Posts com Tag ‘ministério público’

Gravações feitas pelo Ministério Público mostram pastores da Igreja Maranata tramando ocultação de provas do desvio de dízimos

testemunhas contra a seita maranata eram intimadas com arma pelos fundadores e cúmplices

testemunhas contra a seita maranata eram intimadas com arma pelos fundadores e cúmplices

Os líderes da Igreja Maranata foram denunciados novamente pelo Ministério Público do Espírito Santo por coação de testemunhas, além de ameaça a uma juíza e um promotor.

A denúncia foi feita a partir de escutas telefônicas que flagraram as orquestrações para intimidar as pessoas arroladas como testemunhas no processo que investiga o desvio de dízimos e ofertas na Igreja Maranata.

Entre os cinco denunciados no novo inquérito, há quatro pastores: Gedelti Gueiros, fundador da igreja, Amadeu Loureiro Lopes, Carlos Itamar Coelho Pimenta e Elson Pedro dos Reis, além do bacharel em Direito Mauro Teixeira da Rosa, que é membro. Os três primeiros já estão detidos pelos crimes de formação de quadrilha, estelionato, apropriação indébita e duplicata simulada, conhecido como nota fria.

Nas gravações, há detalhes da estratégia usada pelos acusados para desqualificar as denúncias, burlar a proibição da Justiça de encontros entre os acusados, direcionar as acusações para a igreja e ocultação de provas, entre outras.

Uma conversa entre a assessora de imprensa da Maranata, Beth Rodrigues, e o pastor Marco Picone fala sobre como negar a acusação de enriquecimento ilícito:

-Nós temos que conseguir um argumento assim factível, acreditável da vida de Gedelti, da movimentação financeira dele entre 2009 e 2011, que segundo a matéria foi quase oito vezes maior que o valor declarado ao Imposto de Renda – diz Picone.
-Porque ele pode dizer: “Minha sogra morreu, e eu ganhei uma fazenda, enfim, deve ter uma razão” – responde Beth

A respeito Igreja Maranata, os mesmos interlocutores dialogam com o pastor Daniel Moreira e dizem achar melhor que as acusações sejam contra a denominação, ao invés de seu fundador, pastor Gedelti Gueiros.

–Que o ataque à igreja, enquanto instituição é melhor para eles, do que o enfrentamento frontal a Gedelti […] Que a igreja tem mais pernas para segurar este embate que a figura de Gedelti […] A igreja tem base muito forte, o tempo pode recuperar a imagem, já Gedelti … – diz um dos três, segundo o G1, que não informou o autor da frase.

Em outra gravação, os pastores Marco Picone e Daniel Moreira voltaram a entrar em contato para traçar estratégias para o depoimento de outras testemunhas:

–Companheiro, Sérgio informou que dona Vera, esposa de Arlínio (pastor), vai depor amanhã […] Terão que pedir para a Bárbara (advogada) acompanhar, e depois vão ter de colocar o marido dela (Arlínio) para desmentir tudo o que a esposa mentirosa disser – combinam.

Um trecho curto de uma conversa entre o pastor Gedelti Gueiros e outros dois membros da igreja revela que os líderes da Maranata fizeram contatos com terceiros para contra-atacar as acusações: “Ações já estão sendo agilizadas em Brasília”, diz um dos envolvidos no diálogo.

A ocultação de provas foi tema de uma nova conversa entre os pastores Daniel Moreira, Marco Picone e a assessora Beth Rodrigues:

–Se teria como melhorar a defesa de Gedelti, pois está muito levinho […], pois além do parecer técnico do Espírito Santo, já encomendaram outro do Rio de Janeiro […] é esconder prova pro momento certo – tramam.

Daniel Moreira revela, num diálogo com uma pessoa não identificada, que há um dossiê sendo preparado pelos acusados contra pessoas que conduzem a investigação:

–Companheiro, preciso daquelas pastas sobre os nossos acusadores, ok?
–Ok. Estamos montando mais um jogo.

Ações de retaliação à imprensa também foram planejadas pelos pastores Daniel Moreira e Marco Picone:

–Ontem, após uma reunião de oração, “nosso amigo” comentou com o Sérgio sobre uma ação de reparação de danos, e o Sérgio deu também uma ideia […] Preparar um material e colocar à disposição de quem quiser para entrar em juizados especiais com ações contra o jornal – diz Daniel.
– […] Vão entrar com esse grupo de ações […] Eu vou aprovar e depois ele entra, tudo dentro da estratégia […] Dará um trabalho tremendo ao jornal, pois terão que viajar todo o Brasil para ver isso.
–Foi o Varella que deu essa ideia do juizado especial – conclui Daniel.

