Posts com Tag ‘doutrina’

As palavras do FUNDADOR e ÚNICO dono da seita maranata! Enfiando a doutrina do medo nos corações de quem procurava Deus… caíram na conversa do anti-cristo! caíram no papo do adversário, do anti-cristo…

A força de Jesus Cristo está no AMOR e não no medo ou temor e Ele!

Palavras de Gedelti Gueiros. E ainda dizem que murmuramos?

icm-terror-psicologico from A Marques on Vimeo.

“O temor é aquilo que nós temos hoje de não falar das coisas que o Espírito Santo está fazendo. Nem censurar as pessoas, muitas vezes. que estão no nosso meio, numa operação, numa orientação que o Senhor dá as vezes ao presbitério, para uma igreja, para um grupo… as pessoas sabem que não podem se levantar (contra), por que estão se levantando contra uma determinação do Espírito Santo e isto é muito sério! É preciso temor! Para que nós aprendêssemos o que era temor, nós vimos as lutas se travar(em). Nós vimos as pessoas se levantar(contra), entenderam? abrir a boca… entenderam?…. E foram estraçalhadas, estraçalhadas no trânsito e tantos, tantos cantos. Pessoas que abriram a boca, os urubus comeram a carne deles. Ficou dez dias exposto no meio mato e quando foram ver não tinha mais nada, os urubus tinham comido. Nós tínhamos visto isso isso e quando nós vimos isso nós entendemos uma coisa, é que aquilo era para nós. Nós é que merecíamos aquilo. Nós presenciamos uma pessoa que eu nunca vi isso na vida, nunca tomei conhecimento….uma pessoa morrer totalmente ‘bichada”, bichada! …..na Santa Casa de Misericórdia, em Vitória. Bichada!bichada! de ninguém poder chegar perto, nem médico, nem ninguém chegar. Bicho comendo o “cidadão”. Abriu a boca contra a Obra do Espírito. Foi desse jeito que aprendemos a ter temor.”

seita icm – isso é que se aprende nos campos de concentração da seita – nos maanains da maranata – debochando das crianças e deixando as mães escravas cheias de medo por “desobedecer” a uma revelação do $inhô

MINHA EXPERIÊNCIA NA ICM

Minha experiência na ICM

Minha experiência na ICM

Fui membro da ICM, Igreja Cristã Maranata, por mais de 20 anos. Eu sempre acreditei no ensinamento transmitido de que a ICM era a “obra” do Espírito Santo, perfeita e única. Eu até admitia que outras denominações pudessem ser sérias, mas obra igual à ICM não existia. Eu, assim como todo bom icemita, sentia grande orgulho e privilégio por pertencer à obra.
Apesar dos crimes, prisões e muitas informações sobre diversos atos desonestos, eu acreditava que eram falhas humanas, independentes da “obra”, e seriam corrigidas pelo Espírito Santo. Falhas passíveis de acontecerem em qualquer outro lugar. Era um absurdo sair da igreja ICM por causa de erros do homem, afinal, Deus não erra.

Sempre ocorreram crimes contra a moral e dignidade de alguns membros que eram humilhados por erros insignificantes comparados hoje aos da cúpula: presidente da obra e subordinados. Foi então que o desvio de milhões de reais em dízimos e práticas de tantos outros crimes, somados ao descaso no tratamento do presbitério para com a igreja começaram a fazer a diferença.

A falta de clareza, mentiras, prisões e tantos atos ilegais e desleais para com o rebanho, fez com que a igreja ficasse fria. As pregações passaram a não alimentar espiritualmente. Igrejas vazias de pessoas e de Deus. Assim sendo, passei a assistir a cultos e mensagens na internet e televisão. E não sou a única, muitos membros seguem defendendo a igreja, mas, de tão vazios, ficam se alimentando de pregações em casa, quer pelo youtube ou televisão. Desdenham as demais igrejas, mas é nelas que encontram alimento, só que escondidinho, dentro de casa, mas não assumem a carência espiritual. Estão todos desnutridos e anêmicos espiritualmente, mas o medo e a soberba não os deixam sair da “obra”. Se colocar a obra acima de Deus não for idolatria, os adoradores de ídolos estão todos absolvidos deste pecado.

Alguns pregadores da ICM andam fazendo plágio de pregações de outras denominações. Eles assistem na internet e copiam, depois pregam como se fossem revelações. Estou falando por conhecimento de causa. Eles ouvem e fazem um resuminho mais “chué” porque não precisam pregar mais que 15 (quinze) minutinhos. Mesmo assim, fica o vazio, porque diante de todos os últimos acontecimentos escandalosos, a alegria do Espírito Santo não se faz presente verdadeiramente. A gente vê sorrisos, mas alegria não. Virou sepulcro caiado, infelizmente. Vivi isso.

Comecei a me alimentar de um banquete maravilhoso fora dali e descobri que a ICM é uma igreja soberba e faz com que seus membros também o sejam ao desprezarem outras denominações, acreditando serem os melhores e apenas a Maranata reter o evangelho genuíno. Mentira. A verdade é que a Maranata prega um evangelho egoísta.

Comecei a conhecer verdadeiramente o evangelho e o cuidado que as outras denominações têm com seus membros, incluindo aqueles que caem e são ajudados para que se ergam na caminhada e sejam restaurados por Deus. Isto é amor, é a igreja sendo hospital, cuidando dos enfermos e proporcionando cura física e espiritual.

