Posts com Tag ‘revelação da obra maranata’

E o que eles fazem de II Sm 23:39 que cita o nome do 37º valente de Davi: Urias, o heteu, aquele que teve a esposa e a própria vida tirada por Davi? Como fica a interpretação “além da letra”?

Moisés e Melquisedeque são muito mais tipos de Jesus do que Davi, mas que importa agora os tipos do Antigo Testamento, que nada mais eram do que sombras do Messias que havia de vir? E ele já veio, já consumou sua obra redendora no Calvário.

Ele é o Profeta (Dt 18:15) como Moisés, porém superior a Moisés, assim como a Nova Aliança é superior à Aliança do Sinai (Lei); Ele é o Sumo Sacerdote Eterno, segundo a ordem de Melquisedeque (Heb 7:21); Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo 1:29).

Ele, sim, deve ser o nosso modelo, o nosso alvo, o nosso exemplo em tudo, não Davi, Elias, Moisés, que, apesar de terem sido grandes homens da Bíblia, assim como nós, falharam, mas o que é perfeito, o que se esvaziou a si mesmo por amor de nós (Fil 2), este sim, é perfeito e tem o Nome que é sobre todo nome.

A Ele (não a denominações, a homens do Antigo Testamento, etc.) seja sempre a Glória!

…….

Cristão, graça e paz

Amado, deixo registrado que seu comentário me emocionou. Sim, pelo enraizamento nas Escrituras, aliás, bem inteligente. Com é bom preservar na memória esses lances proféticos que apontam para o Cristo de Deus, o Garantidor das Promessas.

Como está escrito (Rm. 11.36): “Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!”

Davi concebeu a morte de Urias e a concretizou. Fato. Já que o intérprete-mor da ICM declara que Davi é tipo de Cristo, como entender o ardil cobiçoso e homicida de Davi contra o fiel Urias, o heteu convertido à Lei de Moisés? Sim, porque a Hermenêutica Bíblica exige que para o tipo (no AT) deve existir o antí-tipo (no NT); e assim teríamos Cristo com ardís cobiçosos contra alguém para tirar-lhe a vida… absurdo!

Isto nos mostra a falácia da doutrina revelada além da letra, apoiada em método obscuro e sem freios, de que o Pr. G. Gueiros faz uso, como COMPENSAÇÃO. Com espiritualização de frases das Escrituras ele fez do teologismo o seu trunfo (por não haver se dedicado ao Estudo da Teologia, já que seu irmão mais velho, o Gedaias, por exemplo, tinha essa formação ortodoxa).

Mas interessante o significado do nome Urias (hb. Uwriyah): o Senhor é um fogo. Entendo que a consciência de Davi ardia diante da intriga palaciana secreta que veio à luz quando Natã o repreendeu (aliás, com muita sabedoria, correndo o risco de ser morto). E continuo: se Davi é tipo de Cristo como entender o antítipo (Cristo) sendo repreendido?IMPOSSÍVEL!

Por exigüidade de tempo, lembrando o testemunho de Pedro (2 Pe. 2.21-25 ênfase nossa):

“Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos, o qual não cometeu pecado, nem dolo algum se achou em sua boca; pois ele, quando ultrajado, não revidava com ultraje; quando maltratado, não fazia ameaças, mas entregava-se àquele que julga retamente, carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos para os pecados, vivamos para a justiça; por suas chagas, fostes sarados. Porque estáveis desgarrados como ovelhas; agora, porém, vos convertestes ao Pastor e Bispo da vossa alma.”
Paz.

CV.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/09/a-obra-construindo-heresias/

As 7 Regras do Abuso Espiritual

igreja cristã maranata1) Scripture Twisting (Distorção da Escritura): para defender os abusos usam de doutrinas do tipo “cobertura espiritual”, distorcem o sentido bíblico da autoridade e submissão, etc. Encontram justificativas para qualquer coisa. Estes grupos geralmente são fundamentalistas e superficiais em seu conhecimento bíblico. O que o líder ensina é aceito sem muito questionamento e nem é verificado nas Escrituras se as coisas são mesmo assim, ao contrario do bom exemplo dos bereanos que examinavam tudo o que Paulo lhes dizia.

