra tem a palavra revelada são jargões. Enquanto os formatados icemitas dissimulam contentamento ao grito de maranata! maranata! maranata! (porque ossorrevelô) o chefe declaraesta Obra é filho único… meia-sola… fora! Mas não é verdade, que cada meia-sola foi gerado na ideologia de Obra? Sim! Prova de que o mestre-mor afastou-se das Escrituras, amparou-se em falso profetismo, desprezou a Teologia, ensinou erros, ergueu a doutrina revelada, exigiu obediência, formatou icemitas e ordenou pastores segundo o coração dele, e não, segundo o coração de Deus (Jr. 3.15).

Nos cultos proféticos até hoje os meia-solas praticam o fermento introjetado na mente deles. Os frutos podres estão aos olhos de todos. Que destino final? Que esperança lhes resta? Que salvação, se não se arrependem?

Não convindo ao monarca pseudocarismático esquecer o ensino-profético além da letra, esse imbróglio revelado, ou seja, esta comida requentada é repetida e repetida e repetida nos seminários da Obra. Naturalmente, com profetadas, revelagens como temperos. O empanzinamento mostra o resultado. Os meias-solas estufam o peito com preconceitos e orgulho religioso; mais prudentes os retirantes enchem as estradas…

Não duvide: a heresia icemita é um desastre! Ela destrói a “fé em Jesus”, dá credibilidade à falsa-unçãodesestrutura a família e instiga o ódio religioso. Nesses lugares de medo onde demônios habitam, espíritos de mentira ditam normas e inspiram profetadas e revelagens. O comando é: falei conforme ossorrevelô… Prova de que essa casa decadente e mal assombrada entrou em um beco sem saída. Se você compreendeu, fuja deles.

 Nestes contornos, a incubação dadoutrina revelada é desejada insistentemente pelo sistema (o mestre-mor conta com este lance nebuloso). Começou com o capítulo chamadoabsorção de Obra (algo que de coisas insignificantes fazem segredos), como condição de formatação inconsciente do eu-icemíticofacilmente manipulável e obediente ao sistema. Falando e pensando biblicamente, absorvem a OBRA é expressão medíocre: o mestre-morrecorda e repete a doutrina revelada e, a cada dia, o mistério da Obrafica mais sofisticado. É assim que a doutrina revelada, a mensagem revelada, a palavra revelada funcionam: na base de compulsão. Inexoravelmente! Não duvide!

No curso da dominação quadragenária o construtor da heresia icemita criou a ideologia de Obra doutrina revelada que gerou a mentalidade de Obra (conduta do formatado icemita). O beato icemita foi alimentado constantemente com mitos, profetadas e revelagens e, consequentemente, possui esta mentalidade de Obra introjetada em sua mente da qual é difícil livrar-se. Os bobos da corte palacianacontinuam NÃO acreditando em fraudes milionárias. Por incrível que pareça!

Nos púlpitos da ICM-PES a mentira corre como fogo em palha seca. Ao fim desta jornada de quarenta e cinco anos a iniquidade transbordou aos olhos da Sociedade, onde o NOME DO SENHOR está sendo blasfemado (cf. Rm. 2.24). Não se enganem: o dono da fabrica de meia-solas prometeu ilusões; por isso o clamor é notório e público. Quando devia esclarecer, ameaça e arma esquemas de autodefesa; confunde, despista e foge à responsabilidade…

O doutrinamento falacioso e intolerante introjetou o medo na mente dos formatados manipuláveis e obedientes servos da Obra. O gedeltismo conseguiu um feito notável: fazer a ICM-OBRA andar nacontramão da História e implodir o sistema.

O gedeltismo construiu a heresia icemita, desprezou o que Deus disse, do jeito que Ele disse e fortaleceu a experiência de OBRA! Os formatados icemistas, pré-meias-solas e meias-solas emissários do palácio da rainha desfigurada falam de experiência de Obra com a mesma facilidade com que o romeiro do Padim Ciço repete rezas: Oh! Maria concebida sem pecado….