A ICM funciona mais como tribunal e pisa naqueles que apresentam qualquer enfermidade espiritual, afastando estes do meio da igreja e condenando-os a um castigo sem fim. Nunca mais esquecem os erros de seus membros, mas julga e condena. E o tribunal, que é o presbitério de onde vêm todas as orientações, é composto por ex-presidiários, experientes na arte de pecar: Hipocrisia.

Por ter vivido muitos anos na ICM, conheço a dureza do coração da cúpula ao tratar irmãos humildes. Quando estes cometem algum deslize são massacrados para que sirvam de exemplo para o rebanho. Irmãos com maior recurso financeiro e influência recebem tratamento mais misericordioso. Por estes os maranatas oram e afirmam que não podemos julgar, mas deixar o Senhor Deus tratar com eles conforme sua vontade. Um bom exemplo são os próprios membros da cúpula, presidente e subordinados, que foram denunciados, presos, respondem a processos, serão julgados, e ninguém os afasta de suas funções na igreja. Hipocrisia.

Resolvi pensar. Então eu me interessei pelos discursos daqueles que saíram da igreja afirmando que muito da doutrina é heresia. Ouvi os retirantes, li textos na internet, conferi na Bíblia e concordei, à luz da Palavra, saí. O principal motivo de minha saída da igreja foram as heresias.

Aceitar erros do homem, até aí tudo bem, mas aceitar erros na doutrina que não condiz com a Bíblia, jamais. Deus tem que estar em primeiro lugar e não os interesses administrativos da igreja que usa normas para escravizar, manipular, controlar seus membros na doutrina do medo e uso de falsos dons, além de ensinamentos distorcidos sempre que convenientes. Não podemos negar a Bíblia, ela é nosso manual de vida, é a boca de Deus. Jamais poderei deixar Deus e amar a “obra”. Escolhi Deus, saí por causa da doutrina herética, soberba, sectarista, evangelho egocêntrico e sem amor, desonestidade…

Você pode não querer saber ou sentir medo de saber. Descobrir que fomos enganados, que vivemos uma mentira, traz muita tristeza, insegurança, medo, decepção. Dói.

Fomos treinados a acreditar que a Igreja Maranata é única e que fora dela não há vida. Um rebanho adestrado para acreditar no que o presbitério ordenar.

Saí. Lá não é obra de Deus. Quando se coloca Deus em primeiro lugar, não se consegue ficar sendo fiel à obra, isto é idolatria pura. Por ser fiel a Deus e sua Palavra, saí da ICM.

Enquanto o seu Deus for a obra e você amar a obra, você sentirá medo e permanecerá infeliz na obra que causa vergonha e dor. Aqui fora, além das grades da Igreja Maranata, todos sabem e comentam sobre seu evangelho egoísta, mas você leitor(a) maranata não sabe porque vive enclausurado nesse sistema e sua visão não vai além do que lhe é ensinado aí dentro. Os membros da ICM usam vendas e nem percebem.

O dia em que você abandonar esta idolatria de obra e olhar para Jesus, você vai fazer a mesma descoberta de Jó. A Bíblia diz que Jó era um homem justo, íntegro, temente a Deus, cumpridor da lei. Eu imagino que você também seja uma pessoa boa e com as melhores intenções em servir a Deus, assim como Jó. Mas mesmo com todas essas qualidades, Jó afirma que só conhecia Deus de ouvir falar. Somente depois de muitas dificuldades, grandes perdas e dores, foi que Jó conheceu a Deus de verdade.

O Presbitério da Igreja Maranata teve 45(quarenta e cinco) anos de oportunidade para se arrepender de seus pecados. Deus não habita no meio de mentiras. Então, o Espírito Santo está mostrando a verdade para libertar este povo dessa prisão maligna de mentiras. Aproveita este período de grandes perdas e dores na igreja Maranata, quando o Espírito Santo está trazendo à tona todo pecado e sujeiras que estavam ocultos aos membros, pecados praticados pelo presidente e subordinados desta igreja que se denomina “obra”, para receber esta bênção de Jó:

“Eu te conhecia só de ouvir falar, mas agora os meus olhos te vêem.” (Jó 42:5)

Foi exatamente o que aconteceu comigo. Vivendo no meio de crimes, heresias e mentiras, não tem como conhecer verdadeiramente a Deus, ainda que sejamos bons. Como o Espírito Santo vai operar nesse meio sujo? Mas ele ainda opera sinais. Podemos perceber o Espírito Santo operando dentro da Igreja Maranata com grande poder para mostrar os pecados dos administradores, as mentiras, os crimes, a sujeira escondida, a prisão. A ICM segue perdendo números incontáveis de membros e causando profundas dores aos que passaram por ela ou que ali permanecem presos por medo, ingenuidade ou soberba.

Não se sinta criticado. Os membros são, em sua maioria, pessoas idôneas e sinceras, mas o sistema é o que está falido no pecado por culpa dos maus administradores. A culpa não é sua. Você só será culpado se, mesmo sabendo da verdade, permanecer conivente.

Todas as bênçãos que recebemos vêm de Deus e não da igreja ou de pessoas. Não se prenda ao lugar por ter sido abençoado ali. O Deus abençoador não habita em templos feitos por mãos de homens. Deus habita dentro de nós. Somos templos do Espírito Santo. Não se sinta preso à denominação. É Deus quem abençoa.

“E, assim, o Senhor abençoou o último estado de Jó, mais do que o primeiro;…” (Jó 42:12)

Deus abençoe sua vida!

