maranata – O negócio é pior do que pensava, não é mesmo? 90 % (NOVENTA POR CENTO) do iceberg está ainda submerso e os órgãos oficiais estão com roupas de mergulho e cilindros de alta capacidade, para imergirem rumo à base do mesmo – para que todos possam enxergar verdadeiramente o que é está “obra”! E todos conhecerão a realidade da icm.

Publicado: 24 de junho de 2012 em Fatos obra maranata, Testemunhos de obreiros, servos, pastores, diaconos
Tags:, , , , , , , , , , , , , , , ,

Não há dúvidas que tudo que se combatia nos outros, na vida secular e nas religiões, era o que se buscava pela cúpula incessantemente, todo dia, 24 horas por dia.

Alguém aí continua indo ao Maanaim? Será que continuam apresentando aqueles recortes de jornal a respeito dos escândalos alheios? Já constataram a cara-de-pau desse povo em lançar pontiagudas pedras nos telhados dos outros, enquanto o telhado da “obra” era apenas uma casquinha de vidro? Poderiam também divulgar os recortes de jornais atuais da icm agora no Maanaim, não é mesmo? Por que não o fazem?

Você, formatado, já se deu conta como funciona a grande indústria de fazer dinheiro, chamada “obra”? Vou te fazer um pequeno resumo panorâmico do negócio da China implementado pelo fenômeno gedeuspapa:

De posse de um bom produto herético, leia-se enganador, sob o pretexto de estar desvinculado daquilo que é material, atrai-se o fisgado, com cultos curtos, louvor bonito, armas “infalíveis”, perfeições em tudo, etc.

Com uma forte lavagem cerebral, diária e sufocante, prende-se o agora formatado aos costumes da seita, obedecendo, e tendo minada a sua possibilidade de questionamento, sob risco de ser enxovalhado no meio.

A partir desse momento, você se torna um número estatístico, ou um boneco que já consegue, além de andar e respirar, contribuir “voluntariamente” e constantemente para a seita, com o teu serviço, mas ainda financeiramente, e com exatos dez por cento (dízimo) do que recebe, mesmo não encontrando respaldo bíblico neotestamentário (graça) para essa prática.

Nesse ponto, meu(minha) amigo(a), teu dinheiro suado, que por certo ganhaste com dificuldade, trabalhando, estudando, fazendo prova, curso, participando de certames, etc., cai na mão do caixa único dos eficientes e “fenomenais” administradores da “obra – máquina de fazer dinheiro”.

O lucro é certo, porque o povo icemita é fiel em sua maioria, pois acredita que não há outra “obra”, que o dinheiro não teria melhor destino, e que a causa é nobre. Para quem quer ter muito lucro e rápido, essa é grande fórmula de sucesso.

Mas você acha que fica só na contribuição do dízimo? Ledo engano. Você é um marionete que pode dar ainda mais que isso: ofertas alçadas para a “obra”, doações ou participações em rateios de itens necessários para as unidades locais, como instrumentos, flores, tapetes, eletrônicos, produtos de limpeza, os quais seriam de responsabilidade do PES arcar, coletâneas para cantar os louvores da seita, apostilas, que não são dadas, mas compradas por você para que ensine, em lugar deles, as heresias da “obra”, alojamentos, transporte, seguro e alimentação pagos para você aprender heresias e continuar formatado, no Maanaim, lugar que você ajudou a construir com seu dízimo, além de muitos outros gastos que todos sabemos que existem.

Outro dia, eu ouvi de um pastor retirante da icm uma grande verdade: quem falou que a maranata não cobra dízimo? A partir do momento que o não dizimista é tolido de participar das atividades e funções da igreja, há uma cobrança velada de dízimo sim. Diante desse argumento, sabendo do que vivi e presenciei na seita, tenho que concordar.

Completando a nossa linha de raciocínio a respeito das contribuições fiéis dos irmãos, livres de impostos, livres de custos, pois a mesma fonte que dá dízimo, também cobre, generosamente os gastos de manutenção das unidades icemíticas, chegamos no modus operandi de como meter a mão na quantia vultosa acumulada:

O mais “guloso” e criador do esquema tem que comer a maior parte do bolo, então ele abre empresas ligadas ao ramo imobiliário, mesmo sendo odontólogo, pois a “obra” está crescendo e a possibilidade de ganho neste nicho é promissora. Além de ganhar em todas as compras, construções, aluguéis, decorrentes da avaliação de imóveis, há uma participação, óbvio, nas mediações entre o PES e os negócios dos seus “chegados”, filha, sobrinho, parentes no geral e amigos, para quem são destinadas por “revelação” as sugestões, ao seu tempo, de cada empresa com o respectivo objeto social.

É simples assim, toma-se a decisão de implementar o serviço de transmissão via chatélite, por exemplo, e de posse da informação privilegiada, e partindo da premissa que o lucro é certo, então “sugere-se” ao sobrinho que se candidate, com uma ou duas empresas do ramo de eletrônicos, para fornecer os equipamentos. Aí fica tudo em casa! O mesmo acontece com a exigência de seguro para os inscritos nos seminários, abre-se a oportunidade a um compadre, para que não se espalhe o patrimônio. E por aí vai…

Ah, já ia me esquecendo, os superfaturamentos e as exclusividades são “armas infalíveis” nesse esquema, pois desse “binômio do quadrado perfeito” é que as belas gorduras podem encher os ventres dos famintos avarentos da seita.

Outra fonte de renda absurda que se descobriu é junto aos “amigos da obra”, como são conhecidos no metiê maranático, os políticos, que não podem doar para a igreja, visto que ela não recebe doações políticas, não é mesmo? Resolve-se então com a brilhante ideia de instituição de uma fundação ligada à “obra”, e essa sim pode receber as verbas parlamentares milionárias, que por sinal, devido à grande ganância dos meia-solas, já está prejudicada, por falta de comprovação de destinação de gastos.

O interessante é que atualmente, com a quantidade de desertores ou retirantes, a receita desse negócio caiu vertiginosamente, e eu ouvi, de uma pessoa que se encontra ainda dentro da seita, que os contribuintes icemitas, que permanecem acreditando cegamente no canto da sereia “obra”, chegam a 10 % (DEZ POR CENTO) dos que se dizem maranatas atualmente. É, talvez, seja a hora de gedeuspapa investir em outro ramo!

Entendeu mais ou menos, meu amigo?

O negócio é pior do que pensava, não é mesmo? Estou para te dizer que esse é só um apanhado geral de tudo que esses meia-solas foram capazes de fazer nesse período quadragenário. 90 % (NOVENTA POR CENTO) do iceberg está ainda submerso e os órgãos oficiais estão com roupas de mergulho e cilindros de alta capacidade, para imergirem rumo à base do mesmo, e já estão verificando que para extraí-lo da água só com dezenas de helicópteros, unidos por cabos de aço presos a uma chapa posta embaixo do bloco, para que todos possam enxergar verdadeiramente o que é está “obra”! E todos conhecerão a realidade da icm.

Você ainda duvida disso?

Aguarde só mais um poucochinho de tempo, e verás a Justiça de Deus.

A Paz do Senhor a todos!

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2010/01/avareza-e-estelionatos/comment-page-1/#comment-13159

Anúncios
comentários
  1. […] maranata – O negócio é pior do que pensava, não é mesmo? 90 % (NOVENTA POR CENTO) do iceberg e… […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s