Irregularidades foram assunto de uma conversa gravada entre Daniel Moreira e Beth Rodrigues:

–O que eu quero dizer é que como uma instituição (igreja), ela tem que negar que as pessoas enriqueçam lá dentro […] Quem quer que seja pode ter cometido uma, duas, ou três irregularidades, mas o processo de enriquecimento ilícito lá dentro é uma coisa que a gente tem que negar peremptoriamente (decisivamente), até que tenha havido, a gente tem que negar, né.

Os pastores Daniel Moreira, João Batista e o advogado Gustavo Varella planejaram uma forma de desacreditar o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), órgão do Ministério Público:

–Acha que está na hora deles baterem, de dar um nocaute – diz um dos pastores.
–Dar uma cruzada de direita no focinho do Gaeco e do Ministério Público, tratar como leviano, irresponsável – complementa o advogado Varella.

O advogado Gustavo Varella e a assessora de imprensa Beth Rodrigues optaram por não fazer declarações ao G1 a respeito da citação de seus nomes nas escutas telefônicas que foram usadas na nova ação do MP contra os líderes da Maranata.

Contador solto

Leonardo Meireles Alvarenga, membro e contador da Maranata, obteve um habeas corpus da Justiça e foi solto da prisão na última sexta-feira, 05 de julho.

fonte: http://noticias.gospelmais.com.br/gravacoes-pastores-maranata-ocultacao-provas-57925.html

IGREJA CRISTÃ MARANATA: MPE suspeita de uma Organização Criminosa

“Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.” Mateus 7:20

Esses pastores covardes da maranata com cargo politico ou jurídico usam de seus poderes concedidos pela sociedade Brasileira para coagirem promotores do Ministério Público assim como usam de seus cargos revelados pelo VPC para coagirem servos de Deus dentro dos templos do VPC!

Citando o MPES:

… ” Como se vê, a rede de influência de GEDELTI e por conseguinte, da quadrilha por ele liderada é dotada de alta permeabilidade nos mais altos escalões da República”…

… “Cite-se como exemplo, o caso de um Pastor Maranata que vem a ser Promotor de Justiça do Ministério Público de Minas Gerais, o qual procedeu a diversas investidas contra o Promotor de Justiça capixaba e a Juíza da Central de Inquéritos, sendo certo que foi ao gabinete, para acintosamente afrontá-la e coagi-la.

Este mesmo membro do Ministério Público Mineiro chegou a afirmar que declarou “guerra” a Promotor do Espírito Santo. Afirmou, também, ter contratado um grande escritório de Brasilia para processar o Promotor e este se sentir acuado, como de fato ocorreu com o ajuizamento de indenização por danos morais tombada sob o número 0005670-94.2013.8.08.0024, em trâmite junto à 10ª Vara Civel de Vitória, da qual houve covarde desistência. Também houve a deflagração de uma representação no âmbito do Conselho Nacional do Ministério Público, indevidamente publicizada na mídia por advogada que atua no caso, pois tramitava sob sigilo.” …

quadrilha da maranata nos mais altos escaloes da republica

quadrilha da maranata nos mais altos escaloes da republica

quadrilha da maranata nos mais altos escaloes da republica

quadrilha da maranata nos mais altos escaloes da republica

CV, se me permite, chega a ser SUSPEITA a indicação de Júlio Cézar Costa como interventor da Maranata (mencionado na Operação Naufrágio) pois trata-se de AÇÃO CIVIL PÚBLICA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA proposta por
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL,
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO e
UNIÃO FEDERAL

0011921-54.2004.4.02.5001
Número antigo: 2004.50.01.011921-9
6006 – AÇÃO CIVIL PÚBLICA/IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA
Autuado em 23/11/2004 –
Consulta Realizada em 21/06/2013 às 13:34
AUTOR : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL E OUTROS
PROCURADOR: CARLOS FERNANDO MAZZOCO
REU : JULIO CEZAR COSTA E OUTROS
ADVOGADO : JOAO LIEVORI E OUTROS
5ª Vara Federal Cível – MARIA CLAUDIA DE GARCIA PAULA ALLEMAND
Juiz – Sentença/Julgamento: MARIA CLAUDIA DE GARCIA PAULA ALLEMAND
Redistribuição Dirigida em 10/11/2010 para 5ª Vara Federal Cível
Objetos: ATOS E PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS
EXISTEM 13 DOCUMENTOS APENSOS PARA ESTE PROCESSO.