2) Autocratic Leadership (liderança autocrática): discordar do líder é discordar de Deus. É pregado que devemos obedecer ao discipulador, mesmo que este esteja errado. Um dos “homens de Deus” de uma igreja diz que se jogaria na frente de um trem caso o “Líder” ordenasse, pois Deus faria um milagre para salvá-lo ou a hora dele tinha chegado. A hierarquia é em forma de pirâmide (às vezes citam o salmo 133 como base), e geralmente bastante rígida. Em muitos casos não é permitido chamar alguém com cargo importante pelo nome, (seria uma desonra) mas sim pelo cargo que ocupa, como por exemplo “pastor Fulano”, “bispo X”, “apostolo Y”, etc. Alguns afirmam crer em “teocracia” e se inspiram nos líderes do Antigo Testamento. Dizem que democracia é do demônio, até no nome.

3) Isolationism (Isolacionismo): o grupo possui um sentimento de superioridade. Acredita que possui a melhor revelação de Deus, a melhor visão, a melhor estratégia. Eu percebi que a relação com outros ministérios se da com o objetivo de divulgar a marca (nome da denominação), para levar avivamento para os outros ou para arranjar publico para eventos. O relacionamento com outros ministérios é desencorajado quando não proibido. Em alguns grupos no louvor são tocadas apenas músicas do próprio ministério.

4) Spiritual Elitism (Elitismo espiritual): é passada a idéia de que quanto maior o nível que uma pessoa se encontra na hierarquia da denominação, mais esta pessoa é espiritual, tem maior intimidade com Deus, conhece mais a Biblia, e até que possui mais poder espiritual (unção). Isso leva à busca por cargos. Quem esta em maior nível pode mandar nos que estão abaixo. Em algumas igrejas o número de discipulos ou de células é indicativo de espiritualidade. Em algumas igrejas existem camisetas para diferenciar aqueles que são discípulos do pastor. Quanto maior o serviço demonstrado à denominação, ou quanto maior a bajulação, mais rápida é a subida na hierarquia.

5) Regimentation of Life (controle da vida): quando os líderes, especialmente em grupos com discipulado, se metem em áreas particulares da vida das pessoas. Controlam com quem podem namorar, se podem ou não ir para a praia, se devem ou não se mudar, roupas que podem vestir, etc. É controlada inclusive a presença nos cultos. Faltar em algum evento pro motivos profissionais ou familiares é um pecado grave. Um pastor, discípulo direto do líder de uma denominação, chegou a oferecer atestados médicos falsos para que as pessoas pudessem participar de um evento, e meu amigo perdeu o emprego por discordar dessa imoralidade.

6) Disallowance of Dissent (rejeição de discordâncias): não existe espaço para o debate teológico. A interpretação seguida é a dos lideres. É praticamente a doutrina da infalibilidade papal. Qualquer critica é sinônimo de rebeldia, insubmissão, etc. Este é considerado um dos pecados mais graves. Outros pecados morais não recebem tal tratamento. Eu mesmo precisei ouvir xingamentos por mais de duas horas por discordar de posicionamentos políticos da denominação na qual congregava. Quem pensa diferente é convidado a se retirar. As denominações publicam as posições oficiais, que são consideradas, obviamente, as mais fiéis ao original. Os dogmas são sagrados.

7) Traumatic Departure (saída traumática): quem se desliga de um grupo destes geralmente sofre com acusações de rebeldia, de falta de visão, egoismo, preguiça, comodismo, etc. Os que permanecem no grupo são instruídos a evitar influências dos rebeldes, que são desmoralizados. Os desligamentos são tratados como uma limpeza que Deus fez, para provar quem é fiel ao sistema. Não compreendem como alguém pode decidir se desligar de algo que consideram ser visão de Deus. Assim, se desligar de um grupo destes é equivalente a se rebelar contra o chamado de Deus. Muitas vezes relacionamentos são cortados e até familias são prejudicadas apenas pelo fato de alguém não querer mais fazer parte do mesmo grupo ditatorial.

***Ronald M. Enroth, americano, sociólogo da religião, que escreveu um livro a respeito do abuso espiritual (Churches that abuse), após horas e mais horas de depoimentos de ex-membros da Jesus People USA, um grupo religioso dos EUA

ICM maranata prega que não faz politica – será que é verdade?

Julgue você:

a obra não faz politica

a obra maranata não faz politica

 

a obra maranata não faz politica

a obra maranata não faz politica

Visi-te também:

http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2012/02/noticias/cbn_vitoria/reportagem/1111558-r-1-8-milhao-doados-a-igreja-maranata.html