Texto enviado inbox

fonte: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=678942952168240&set=a.464938910235313.115008.464934880235716&type=1

“DOUTRINA QUE DESTRÓI”

a menina viva da maranata

a menina viva da maranata

Entrei para a Igreja Cristã Maranata ainda adolescente. Certa vez houve um dom onde Deus falou que, “antes que nossas crianças se tornassem adultas, Jesus voltaria.” A sensação era de que seria brevíssimo porque aquelas crianças se tornariam adultas dentro de poucos anos, inclusive eu. Então, uma irmã me disse que era bobeira eu estudar porque Jesus ia voltar breve e que o ideal seria terminar o 2º grau, casar e viver tranquila, com uma vida mais simples.

Atualmente, a ICM diz que estudar é importante, mas as leis também mudaram: CF/1988, art 205: “A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.”

A ICM prega que a qualquer momento seremos arrebatados, Jesus voltará, até aí tudo bem, mas fazem de modo que a vida no mundo se torna sem importância. Passamos a abrir mão da vida em nome do céu. Parecido com a vida dos homens-bombas que se matam acreditando que herdarão um paraíso com lindas mulheres virgens para os servirem e suas famílias recebem um prêmio aqui na terra pelo reconhecimento do “ato de fé” destes homens. Creio na vida eterna com Deus sim, mas não significa viver infeliz aqui para ser feliz apenas no céu. A própria Bíblia diz que Deus não tem prazer na nossa dor.

Obedecer não é difícil na Maranata porque é incutido o medo de perder a salvação, ficar doente, canceroso e morrer com muito sofrimento ou viver sofrendo pelo pecado da desobediência. É a doutrina do medo sim. Dizem que a internet é coisa do inimigo e os pobres membros são anestesiados para não conhecerem a verdade sobre esta seita.

seita maranataq

seita maranata

Dom para namorar e terminar é frequente. Outro costume da ICM é namorar e casar rápido. Ninguém pode ficar namorando muito tempo para não dar lugar à carne. Daí, comecei a namorar adolescente e rapidinho fiquei noiva e veio um dom. No dom era revelada a data do meu casamento. Aconteceu que, no período de noivado, me interessei por outro rapaz, mas imaginei que era da carne porque Deus já havia revelado a data do meu casamento, sendo assim, meu noivo era o meu escolhido. Em obediência ao dom, pensando ser atitude agradável a Deus, não terminei, casei com quem eu imaginava ser meu escolhido, apesar de grandes tumultos que envolveram a relação e que não há como detalhar aqui. Obediente, passei a ignorar, até repudiar o rapaz por quem me interessei por concluir que não era de Deus. Meu marido é um homem muito bom, isso é fato, apesar de saber que a gente não se casa com ninguém apenas porque a pessoa é muito boa. Na verdade, eu me casei muito nova, imatura para assumir uma relação tão séria. Interessar-me por outro já mostra minha insegurança e falta de maturidade, e não, necessariamente que eu amava outro, mas que aquela minha relação estava ainda imatura, eu era nova demais e não sabia o que era amar. E com a ajuda da igreja, vivi muitos anos sem pensar. A Maranata faz isso com seus fiéis, pensa por eles e conduz a vida de seus membros com doutrinas heréticas e promessas de bênçãos e maldições.
Atualmente casada, saí da igreja ao descobrir as heresias, mentiras, crimes, hipocrisia, pois a cúpula da igreja exige uma santidade dos membros e vive à parte do que ensinam. A igreja se tornou uma empresa, com direito à profissional para desenvolver estratégias de marketing. Passei a perceber que faltava o fruto do Espírito Santo no meio da igreja. Muitas pessoas vivem com vergonha de admitir que estão infelizes e com suas vidas destruídas sem poder se livrar dos fardos e jugos extremamente pesados. Na Maranata, se algo não vai bem, a culpa é da pessoa que deve buscar mais ao Senhor, orar mais, jejuar mais, madrugar mais, limpar igreja. Quanto mais sofrimento, melhor para a igreja, pois estão todos trabalhando para a obra em troca de bênçãos. E vão colecionando infelicidades e insatisfações até chegar ao céu.

Os membros da Maranata, por acreditarem que são especiais por viverem a “obra” em sua perfeição, acabam por, inocentemente, tornarem-se soberbos, pelo orgulho que sentem de serem um povo privilegiado. É uma lavagem cerebral tão grande, meu Deus, fala-se tanto em obra que esquecem de Jesus. Quando eu ainda estava lá dentro eu não entendia porque as pessoas falavam tão mal de uma igreja que eu acreditava ser tão boa, correta, séria, obra perfeita. Na ICM não é admitido sair da igreja e ir para outra porque nenhuma igreja é melhor que a Maranata. O discurso é: “Se algum dia eu sair da obra, eu fico em casa, porque não há obra(igreja) como esta.” E não há mesmo. Uma obra que robotiza as pessoas, fanatiza, tira toda visão, exclui da vida social, coloca fardo, discrimina, e, pior, a pessoa não percebe, como quem está apaixonado por um bandido e não vê seus defeitos e crimes. Agem em nome de Deus, usam Bíblia. Se você entra em um templo, já viu todos, é uma perfeita lavagem cerebral, tudo no tijolinho e telhadinho, com jardins de inverno que transmitem a paz da natureza, um “negócio da china”. Que inspiração é esta? Tudo uniforme, igualzinho, a mesma mentalidade, o mesmo comportamento, as mesmas palavras, “misericórdia”.
Não coloquei meu nome para não expor meu marido, mas quem vive na ICM sabe que é verdade, porque é exatamente assim que acontece. Vivi nesse sistema por longos anos.