O olhar caolho do construtor de heresias enganou a todos. O poder camaleônico (acesse este artigo, clique no primeiro link e leia o que aconteceu na formação da desta denominação) fomentou este poço de iniquidades agora escancarado aos olhos da Sociedade. Quando mais oMinistério Público investiga, mais aparece para investigar.

Ora, muitos desses formatados e meias-solas paridos no pandulho da rainha desfigurada, debaixo da hierarquia maranática que os obriga a OBEDECER… OBEDECER… OBEDECER, não mais suportam o gedeltismo pseudocarismático.

Os icemistas conferem as coisas nas Escrituras Sagradas? Não! Eles confiam na crença do chefe muito religioso e não-pensam os pensamentos das Escrituras. Nem querem pensar. Se pensarem, entram em pânico. Simplesmente!

Prestem atenção: neste triste fim de jornada de quarenta anos o clamor é notório e público. O Juízo vem!

Sobrevindo o confronto, continuarão CÚMPLICES ou romperão com o sistema.

CV.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/copias-repetecos-e-requentadas/

Pois é, Jenu, mais um bonzão da ICM, és tu, né, champs?!

Vira essa tua boca mentirosa para lá. Hipócrita!

Olhem um dos absurdos que essa apostila da ICM ensina no seu ítem 11:

11- Os valentes da Obra também são assim:
* A irmã que enfrenta o marido não crente todos os dias.
* O jovem que se dedica ao serviço no Maanaim.
* Os que abrem mão do conforto fazendo as madrugadas.
* A irmã que entende a revelação e abre mão da calça comprida.
* Os pastores e obreiros que viajam.
* Os trabalhadores do Maanaim, etc.
* Os que se gastam pela Obra.

Que coisa horrível isso! Isso é maligno! Pervertido! Diabólico!

Baixem o artigo e leiam exatamente o que ela diz. Isso é uma indecência! Uma imoralidade!

Esses lobos ensinando que as esposas confrontem seus maridos em nome dessa “Obra”. Desde quando a Palavra de Deus ensina isso, hein, seu cínico?

“E, se uma mulher tem marido descrente, e ele se dispõe a viver com ela, não se divorcie dele. Pois o marido descrente é santificado por meio da mulher, e a mulher descrente é santificada por meio do marido. Se assim não fosse, seus filhos seriam impuros, mas agora são santos.”
1 Coríntios 7:13-14

Mas a “Obra” cria na cabeça dessas mulheres um clima de guerra contra o marido que se opõe à ICM. Claro, qual é o marido, coitado, seja não crente, até mesmo crente mesmo, que vai ficar feliz com esse monte de atividades na “Obra”, e sua esposa, feito uma “banana otária” trabalhando para enriquecer as malas do Panteão Capixaba, enquanto o marido fica sozinho com os filhos? Isso é trabalhar para Deus? Uma ova que é! Isso é trabalhar para uma instituição religiosa!

Trabalhar para Deus é algo muito mais singelo, belo e bonito, em ações e caridade, na pregação da Palavra de Deus. Mas os truculentos pela religiosidade desta seita monstruosa acham que caridade e amor aos necessitados é coisa de “evangelho social”. Sei…

Evangelho social… E o que é então ficar feito uma babaca varrendo os templos, capinando e oferecendo cafezinho e almoço na bandejas para os apstores no maanaim? Isso é o quê?

Para mimé coisa de babacas!

Só para quem sofreu mesmo com uma mulher envenenada pelo Presbitério, fanatizada e embrutecida de religiosidade nervosa e ativista, para entender o que a ICM causa nos matrimônios.

E ainda mais, vem esses verdugos do Presbitério aterrorizar a mulhereda dizendo que DEus, o próprio Deus, está REVELANDO que a saia deve ser usada. “Revelação da saia” pff… Me poupe…

Como disse uma migo meu, só uma pessoa muita burra para se submeter as mentiras apregoadas pela ICM. Ridículo.