Concluso ao Juiz(a) MARIA CLAUDIA DE GARCIA PAULA ALLEMAND em 14/12/2012 para Sentença/Julgamento SEM LIMINAR por JESRSDA

SENTENÇA TIPO: A – Fundamentacao individualizada LIVRO REGISTRO NR. 000489/2013 FOLHA
Custas para Recurso – Autor: R$ 0,00
Custas para Recurso – Réu: R$ 0,00

……….

Ante o exposto, nos termos da fundamentação retro, JULGO PROCEDENTE a pretensão autoral para:

I – com fulcro no art. 12, I, II e III da Lei nº 8.429/92, condenar os Réus nas sanções adiante expostas:

FUNDAÇÃO CECILIANO ABEL DE ALMEIDA – FCAA:
1.1) ao ressarcimento ao erário do valor original de R$ 209.172,00 (responsabilidade solidária com o Réu ROBERTO SARCINELI BARBOSA), devidamente atualizado;
1.2) ao pagamento de multa civil na quantia correspondente a R$ 20.000,00;
1.3) ao pagamento de indenização por dano moral coletivo no valor de R$ 10.000,00;
1.4) à proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 10 anos, a contar do trânsito em julgado (art. 14 da Lei nº 7.347/85).

ROBERTO SARCINELLI BARBOSA:
2.1) ao ressarcimento ao erário do valor original de R$ 209.172,00 (responsabilidade solidária com a FCAA), devidamente atualizado;
2.2) ao pagamento de multa civil na quantia correspondente a R$ 20.000,00;
2.3) ao pagamento de indenização por dano moral coletivo no valor de R$ 10.000,00;
2.4) à perda da função pública de confiança exercida por ocasião do trânsito em julgado desta sentença, devendo ser mantido no cargo público efetivo que porventura estiver ocupando;
2.5) à suspensão dos direitos políticos e à proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 10 anos, a contar do trânsito em julgado (art. 14 da Lei nº 7.347/85).

EDSON RIBEIRO DO CARMO:
3.1) ao pagamento de multa civil no valor de R$ 20.000,00; 3.2) ao pagamento de indenização por dano moral coletivo no valor de R$ 10.000,00;
3.3) à perda da função pública de confiança exercida por ocasião do trânsito em julgado desta sentença, devendo o Réu ser mantido no cargo público efetivo que estiver ocupando; 3.4) à suspensão dos direitos políticos e à proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 10 anos, a contar do trânsito em julgado (art. 14 da Lei nº 7.347/85).

PEDRO DELFINO:
4.1) ao ressarcimento ao erário do montante original de R$ 3.710,00;
4.2) ao pagamento de multa civil no valor de R$ 10.000,00; 4.3) ao pagamento de indenização por dano moral coletivo no valor de R$ 5.000,00;
4.4) à suspensão dos direitos políticos e à proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 5 anos, a contar do trânsito em julgado (art. 14 da Lei nº 7.347/85).

JÚLIO CESAR COSTA:
5.1) ao ressarcimento ao erário do montante original de R$ 10.150,00;
5.2) ao pagamento de multa civil no valor de R$ 10.000,00; 5.3) ao pagamento de indenização por dano moral coletivo no valor de R$ 5.000,00;
5.4) à suspensão dos direitos políticos e à proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 5 anos, a contar do trânsito em julgado (art. 14 da Lei nº 7.347/85).

JOÃO ANTÔNIO DA COSTA FERNANDES:
6.1) ao ressarcimento ao erário do montante original de R$ 15.960,00, devidamente atualizado;
6.2) ao pagamento de multa civil no valor de R$ 10.000,00; 6.3) ao pagamento de indenização por dano moral coletivo no valor de R$ 5.000,00;
6.4) à suspensão dos direitos políticos e à proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 5 anos, a contar do trânsito em julgado (art. 14 da Lei nº 7.347/85).

EDMILTON RIBEIRO DE AGUIAR JÚNIOR:
7.1) ao ressarcimento ao erário do montante original de R$ 980,00, devidamente atualizado;
7.2) ao pagamento de multa civil no valor de R$ 10.000,00; 7.3) ao pagamento de indenização por dano moral coletivo no valor de R$ 5.000,00;
7.4) à suspensão dos direitos políticos e à proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 5 anos, a contar do trânsito em julgado (art. 14 da Lei nº 7.347/85).

JOSETTE BAPTISTA:
8.1) ressarcimento ao erário do montante original de R$ 13.600,00, devidamente atualizado;
8.2) ao pagamento de multa civil no valor de R$ 5.000,00; 8.3) ao pagamento de indenização por dano moral coletivo no valor de R$ 5.000,00;
8.4) à suspensão dos direitos políticos e à proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 5 anos, a contar do trânsito em julgado (art. 14 da Lei nº 7.347/85).