desastre da heresia da igreja maranata

desastre da heresia da igreja maranata

Quanto ao meu casamento, vivo bem e quero o melhor para nosso lar. Deus tem abençoado e vai restaurar meu lar dessa divisão que a seita causou. A Maranata destruiu minha juventude e eu não saí da Maranata para destruir meu casamento, não há motivos para isso. Saí para Deus libertar o meu lar desta seita de malucos e viver o verdadeiro evangelho e é isso que eu busco. Agora é que comecei a viver. O rapaz que eu me interessei no passado está no passado. Não foi romanticamente falando “o homem da minha vida”, eu mal vivi, a Maranata não deixou. Fui prisioneira de um sistema maluco, maligno. Meu convívio era praticamente com maranatas. Aniversário de maranatas só dava maranatas e uns poucos familiares. Os familiares fora da maranata são deixados meio de lado em nome de cultos, reuniões, limpezas, ensaios, batismos, culto no lar, aniversário de irmãos… é a dinâmica da obra, não sobra tempo de convívio com quem não fala a mesma língua. E a vida passa sem ser vivida. Mas esta postura é dos fiéis à igreja, porque os que deixam a igreja para segundo plano sofrem críticas pelas costas e são desprezados.

Muitos estão querendo viver a liberdade e alegria plena com o Senhor e possuem seus familiares presos a esta seita. Muito triste. A ICM diz para os seus membros que fora da igreja só há morte, mas acreditem, fora da Maranata há muita vida, há muitas igrejas abençoadas, banquetes de bênçãos. Não me alegro do pecado da Maranata, amo os irmãos que deixei lá, por isso mesmo não posso deixar de contribuir para que pessoas sejam libertas, Jesus morreu para que fôssemos livres e vivêssemos uma vida de bênçãos ainda nesta Terra:“E ouvi outra voz do céu, que dizia: Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas.” Apocalipse 18:4.

Eu saí da ICM para viver, estou construindo uma nova vida com Jesus, e daqui há uns anos vou olhar para traz e ver que a minha história foi reescrita por Deus. Tudo que vivi de ruim até aqui é a base para minha nova construção que já começou e me faz muito feliz com o Senhor Jesus! Depois de tudo que passei valorizo muito mais o amor de Deus por mim, eu sou livre!

Texto enviado inbox ao Desperta, Crente.

fonte: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=641844835878052&set=a.464938910235313.115008.464934880235716&type=1&theater

icm doutrinas e heresias da igreja maranata

icm doutrinas e heresias da igreja maranata

Não tenho nenhum interesse em denegrir nenhum segmento religioso, porém achei justamente a resposta deste tópico na WEB. Não quero que acreditem “de primeira mão” nesta lista, mas devem se aprofundar mais, quem tiver mais interesse em saber a verdade, para isso acessem: http://seitamaranata.blogspot.com/.

LISTA DE DOGMAS E HERESIAS (da ICM)
1. Utilização sistemática e fundamental da Bibliomancia
(de olhos fechados, abre-se randomicamente um livro, e a esmo ler um
fragmento de um texto ou versículo, dependendo do teor, positivo ou
negativo, se obtém a resposta – chamada pela Denominação de “consulta à
palavra”). É o meio pelo qual utilizam para resolver questões, dúvidas
e obter direções para áreas da vida pessoal (profissional, espiritual e
sentimental); bem como é o meio que usam para “consultar a Deus” sobre
a procedência de dons espirituais (visões e revelações); e, por fim,
para tomar conhecimento se “Deus” aprova ou reprova determinada decisão
administrativa da Denominação;
2.
A dogmatização de uma frase, isto é, transformando em reza, chamada
“clamor”, a qual consiste em iniciar orações petitórias recitando,
fundamentalmente, a frase Clamamos pelo poder do sangue de Jesus.
Toda atividade iniciada com uma devida oração é obrigatório o recite de
tal reza anteriormente, seja espiritual, profissional, seja nas
dependências da instituição ou não, enfim, sob pena de Deus não atender
à oração, abençoar atividade ou o pedido que estar a ser feito –
justificam. Esquecendo ou ignorando tal frase, imediatamente, o orador
é interrompido por um membro atento, o qual, então, recita a reza
devidamente; porque, assim não recitando tal frase, a igreja ou, se for
o caso, o membro, não foram purificados dos pecados, logo, não irão ser
abençoados ou não estarão aptos para realizar o que, afinal, estejam a
fazer em nome de Deus;

3. O Culto-Profético
consiste no “momento de busca” a Deus sobre as revelações e visões a
respeito das necessidades do subseqüente culto principal. A composição,
geralmente, é de 05 membros ou mais, permissivo somente àqueles que são
batizados na Denominação, ou que já fizeram o “Seminário de
Principiantes”. É realizado 30 minutos antes de todos os cultos, e
perdura comumente 15 minutos. Revelações são dadas com caráter
adivinhatório para saber quem, como e por que a pessoa, normalmente
visitante, estará no culto principal, por meio do qual, no final,
sempre o Senhor (ou um anjo) supostamente dá a benção à pessoa que fora
objeto do dom espiritual. Por revelação, também, determinam quem serão
os “varões” que ministrarão o louvor e a mensagem. Visões são dadas com
cunho metafórico e também adivinhatório, seguidas pela interpretação
dos ouvintes, que eles chamam de “discernimento da visão”, as quais
também são a respeito de visitantes ou membros que estarão no culto
principal;