Admisnitrador do Blog, desculpe-me as palavras. Aprove meu comentário, por favor. Mas fiquei indignado com essa lingua CÍNICA, SONSA e MENTIROSA de muitos defensores desta seita que por fora é muito bonita aos nososs olhos, mas por dentro é cheia de podridão, como sepulcros caiados.

Olha, trabalho na justiça, e as pessoas que sofreram com isso, têm todo direito de acionar esses patifes da Suprema Corte Marnática pelosd anos morais causados à sua pessoa. Exijam a devolução de todos os dízimos que vocês contribuíram. Alías, nessa altura, é bom mesmo, então, eles continuarão se estribando a base da boa fé das pessoas.

fonte: http://obramaranata.wordpress.com/2011/06/27/refutando-a-icm-valentes-da-obra/

E o que eles fazem de II Sm 23:39 que cita o nome do 37º valente de Davi: Urias, o heteu, aquele que teve a esposa e a própria vida tirada por Davi? Como fica a interpretação “além da letra”?

Moisés e Melquisedeque são muito mais tipos de Jesus do que Davi, mas que importa agora os tipos do Antigo Testamento, que nada mais eram do que sombras do Messias que havia de vir? E ele já veio, já consumou sua obra redendora no Calvário.

Ele é o Profeta (Dt 18:15) como Moisés, porém superior a Moisés, assim como a Nova Aliança é superior à Aliança do Sinai (Lei); Ele é o Sumo Sacerdote Eterno, segundo a ordem de Melquisedeque (Heb 7:21); Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo 1:29).

Ele, sim, deve ser o nosso modelo, o nosso alvo, o nosso exemplo em tudo, não Davi, Elias, Moisés, que, apesar de terem sido grandes homens da Bíblia, assim como nós, falharam, mas o que é perfeito, o que se esvaziou a si mesmo por amor de nós (Fil 2), este sim, é perfeito e tem o Nome que é sobre todo nome.

A Ele (não a denominações, a homens do Antigo Testamento, etc.) seja sempre a Glória!

…….

Cristão, graça e paz

Amado, deixo registrado que seu comentário me emocionou. Sim, pelo enraizamento nas Escrituras, aliás, bem inteligente. Com é bom preservar na memória esses lances proféticos que apontam para o Cristo de Deus, o Garantidor das Promessas.

Como está escrito (Rm. 11.36): “Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!”

Davi concebeu a morte de Urias e a concretizou. Fato. Já que o intérprete-mor da ICM declara que Davi é tipo de Cristo, como entender o ardil cobiçoso e homicida de Davi contra o fiel Urias, o heteu convertido à Lei de Moisés? Sim, porque a Hermenêutica Bíblica exige que para o tipo (no AT) deve existir o antí-tipo (no NT); e assim teríamos Cristo com ardís cobiçosos contra alguém para tirar-lhe a vida… absurdo!

Isto nos mostra a falácia da doutrina revelada além da letra, apoiada em método obscuro e sem freios, de que o Pr. G. Gueiros faz uso, como COMPENSAÇÃO. Com espiritualização de frases das Escrituras ele fez do teologismo o seu trunfo (por não haver se dedicado ao Estudo da Teologia, já que seu irmão mais velho, o Gedaias, por exemplo, tinha essa formação ortodoxa).

Mas interessante o significado do nome Urias (hb. Uwriyah): o Senhor é um fogo. Entendo que a consciência de Davi ardia diante da intriga palaciana secreta que veio à luz quando Natã o repreendeu (aliás, com muita sabedoria, correndo o risco de ser morto). E continuo: se Davi é tipo de Cristo como entender o antítipo (Cristo) sendo repreendido?IMPOSSÍVEL!