PEDRO JOSÉ NUNES:
9.1) ao ressarcimento ao erário do montante original de R$ 13.600,00, devidamente atualizado;
9.2) ao pagamento de multa civil no valor de R$ 5.000,00; 9.3) ao pagamento de indenização por dano moral coletivo no valor de R$ 5.000,00;
9.4) à suspensão dos direitos políticos e à proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 5 anos, a contar do trânsito em julgado (art. 14 da Lei nº 7.347/85).

Sobre os valores pecuniários, deverá incidir a Taxa Selic – que engloba juros de mora e correção monetária -, sendo que, em relação à multa e à indenização por danos morais, a incidência será a partir do seu arbitramento nesta sentença, consoante a aplicação por analogia da Súmula nº 362 do STJ , e, quanto aos danos materiais, a partir do efetivo prejuízo (Súmula nº 43 do STJ).

Os recursos decorrentes da condenação em pecúnia serão revertidos proporcionalmente em favor das pessoas jurídicas lesadas (83,33% devido à União e 16,66%, ao Estado do Espírito Santo), nos termos do art. 18 da Lei nº 8.429/92 . Isenção de custas judiciais e de honorários advocatícios, nos termos do art. 18 da Lei nº 7.347/85 . Dispensada a remessa necessária ao TRF da 2ª Região em razão da procedência da pretensão autoral.

Dispensada a expedição de ofício ao Relator dos Agravos de Instrumentos noticiados nos autos, porquanto, conforme consulta processual no sítio eletrônico do TRF da 2ª Região, todos eles já foram arquivados.

II – decretar, conforme pleiteado pelo MPF, a indisponibilidade dos bens dos Réus, tantos quantos bastem para assegurar o resultado útil desta sentença, por meio das seguintes diligências: Antes, porém, registre-se a sentença.

II.1) Proceda-se, com fulcro no art. 655-A do CPC c/c o art. 1º da Resolução nº 524 do Conselho da Justiça Federal, mediante consulta ao Sistema BACENJUD à tentativa de localização e de bloqueio de saldos em contas bancárias e de ativos financeiros de titularidade dos Réus até o limite dos valores adiantes expostos, cabendo ressaltar que incumbe a estes comprovarem a eventual impenhorabilidade das importâncias encontradas, na forma do § 2º do art. 655-A do CPC. Vejamos: FCAA – CNPJ 27.414.879/0001-74 R$ 371.357,92 ROBERTO SARCINELLI BARBOSA – CPF 201.868.197-49 R$ 371.357,92 EDSON RIBEIRO DO CARMO – CPF 196.345.286-00 R$ 30.000,00 PEDRO DELFINO – CPF 418.500.097-91 R$ 21.054,53 JÚLIO CESAR COSTA – CPF 754.180.887-34 R$ 31.564,28 JOÃO ANTÔNIO DA COSTA FERNANDES – CPF 386.840.806-10 R$ 41.045,90 EDMILTON RIBEIRO DE AGUIAR JÚNIOR – CPF 916.086.947-04 R$ 16.599,31 JOSETTE BAPTISTA – CPF 226.582.385-68 R$ 32.194,50 PEDRO JOSÉ NUNES – CPF 716.870.337-49 R$ 32.194,50 Ressalvo, por oportuno, que, havendo retenção de valores irrisórios, autorizo, desde já, o seu imediato desbloqueio. De fato, não se afigura razoável mover a máquina do Poder Judiciário, o que implica custos elevadíssimos ao Erário, para trazer benefícios tão insignificantes ao credor. É o que se depreende dos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade.

II.2) Proceda a Secretaria à pesquisa, por meio do Sistema RENAJUD, da existência de veículos de propriedade dos Réus, bem como à inserção da restrição à transferência no(s) veículo(s) localizado(s), a fim de resguardar o resultado efetivo de futura e eventual penhora sobre o(s) mesmo(s) bem(ns). Aguarde-se a resposta às solicitações. Somente após decorrido o prazo de 5 dias, suficiente para evidenciar o sucesso ou o fracasso da diligência (com a obtenção das informações prestadas pelas instituições financeiras e a transferência dos valores porventura localizados), intimem-se os Réus. Publique-se. À SEDIC para que proceda à inclusão do CPF do Réu EDMILTON RIBEIRO DE AGUIAR JÚNIOR (CPF 916.086.947-04) no Sistema MPF APOLO.