• A Consulta dos dons
(visões e revelações) é realizada, fundamentalmente pela “consulta à
palavra” (Bibliomancia), pela qual, apresentado o dom, alguém presente
no culto-profético se levanta e recita o “clamor”, logo em seguida 03
consulentes abrem as suas Bíblias, e cada um ler um versículo, revelado
a esmo. Segundo eles, dependendo do teor dos versículos, obtém-se a
resposta da procedência dos dons espirituais, na melhor das 03
leituras. Por exemplo, se dois lidos tiverem teor positivo e um
negativo, é “amém”, o Senhor aprovou, e vice-versa;

4. Imposição indireta (“revelações”, “sonhos”, “conselhos” – chantagem para realizar certas atividades), de Usos e Costumes:
Homens devem está sempre com o rosto feito, com exceção do bigode que é
permitido; bem como, em regra, é impelido o uso de roupa formalista;
Mulheres devem, expressamente, se ataviar apenas com vestidos e saias,
e, alguns casos, o uso de certos adornos como brincos de argola são
proibidos. Os membros só são considerados espirituais, “na revelação”,
obedientes a Deus, conseqüentemente, postos como opções para atividades
e funções na Denominação se, e somente se, estiverem e seguirem
piamente com tais conformes;

5. O Batismo nas Águas
só é permitido caso o membro seja aprovado por Deus – “Se o Senhor
permitir” -, através da revelação da “consulta” (Bibliomancia)
realizada pelo “Grupo de Intercessão” (composto por membros
considerados, aparentemente, os mais espirituais da igreja local).
Deus, segundo eles, revela a tal grupo que determinado neófito está
apto ou não para “descer às águas”. Caso Deus aprove, será batizado;
caso contrário, aguardará alguns meses até ser, novamente, submetido à
“consulta” quando for período de batismo;

6. O Batismo no Espírito Santo
é feito de modo similar ao anterior, mas agora de forma particular pela
Bibliomancia. No final do “Seminário de Principiantes” os neófitos
presentes são convidados a realizarem a “consulta”, com o “clamor”
antes devidamente recitado, a fim de obterem a “resposta de Deus” se
eles, cada um dali, receberam o “Batismo no Espírito Santo”. Em caso de
passarem pelo crivo da Bibliomancia (versículo com teor positivo),
estarão aptos para ir aos próximos seminários; caso contrário, terão
que aguardar um tempo, em espera ao próximo “Seminário de
Principiantes” para repetir tal alto, para assim, quem sabe, ser
finalmente “Batizado no Espírito Santo”. Frisa-se que a reprovação do
neófito nesse “Batismo”, de antemão, já o proíbe automaticamente de
“batizar nas águas”;

7. Espiritualização ou veneração de objetos, tais como, arranjos de flores, o púlpito e o terno e gravata usados pelos que possuem cargos eclesiásticos:

• O Púlpito
só pode ser utilizado por homens; já que mulheres quando pregam à
igreja, em “culto de senhoras”, há de ficarem ao lado do púlpito, sem
jamais ministrar sobre ele, deixando-o vazio. Frisa-se, também, que ao
iniciar o culto, recitando o “clamor”, é devido que todos estejam
prostrados em direção ao púlpito, logo, é proibido que algum membro dê
às costas a ele; e ainda que ninguém esteja sobre Púlpito, no caso, em
“cultos de senhoras”, é determinado que a senhora que ministrará a
palavra, ajoelhe-se voltada para ele. Também, homens que exercem o
cargo de “obreiro” que no passado foram divorciados, seja antes ou
depois da conversão em Cristo, não importa, jamais devem subir a
púlpito;

• O Arranjo de Flores
é expressamente obrigatório para o processamento dos cultos, reuniões e
aulas nos templos e auditórios; o qual deve ser montado somente com
flores ou rosas naturais, sob a justificativa de agradar a Deus,
proibido, assim, o uso das artificiais; bem como é terminantemente
proibido qualquer pessoa da igreja tocar no Arranjo de Flores, pois,
segundo eles, é uma tarefa revelada por Deus para que somente
determinadas senhoras da igreja possam tocá-lo, ordená-lo e prepará-lo.
O mesmo vale para a toalha que fica sobre o púlpito;

• O Terno e Gravata
é traje eclesiástico obrigatório, pois alegam que obtiveram uma
revelação de Deus de que ao se ataviarem com requinte perante as
autoridades seculares, assim também, devem fazer perante a Autoridade
Divina, por isso, só quem pode subir a púlpito em cultos principais são
pessoas devidamente trajadas de terno e gravata;

8. A Idolatria
é vigorosa, mas muito sutil e imperceptível pelos membros; veneram,
espiritualizam e estimam exarcebadamente os patrimônios da Denominação,
como “santos” e “sagrados”, dignos de serem depositados sobre eles até
mesmo amor; inclusive, se preciso, em detrimento do ser humano,
do próximo. Segundo eles, toda a arquitetura desenhada, a estrutura e
os locais onde são erguidos são provenientes de revelação de Deus,
inclusive a mobília segue, também, um padrão estabelecido pelo Senhor
Jesus. Ressalte-se que por serem tão “sagrados”, a rigor, é proibido a
entrada de pessoas inadequadamente mal trajadas (informais e
intrigantes), como maltrapilhos, homens de bermuda e camiseta,
travestis etc;