Por exigüidade de tempo, lembrando o testemunho de Pedro (2 Pe. 2.21-25 ênfase nossa):

“Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos, o qual não cometeu pecado, nem dolo algum se achou em sua boca; pois ele, quando ultrajado, não revidava com ultraje; quando maltratado, não fazia ameaças, mas entregava-se àquele que julga retamente, carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos para os pecados, vivamos para a justiça; por suas chagas, fostes sarados. Porque estáveis desgarrados como ovelhas; agora, porém, vos convertestes ao Pastor e Bispo da vossa alma.”
Paz.

CV.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/09/a-obra-construindo-heresias/

Citando um capitulo interessante do blog OBRA MARANATA – SEITA E HERESIAS:

http://obramaranata.wordpress.com/2011/06/27/refutando-a-icm-valentes-da-obra/

11- Os valentes da Obra também são assim:

  • A irmã que enfrenta o marido não crente todos os dias.
  • O jovem que se dedica ao serviço no Maanaim.
  • Os que abrem mão do conforto fazendo as madrugadas.
  • A irmã que entende a revelação e abre mão da calça comprida.
  • Os pastores e obreiros que viajam.
  • Os trabalhadores do Maanaim, etc.
  • Os que se gastam pela Obra.

MALIGNO!

Essa, sem dúvida nenhuma, é a passagem mais tenebrosa que vemos nesse estudo. Puramente maligna! Um fruto concreto de uma mente idólatra, pervertida, enferma e gananciosa para com o sistema e império ICM, sem nenhum compromisso de amor para com o próximo, tampouco para o Reino de Deus. São diretrizes impostas aos amados irmãos efetivados nesse sistema, as quais não produzem nenhum fruto espiritual para suas vidas; senão resultados destruidores, tanto espirituais, quanto emocionais. O ardil maligno expressado nesses sete tópicos converge na “Teologia da Prosperidade da ICM”. Como?

Gostaríamos de agradecer aos autores do blog do fundo dos nossos corações por iluminar nosso caminho e de ajudar muitos que estavam presos nesta obra maligna a saírem e superar o medo de acontecer algo de mau com eles ou com alguém amado da família.

Analisando ou pouco estas ferramentas malignas que  fazem parte dos valentes da obra e são em parte justificadas como revelações do Espírito Santo, chegamos á conclusão que os chamados valentes da obra não passam nada alem de mecanismos para os servos do PES-ICM reconhecerem o avanço desta obra maligna na cabeço das vitimas.

“A irmã que entende a revelação e abre mão da calça comprida” sem fundamento bíblico algum, simplesmente um dos primeiros passos para reconhecer na mulher o progresso da obra de Gedelti e cia.. Uma obra oca – sem coração, sem amor é incapaz de reconhecer o amor do fiel e necessita destas ferramentas!

“A irmã que enfrenta o marido mão crente todos os dias” – esta foi criada por uma mente muito doente, maligna, perversa!  Ela suga de um casamento que muitas vezes já sofria com problemas, ás vezes fácil de resolver com um pouco de mais diálogo entre marido e mulher, o amor que ainda restava entre o casal e torna a vida de ambos em um holocausto. Tudo para matar o perigo da razão que o marido poderia usar para refutar maioria das heresias fáceis de encontrar. O casamento entre uma valente da obra e um marido não crente terá que passar pela prova mais infernal que existe na face da terra – será que esta obra veio de Deus? Esta obreira tem Cristo no coração?

Outra função do “projeto” valentes da obra é levar a vitima á exaustão – ela não pode parar, deve estar o máximo do tempo envolvida com a obra. Quando não está trabalhando para sustentar o lar ou a família estará ocupada com serviços para obra maligna, em cultos de manhã e á noite, em grupos, nos finais de semana no maanaim, em seminários sendo atormentados – tudo a fim de afastar a possibilidade da razão voltar á vida destes infelizes.

Resumindo os valentes da obra somente tem os seguintes principais objetivos:

  • Mecanismos para controlar o progresso silêncio desta obra maligna na cabeça da vitima.
  • Afastar a razão da vida do servidor
  • Ocupar o servidor o máximo com a obra, fazendo dele em parte um escravo da obra.