Após o trânsito em julgado: 1) oficie-se ao Tribunal Regional Eleitoral, ao qual os Réus estão vinculados, para que proceda à suspensão dos seus direitos políticos (ativos e passivos), pelo(s) prazo(s) fixado(s) para cada Réu; 2) oficie-se aos Ministérios do Planejamento, Orçamento e Gestão e da Fazenda para que procedam à restrição quanto à proibição da contratação dos Réus com o Poder Público e de receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, no(s) prazo(s) fixado(s) para cada Réu; 3) oficie-se à Junta Comercial deste Estado para que vede qualquer alteração nos contratos sociais porventura ali registrados que figurem os nomes dos Réus no quadro societário, no(s) prazo(s) fixado(s) para cada Réu (de acordo com o item 2) retro); e 4) insiram-se os nomes dos Réus no Cadastro Nacional dos Condenados por Ato de Improbidade Administrativa, estabelecido pela Resolução nº 044, de 20/11/2007, do Conselho Nacional de Justiça . Ao final, nada sendo requerido, dê-se baixa e arquivem-se os autos.
————————————————————–
Edição disponibilizada em: 20/06/2013
Data formal de publicação: 21/06/2013

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/06/snapshot-news-ii/#comment-54066

Revista Fui!.page09

Maranata: 19 denunciados por estelionato, formação de quadrilha e duplicata simulada

Eles teriam praticado desvio de dízimo da igreja, envolvendo uma movimentação financeira da ordem de R$ 24,8 milhões

Cláudia Feliz | cfeliz@redegazeta.com.br
Foto: Reprodução/TV Gazeta

 Reprodução/TV Gazeta

Ex-presidente Gedelti Victalino Gueiros (à direita) é acusado de três crimes

Pastores da Igreja Cristã Maranata – entre os quais o fundador da instituição e presidente do seu Conselho Presbiterial, Gedelti Victalino Teixeira Gueiros – estão entre 19 pessoas denunciadas à Justiça pelo Ministério Público Estadual por crimes de estelionato, formação de quadrilha e duplicata simulada. Elas teriam praticado desvio de dízimo da igreja, envolvendo uma movimentação financeira da ordem de R$ 24,8 milhões, segundo o próprio MPES.

Nove promotores integrantes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) assinam o pedido de abertura de ação penal pública contra os denunciados, que terão dez dias de prazo, a partir da citação judicial, para responder às acusações.

Exclusiva

A denúncia contra essas 19 pessoas é resultado de uma investigação divulgada por A GAZETA, com exclusividade, em fevereiro de 2012. Entre as 26 pessoas investigadas pelo Ministério Público, num trabalho que resultou a denúncia que acaba de chegar à Justiça, estão diáconos e pastores da Maranata.

Dos denunciados, três – entre os quais Gedelti Gueiros, o ex-vice-presidente Antônio Angelo Pereira dos Santos e o pastor Arlínio de Oliveira Rocha – são acusados de formação de quadrilha ou bando (Artigo 288 do Código Penal), estelionato majorado (Artigo 171, Parágrafo 3º) e apropriação indébita (Artigo 168) – ver quadro ao lado. Os mesmos artigos 288 e 171, do Código penal, são aplicados a outras dez pessoas, entre as quais o médico e pastor Amadeu Loureiro Lopes.

Já pelo Artigo 172 (emissão de duplicata simulada) foram denunciados um contabilista, um serralheiro, um eletricista e quatro empresários. No pedido de abertura da ação, o Ministério Público explica que apurações internas do próprio Presbitério da Igreja Cristã Maranata, visando a esclarecer “discrepância nos valores por ela pagos a prestadores de serviços e fornecedores de produtos”, subsidiaram a investigação.

“Negligentes”

O relatório conclusivo da comissão interna da igreja, que teria, só no Brasil, mais de 800 mil fiéis, apontou, em novembro de 2011, como “responsáveis e negligentes” Antônio Angelo Pereira dos Santos, Jarbas Duarte Filho, Cesar Fiem e Leonardo Alvarenga.

Numa ação movida na Justiça, com base nessa investigação interna, a instituição chegou a pedir ressarcimento de R$ 2,1 milhões, bem menos do que o Ministério Público garante ter sido movimentado no esquema executado pelo que o órgão define como uma “sofisticada organização criminosa” articulada por pastores com grande conceito na igreja.

Em março passado, quatro pastores chegaram a ficar presos, durante nove dias, acusados de coagir testemunhas que haviam prestado depoimento sobre o desvio. São eles Elson Pedro dos Reis – então presidente –, Amadeu Loureiro, Carlos Itamar Coelho Pimenta e Gedelti Gueiros.