• Os Templos
são considerados e espiritualizados como a “Casa de Deus”, como é no
judaísmo e no catolicismo, por isso devem os membros demonstrar todo
amor, cuidado, apreço e zelo por ele; com efeito, se portando com
extrema reverência e seriedade para não cometer algum sacrilégio; até
mesmo quando não estiver havendo atividades neles;

• Os Maanains,
sítios onde membros se isolam da civilização para receberem
doutrinamento, são estimados como lugares separados por Deus aqui na
Terra para o adorarem, é considerado como “um pedacinho da eternidade”,
“onde a Obra tem mais alcance” e “onde Deus fala de forma especial”;
por isso é expressamente proibido adentrarem homens vestidos de bermuda
(ainda que estejam a trabalho de limpeza e manutenção) ou barbado, ou
mulheres de calças compridas ou bermuda, pois é um lugar “santo” e
“sagrado” que deve ser respeitado e reverenciado. Por ser um lugar
“separado por Deus”, alegam que é muito comum anjos e querubins serem
vistos caminhando e sobrevoando por lá, afirmam;

9. O Fundamentalismo
de proibirem em orações a Deus expressões como “Paizinho”, “Papai do
Céu”, “Muito Obrigado” e “Obrigado”, uma vez que não há tais palavras
na Bíblia, não se devem proferir – justificam. Bem como, é considerado
falta de respeito dirigir-se a Deus de tal modo, alegam que é “chulo”.
“Eu te amo Jesus!” e derivadas, também, é uma expressão em oração
proibida, pois a reputam como carnal e emotiva, logo, Deus não aprecia
essa forma coloquial e informal de dirigir-se a Ele;

• Esportes e Lazer não
são algo naturalmente aceito pela Denominação, antes são vistos como
algo inclinável à libertinagem. Praticar atividades como musculação,
trilha, ciclismo, corrida, natação e ginástica são rigorosamente
reprováveis pela liderança e membros fundamentalistas. Alguns
raríssimos ministérios, porém, não abominam, mas também não vê com bons
olhos, mas sem farisaicamente acusar como pecador o praticante. Já
esportes ditos radicais (surfe, skate, patins etc.) taxativamente são
abomináveis. Alegam que pelo fato dos praticantes possuírem posturas
irreverentes, logo, não condiz que um servo adote tal esporte.
Inclusive, profissionais e competidores desses ramos são, jeitosamente,
induzidos a abandonarem tais atividades, uma vez como membro;

• Artes
em geral são consideradas como “opressão”. Cinemas são terminantemente
proibidos pela liderança da Denominação, alegam que é sentar-se com
escarnecedores, embora, intrigantemente, em restaurantes não inclinem
para tal conclusão. Teatros, por sua vez, são endemoninhados duas vezes
mais, sendo alvos em aulas e pregações;

10. O Exclusivismo
é gritante, visto que, segundo eles, o fundador de sua Denominação foi
o próprio Jesus Cristo, mediante uma revelação extraordinária a 06
dissidentes presbiterianos que receberam o Batismo no Espírito Santo na
década de 60. Essa revelação consistia em estabelecer novamente o Corpo
de Cristo, segundo eles, perdido há tempos, vivido tão-somente no
período da Igreja Primitiva, pois foi extirpado durante o Romanismo e o
Protestantismo. Reputam ser os únicos que exercem plenamente os noves
dons espirituais (se prendendo aos mencionados em coríntios), enquanto
as demais Denominações carecem de alguns ou abominam todos, por isso se
autointitulam de a “Obra Revelada” ou “Obra Maravilhosa”, muito comum,
também, proclamarem, quando isolados, “a Obra é filho único” ou a
“Igreja Fiel”;

11. A Intolerância Religosa
é aberrante, consideram que todas as demais denominações estão
contaminadas com pragas desse mundo, motivo pelo qual as definem como TradiçãoMescla e Movimento, ou, simplesmente, a Religião.
Rotulam os membros das demais denominações de “primos”, “amalequitas”,
“bodes”, “filhos de Baal”, “religiosos” etc. Apregoam que se associar
com qualquer um que professe uma fé cristã que não esteja sob o domínio
do Presbitério (PES), ou seja, que “não é da Obra”, é taxativamente,
segundo eles, praticar o próprio “Ecumenismo”;

12. O Sectarismo
é intenso, pois não permitem que membros engajados à Denominação sequer
possam visitar outros grupos religiosos, por mais que tais grupos sejam
sérios e compromissados com Deus; logo, coíbem o relacionamento
afetivo, a fraternidade corriqueira e casamentos de seus adeptos com os
de outras Denominações. Afirmam que “Namoro só na Obra”, “Amizade só na
Obra” e “Confraternizações só na Obra”. Até mesmo casamentos, batismos,
confraternizações ou ordenações de ministério de parentes e conhecidos
em outras Denominações, são seus membros compelidos expressamente de
não irem;

13. O Proselitismo
é bastante suscitado, uma vez que se consideram os únicos detentores da
plenitude e da ciência real e verdadeira do Espírito Santo, motivam
seus membros “a pescarem nos aquários dos outros”, segundo eles, com o
fim de os libertarem do “cristianismo falido” ou da “religião”. Sim,
generalizam tudo e todos. Convidam evangélicos de outras Denominações
para lhes visitarem, inclusive pastores, mas é proibido aceitarem
convites de outros grupos;

14. O Autoritarismo
é vigoroso de tal modo que pastores e “ungidos” (cargo logo abaixo ao
de pastor) são acobertados pela aura da “unção”; dessa forma, jamais
podem ser questionados, discordados e desobedecidos, sob pena do
desobediente incorrer ao pecado de “tocar nos ungidos do Senhor”. Ainda
que digam que são pastores de Jesus, seu poder é fundamentado no
sacerdócio veterotestamentário, pois são postos como mediadores entre
Deus e o povo, cujas palavras, ordenanças, enfim, a sua autoridade são
embasadas em “revelações”, “visões”, “sonhos” e “profecias” de Deus
sobre a vida alheia. Na prática, portanto, os pastores da “Obra” são
como “canais” ou mediadores entre Deus e a igreja;

• A Cobertura Espiritual,
então, é doutrina da Denominação. Pessoas são diretamente subalternas e
subservientes ao pastor da igreja local, tendo que sempre se
justificarem para eles das suas decisões de faltar o culto ou outra
atividade; bem como sempre pedindo seu aval em viajar com a família,
evangelizar, realizar determinados cursos em hora de atividades da
igreja etc. Namoros e casamentos, também, só serão aceitos se passar
pelo crivo do pastor, posteriormente, sua permissão. É muito comum
namoros serem terminados por ordens de pastores, e casamentos serem
proibidos por eles, sempre embasados supostamente em revelações de
Deus. Em alguns ministérios, namoros e casamentos ainda são feitos por
revelação de algum pastor, prática dogmatizada no passado pela
Denominação; mas o Senhor, hoje, revogou – justificam;

15. O Totalitarismo
é extremado, haja vista que as suas “unidades locais” (assim
denominadas, e não igrejas) espalhadas por todo o país e mundo estão
plenamente subordinadas e subservientes aos quereres e ordens do órgão
central da igreja, o Presbitério; o qual é absurdamente centralizador.
Não há respeito pela individualidade e liberdade para o ministério
local, tampouco há para com as necessidades da igreja local. Todos
devem seguir pragmaticamente o modelo, as determinações e as ordens
estabelecidas pelo Presbitério, pois, segundo eles, Deus é quem governa
a igreja e usa tal órgão como seu representante. Mensalmente todas as
“unidades locais” se reúnem para receberem doutrinamento do
Presbitério, não pelos seus pastores locais, mas pelos 07 presbíteros
do órgão central, mediante videoconferência;

16. O Absolutismo
é um apoio ao Autoritarismo e ao Totalitarismo, dado que para eles
vingarem, é imperioso que os pastores e o Presbitério sejam acobertados
da infalibilidade. Sobretudo o Presbitério que jamais admite os erros,
sempre está certo, porque sempre age debaixo das ordens supostamente
reveladas por Deus para cuidar da “Obra”, e os pastores, a seu turno,
para cuidar dos membros das “unidades locais”;

17. Estabelecidos esses elementos governistas, a Hierarquia
está em voga, a qual é extremamente baseada na filosofia militar, cujos
cargos, seguindo a ordem crescente, são os membros, Professora, Senhora
da Frente, Obreiro, Diácono, Ungido e Pastor, Coordenador do Pólo,
Coordenador da Área, Coordenador Regional, Presbitério e o Presidente.
Na medida do grau hierarquia, a obediência deve ser demasiadamente
subalterna, baseada nas revelações de Deus e na “unção hierárquica” de
que cada cargo é acobertado, sob prejuízo de “tocar nos ungidos”;

18. A Censura
é um meio sempre utilizado para proibir os membros a terem contato com
literatura, alguns filmes, músicas em geral, ainda que sejam de caráter
cristão; também é coibido a busca de estudos bíblicos sistemáticos,
inclusive a Teologia Cristã é altamente discriminada,
ridicularizada e abominada pelas pregações da liderança da Denominação.
Por outro lado, apostilas, vídeos, áudios de pregações, álbuns musicais
da Denominação e livros de editoras das quais são vinculados, são
comercializados em Maanains e distribuídos entre os membros;

• O Orkut
é o meio que causa maior pavor ao Presbitério, pastores e membros,
porque nele se encontra a comunidade de ex-adeptos (pastores, ungidos,
diáconos, obreiros, senhoras etc.) – Já Fui Um Maranata – cujo conteúdo
é bastante similar a deste espaço. Por isso, segundo eles, Deus havia
revelado que o Orkut é uma arma do diabo para enganar os “servos da
Obra”, por isso decretou que nenhum membro tenha acesso a esse meio de
comunicação. E mais, segundo eles, a etimologia de Orkut vem do gaulês
que significa: Ork: Potro e Ut: Inimigo – Potro do Inimigo;

19. O Escravismo
é intenso. Toda a estrutura organizacional e administrativa da
Denominação é edificada por trabalhos voluntários, salvos algumas
exceções; bem como a manutenção de patrimônios fica a cargo dos
trabalhos dos membros. Fazem isso sob o pretexto de estarem “fazendo a
Obra”. Pois enquanto estão trabalhando para “Obra”, Deus está
resolvendo os seus problemas. Em regra, Grupos de Louvores e
Instrumentistas são submetidos a ensaios semanais rigorosamente.
Obreiros, diáconos, senhoras de frente, professoras, pastores
participam quase todo fim de semana de seminários, mutirões de limpeza,
reuniões, encontros de igrejas, sem deixar de se considerar as
presenças diárias na Denominação, nas madrugadas, ao meio-dia, e
rigorosamente à noite, para as suas atividades de culto;