Os denunciados

Gedelti Victalino Teixeira Gueiros
Denunciado por estelionato, formação de quadrilha e apropriação indébita

Antônio Angelo Pereira dos Santos
Estelionato, formação de quadrilha e apropriação indébita

Arlínio de Oliveira Rocha
Estelionato, formação de quadrilha e apropriação indébita

Mário Luiz de Moraes
Estelionato e formação de quadrilha

Wallace Rozetti
Estelionato e formação de quadrilha

Amadeu Loureiro Lopes
Estelionato e formação de quadrilha

Antonio Carlos Peixoto
Estelionato e formação de quadrilha

Antonio Carlos Rodrigues de Oliveira
Estelionato e formação de quadrilha

Jarbas Duarte Filho
Estelionato e formação de quadrilha

Leonardo Meirelles de Alvarenga
Estelionato e formação de quadrilha

Carlos Itamar Coelho Pimenta
Estelionato e formação de quadrilha

Sérgio Carlos de Souza
Estelionato e formação de quadrilha

José Eloy Scabelo
Duplicata simulada

Ricardo Alvim Madela de Andrade
Duplicata simulada

Daniel Amorim de Oliveira
Duplicata simulada

Daniel Luiz Peter
Duplicata simulada

Paulo Pinto Cardoso Sobrinho
Duplicata simulada

Welllington Neves da Silva
Duplicata simulada

Urquisa Braga Neto
Duplicata simulada

Os artigos do Código Penal

Estelionato majorado
Art. 171: Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento.
Parágrafo 3º da mesma lei:
A pena aumenta-se de um terço se o crime é cometido em detrimento de entidade de direito público ou de instituto de economia popular, assistência social ou beneficência

Apropriação indébita
Art. 168: Apropriar-se de coisa alheia móvel, de que tem a posse ou a detenção

Quadrilha ou bando
Art. 288: Associarem-se mais de três pessoas, em quadrilha ou bando, para o fim de cometer crimes

Duplicata simulada
Art. 172: Emitir fatura, duplicata ou nota de venda que não corresponda à mercadoria vendida, em quantidade ou qualidade, ou ao serviço prestado

Fonte: A Gazeta

fonte: http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2013/05/noticias/cidades/1439787-maranata-19-denunciados-por-estelionato-formacao-de-quadrilha-e-duplicata-simulada.html

CV,

seita maranata - destruindo famílias

seita maranata – destruindo famílias

Essa banda podre não tem brios mesmo.
Acaba de sair uma circular Nº 062/13, convocando os pastores para colocarem suas igrejas em orações incessantes pela Obra e pelo Presbitério começando amanhã 00h de amanhã dia 14/05/13 até 12h de sábado, dia 18/05/13.

Na hora de praticar os ilícitos, de se banquetearem com o dinheiro dos dízimos, eles não lembram que existe igreja. Agora, prestes a estourar uma BOMBA, eles querem oração.

É como você diz CV, esses meia-solas-remendadas e agora terão que aumentar a dosagem porque não tem oração, nem fio de escarlate, nem cinco, seis, sete, setenta meios de graça ou clamor pelo sangue de Jesus que os livrará da juízo de Deus e dos homens.

Pede orações incessantes da igreja mas não cessam de fazer o mal e nem de praticar a iniquidade.
Começam a colher o que plantaram.

Se julgaram acima do bem e do mal. Pisotearam as ovelhas e as exploraram e agora querem se esconder atrás de oração ininterrupta.

Estão apavorados? Não ficava o chefe mor gritando:
“Está tudo certo!”?
Se está tudo certo porque a Obra precisa de oração?
Se o PES é correto o que precisam temer?
E porque a igreja é quem tem que “pagar o preço” pelos atos ilícitos da banda podre?

Fariseus, hipócritas, cínicos, soberbos, malvados…

Acharam que Deus não nos ouviria.
.
.
Eles não se arrependeram.

Estamos na expectativa da DENÚNCIA do Ministério Público contra aqueles envolvidos no esquema de crimes (em tese) na elite da ICM.

Sei de algo que está roubando o sono até de meia-sola remendado que se droga para dormir: está na hora de alguns começarem a pensar que é melhor falar a verdade do que continuar como boi de piranha do palácio da rainha desfigurada (PRD).

http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/o-grilo-canta-na-carcaca/

Processo : 0016347-86.2013.8.08.0024 Petição Inicial : 201300559216 Situação : Tramitando
Ação : Ação Penal – Procedimento Ordinário Natureza : Criminal Data de Ajuizamento: 09/05/2013
Vara : VITÓRIA – 8ª VARA CRIMINAL

Distribuição
Data : 09/05/2013 17:53 Motivo : Distribuição por sorteio

Partes do Processo
Autor
MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO
Réu
GEDELTI VICTALINO TEIXEIRA GUEIROS
ANTONIO ANGELO PEREIRA DOS SANTOS
ARLINIO DE OLIVEIRA ROCHA
MARIO LUIZ DE MORAES
WALLACE ROZETTI
AMADEU LOUREIRO LOPES
ANTONIO CARLOS PEIXOTO
ANTONIO CARLOS RODRIGUES DE OLIVEIRA
JARBAS DUARTE FILHO
LEONARDO MEIRELLES DE ALVARENGA
CARLOS ITAMAR COELHO PIMENTA
SERGIO CARLOS DE SOUZA
JOSE ELOY SCABELO
RICARDO ALVIM MADELA DE ANDRADE
DANIEL AMORIM DE OLIVEIRA
DANIEL LUIZ PETER
PAULO PINTO CARDOSO SOBRINHO
WELLINGTON NEVES DA SILVA
URQUISA BRAGA NETO

Andamentos
13/05/2013 Autos concluso para despacho
10/05/2013 Autos recebidos em cartório VITÓRIA – 8ª VARA CRIMINAL
09/05/2013 Autos carga VITÓRIA – 8ª VARA CRIMINAL
09/05/2013 Processo Distribuído

CV.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/04/profetadas-e-revelagens-o-mal-esta-solto/#comment-53086

ATENÇÃO MINISTERIO PÚBLICO!!

As denúncias feitas aqui pelos irmãos não são meras invenções para atrairem a atenção e receberem alguma promoção. NÃO! NÃO!

Faz-se necessário uma maior agilidade nas investigações, antes que ocorra mais algum caso de morte súbita, por acidente, atropelamento, afogamento, incêndio, choque anafilático, assalto seguido de morte ou qualquer motivo outro que possa tirar de cena alguém que esteja sendo inconveniente.

E à pergunta: Judas, cadê o dinheiro?

E aquelas mortes na estrada de “evangelização”. O ódio fez mortes ali. Cadê a investigação?

E aquele artigo do CV marcados para morrer? Será que faz sentido? Muita coisa está encoberta nesse poço de iniquidades…

Hummm! Dinheiro nas mãos desses Judas….

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/01/judas-cade-o-dinheiro/comment-page-1/#comment-50412

comentamos os dois casos:

https://obramaranatarevelada.wordpress.com/2012/10/30/igreja-maranata-os-donos-da-obra-oferecem-2-000-000-de-reais-para-apagar-certas-pessoas-em-vitoria-e-vila-velha-no-es/

https://obramaranatarevelada.wordpress.com/2013/01/20/igreja-maranata-os-bandidos-ja-tinham-ido-embora-mas-a-ordem-veio-apaga-o-sinhorevelo-que-esse-assunto-e-proibido-tocar-perguntar-entao-nem-pensar-preservar-a-obra-e-a-ordem/

sangue na estrada da obra maranata

sangue na estrada da obra maranata

Morreu ontem o Pr Cesar Firme, ele era um dos investigados no escândalo da Maranata.

Segundo parentes ele foi fazer um exame chamado cateterismo e teve um infarto fulminante. Alergia ao medicamento injetado? Excesso de contraste? Ou será o que chamamos de super dosagem? Choque anafilático? Como e onde ocorre o choque anafilático?

Nos casos mais graves onde o paciente desenvolve dificuldade respiratória e choque circulatório, pode-se evoluir rapidamente para o óbito se não for tratado a tempo. Esses casos mais sérios de choque anafilático normalmente ocorrem após infusão de medicamentos por via venosa ou picadas de insetos. Pode ser mera coincidência mas todos os caixas pretas desse esquema corrupto estão morrendo de forma misteriosa. Lembrando o acidente do Pr. Julio Cesar, acidente Pr Joelson e agora Pr Cesar Firme morre ao fazer um exame. E não me venham dizer que isso é mão de Deus, justiça de Deus, porque Deus não é vingativo , Deus é amor. O que está por trás dessas mortes? Eram peças importantes no inquérito instalado pelo MP. Testemunhas importantes e morrem do nada! Tem que começar a olhar a lista dos arrolados nesse inquérito porque daqui a pouco vão morrer outros e essas mortes vão ficar assim sem explicação?