20. Os Meios de Graça é uma doutrina que, depois da Bibliomancia, é a mais importante da Denominação. São 05 Meios de Graça: Madrugada [cultos às 06h:00min da manhã], Jejum [de sábado para domingo, rigorosamente, de 00h:00min até às 09h:00min; sim, parte do jejum é dormindo.(?)], Louvor
[somente os cânticos da Denominação são permitidos: são reputados como
revelados direito da eternidade; assim, louvores de outros grupos, são
considerados “cospel”, “da mescla”, “sem revelação” ou “do homem”], Oração [oração recitando sempre a reza do “clamor”, “segredo dessa Obra”, dizem] e Palavra Revelada
[espécie de cabala, que ao decifrar supostos simbolismos, números e
tipologias ocultas nas Escrituras, a pessoa foi agraciada com essa
benção que a chamam de “Além da Letra”. Reputam que essa é a maneira
que Deus se compraz em pregar a sua Palavra, mas só eles conhecem, é
outro “segredo dessa Obra”]. Os Meios de [obter] Graça devem ser feitos
periodicamente para buscarem cada vez mais Graça. Segundo eles, a Graça
de Deus, vem através dessas obras ou meios, claro, sem deixar de
considerarem o sacrifício de Cristo. Tais “meios”, também, servem para
adquirir bênçãos de Deus ou para vencerem tribulações do dia-a-dia do
servo, justificam;

21. A Liderança e as Decisões Carismáticas:
são todas, absolutamente, carismáticas. Isto é, todas diretrizes, seja
administrativas, doutrinárias e organizacionais da Denominação são
provenientes de “revelação” de Deus. Segundo eles, “nessa Obra” não há
dedo do homem como a “religião”, pois tudo é revelado. É muito
comum, por isso, se notar a exaustiva repetição da frase “o Senhor
revelou que…” para embasar suas decisões e afirmativas;

22. A Doutrina do Medo
é extremamente implantada na Denominação. Não se pode questionar ou
discordar da Liderança geral e nem do subseqüente superior hierárquico,
sob pena de estar “tocando no ungido do Senhor” ou “blasfemando contra
o Espírito Santo”, uma vez que foi, teoricamente, o Espírito que
revelou para os pôrem em seus cargos eclesiásticos. Também, a doutrina
do Fatalismo é apregoada massificamente, em defesa de
“não poder tocar na Obra” (questionar ou discordar das doutrinas),
“tocar nos ungidos” e “sair da Obra (ser dissidente da Denominação),
pois, em caso de desobediência, o resultado seria infortúnios
decorrentes do “peso da mão do Senhor” e das investidas do “adversário”
(como chamam o diabo, pois o nome mesmo dele, não é elegante falar –
justificam). Proíbem, assim, que membros jamais continuem a
fraternidade e a ligação com os dissidentes, sob pena de punições e
excomunhão da Denominação. Apregoam a discriminação e a rejeição sobre
os dissidentes, ainda que sejam familiares;

• As Punições
são bastante rigorosas, as quais são advertência, cassação das funções
e cargos (“banco”) e, em último caso, excomunhão. Todas as decisões,
toda a doutrina que fora cuidadosamente elencada acima deve ser
cumprida draconianamente pelos membros, sob prejuízo de sofrer tais
sanções. Como toda e qualquer Denominação existe homens falhos, mas
aqueles que caem em pecado escandaloso são julgados e excluídos. Sim,
para eles existe pecadinho, pecado e “pecadão”. O pecadão é intolerante
e imperdoável para eles;

23. Sobre Dinheiro,
publicamente não é falado, como, por exemplo, são as cobranças de
dízimos e ofertas na “Religião”, alegam. Adotam, porém, o
estabelecimento do dízimo judaico, o legalismo dos 10% dos vencimentos,
cobrados, indiretamente, em reuniões fechadas, em reuniões sobre
batismo e em algumas aulas de Seminários, sob pena do “desacertado” ter
as funções cassadas, e “diagnosticado” como “enfermo espiritual”. Em
teoria, os pastores não são remunerados, pois eles não são
“profissionais da Bíblia” ou “teólogos” (mas buscam a revelação de
Deus), pois o certo é servir voluntariamente, já que a Bíblia não
aprova isso – fundamentam (?);

23. A Maledicência e o Juízo Temerário
são praxe, são demasiados sobre aqueles que abandonam a Denominação,
pois, segundo eles, jamais alguém “sai da Obra” de forma nobre, honesta
e fiel a Deus, mas são pessoas que estão em busca de: libertinagem e
mundanismo nas igrejas. É comum, também, em reuniões fechadas e
seminários nos Maanains, os dissidentes serem taxados de “caídos”,
“vadios”, “pedófilos”, “alcoólatras”, “prostitutos”, “porcos”,
“defuntos”, “bodes”, “adúlteros”, “perderam a Salvação” e “foram para a
religião” etc. Os que refutam suas doutrinas, por sua vez, recebem a
acusação de “apóstatas”, “hereges”, “serpentes da internet”, “filhos do
diado”, “pastores de si mesmos” etc.

“Mas agora estamos livres da lei, pois morremos para aquilo em que estávamos retidos; para que sirvamos em novidade de Espírito e não na velhice da letra” (Rm. 7:6).