Os investigados desse esquema devem se preocupar porque as coisas estão muito esquisitas, mortes estranhas, pastores morrendo até em exames de rotina.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/11/a-falsa-uncao-gera-morte/#comment-49928

leiam também:

http://xa.yimg.com/kq/groups/15415145/1609510290/name/Procedimento+Adm+PES.pdf

A QUEM POSSA INTERESSAR

Lemos na reportagem de 26/11/12:

“Agora, o Ministério Público segue com as investigações através do depoimento de testemunhas, eventuais colaboradores e membros da Igreja que tenham informações de irregularidades na gestão. Foram notificadas 26 pessoas para prestarem esclarecimentos a partir dos próximos dias.

Outros colaboradores que quiserem auxiliar nas investigações podem entrar em contato com a instituição por meio dos promotores de Justiça do Gaeco, ou pelo telefone 127, da Ouvidoria do MP-ES, que recebe denúncias sem a necessidade de identificação.”

http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2012/11/mp-es-analisa-documentos-da-igreja-maranata-e-notifica-testemunhas.html

DENUNCIE casos de dinheiro de dízimos desviado para contas em nome de pastor; casos de aquisição irregular de imóveis em nome de esposa, mãe, filha, genro ou enteado de pastor da maranata.

Denuncie. Este é o momento. Nesta semana 4 (quatro) casos chegaram aos meus ouvidos e aconselhei os interessados a DENUNCIAR.

Denúncias ao MP-ES podem ser feitas no site ou através de telefone.
http://www.mpes.gov.br:8080/ouvidoria/portal/contato.html

E mais: inclusive, informações sobre morte suspeita de algum pastor da ICM/PES, devem ser levadas às autoridades.

Leve em consideração que o poço de iniquidades foi destrancado e não tem fundo http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/02/poco-de-iniquidades/

O sigilo está garantido. Acesse o site do MP-ES, como indicado, e faça a opção pelo anonimato, caso entenda necessitar desta proteção.

CV.

post em: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/12/bando-de-fariseus/#comment-49237

Se vocês tivessem idéia de quantos membros da ICM (Pastores e diáconos, inclusive) acessam este blog diariamente, ficaria surpreso! E o pior é que só fazemos isto porque somos impedidos (psicologicamente) de expressarmos nossa opinião ou comentarmos sobre os fatos dos últimos dias.

Deus nos deu a mente pensante, mas a Maranata tem nos tirado isto.
Todos os membros foram convocados pelo próprio presbitério a realizar 3 dias de jejum em favor sabe de que? “DA OBRA NO BRASIL E EXTERIOR (JEJUM REVELADO POR DEUS).”.

Estranho, pois não recebí nenhum comunicado para jejuar quando houve o escândalo da RENASCER EM CRISTO ou da UNIVERSAL. E olha que o crime deles foi bem menor hein… apenas evasão de divisas.

Será que Deus só revelou este jejum por causa da Maranata?
Aliás… isto nos faz voltar a usarmos nossa mente pensante dada por Deus… será que a Maranata é a OBRA? Afinal… a OBRA não é perfeita?

Obs: Coloquei meu nome (nesta resposta) como “Membro ICM” porque, com certeza, eu seria expulso da Igreja se fosse identificado.

Publicado por um irmão identificado como Membro ICM emhttps://obramaranatarevelada.wordpress.com/2012/12/03/igreja-crista-maranata-toda-a-cupula-da-igreja-crista-maranata-incluindo-seu-presidente-gedelti-gueiros-foi-afastada-e-esta-proibida-de-entrar-nas-areas-administrativas-da-insti/#comment-4341
.
.
Irmãos, não posso esconder a minha imensa alegria em ouvir esse depoimento desse irmão, que tudo indica ainda está na icm.

 igreja cristã maranata - Louvado Seja o Nome do Senhor! O canto da sereia não embala mais a muitos!

igreja cristã maranata – Louvado Seja o Nome do Senhor! O canto da sereia não embala mais a muitos!

Os que me conhecem sabem que não desejo desestruturar ninguém, muito menos ser mentor de jogar à deriva uma família inteira, que pode ficar sem saber onde ir, mas primo mesmo incessantemente, pelo ESCLARECIMENTO da verdade dos bastidores dissimulado da seita, e o que esse irmão declarou é o objetivo claro alcançado!

.

Louvado Seja o Nome do Senhor! O canto da sereia não embala mais a muitos!

.

Que muitos membros icm tenham as conclusões simples e claras, como as desse irmão!

A Paz do Senhor Jesus a todos!

Alandati.

fonte: http://diganaoaseita.wordpress.com/boca-na-trombeta/#comment-1841