igreja maranata – interventor na maranata – acredite se quiser…

Publicado: 4 de abril de 2013 em Fatos obra maranata, Obra revelada
Tags:, , , ,
o pior cego é aquele que não quer enxergar

o pior cego é aquele que não quer enxergar

Aquele antigo seriado voltou em nova versão. Com vocês:

ACREDITE SE QUISER

Interventor confirma desvios de dízimos na Maranata
Pastor e coronel da PM, Julio Cezar Costa disse que foi surpreendido com convite da Justiça (NÃO SÓ ELE, TODOS NÓS)

Coronel Julio Cezar Carvalho, interventor da Maranata
O novo interventor da Igreja Cristã Maranata, Julio Cezar Costa – coronel reformado da Polícia Militar e pastor da igreja –, confirmou nesta terça-feira (02) que houve desvio de recursos do dízimo (ISSO ERA SEGREDO, NINGUÉM SABIA) doado pelos fiéis, fato investigado pelo Ministério Público Estadual (MPES). Na Justiça, a igreja briga para reaver R$ 2 milhões, mas apurações da própria instituição apontam que o rombo pode superar os R$ 21 milhões.

Costa disse que foi surpreendido com o convite (NÓS MAIS AINDA) para ser interventor, mas assinala que isso ocorreu em função de sua atuação junto à PM. “Não há dúvidas do que fiz pela Polícia Militar, uma carreira exitosa, onde tive a oportunidade de provar não só a isenção, mas também a probidade de todos os meus atos.”(PRINCIPALMENTE AQUELE EPISÓDIO DO XINGAMENTO).

O pastor destacou que é administrador profissional, com pós-graduação em Gestão de Crise. “Conheço bem o que vou mexer”(O MP E A PF TAMBÉM ESTÃO CONHECENDO), destacou. Nos próximos dias, vai levantar o passivo e o ativo financeiros, rever contratos e adotar as medidas recomendadas pela Justiça. “Depois farei um relatório”, explicou, acrescentando que, embora tenha sido dada a ele liberdade para fazer mudanças, manterá a equipe do Presbitério (QUE BELEZA).

A indicação do coronel para o comando da Maranata foi feita pela Justiça, que, no último dia 22, decretou intervenção judicial na igreja. A decisão veio após o afastamento da diretoria que ocupava interinamente o cargo, quando quatro pastores – incluindo o então presidente Elson Pedro dos Reis – foram presos acusados de ameaçar testemunhas.

O objetivo, segundo as investigações do Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), era mudar as declarações prestadas à Justiça e impedir a apuração do desvio de recursos. A igreja é ainda investigada pela Polícia Federal por supostos crimes de descaminho, na aquisição de equipamentos eletrônicos no exterior.
Leia mais

Pastores da Maranata prestam depoimento sobre denúncia de desvio de dízimo de fiéis
Águas de março: Maranata, Marcos Feliciano e Enem
Justiça decreta intervenção na Igreja Maranata
Mulheres terão mais visibilidade na Maranata

Costa disse que a igreja respeita os órgãos de investigação do sistema criminal. “Mas a igreja se dá o direito de usar todas os remédios constitucionais quando sua dignidade institucional é atingida.”

Em 2010, o coronel Julio Cezar envolveu-se numa polêmica ao defender um amigo parado numa blitz de trânsito. Na ocasião, ao falar com um policial, usou um palavrão. O Ministério Público pediu o seu afastamento, alegando que ele interferiu e agiu ilegalmente. A Justiça acatou a ação, mas, em abril de 2012, inocentou-o e arquivou o processo contra ele, entendendo que o coronel não usou o cargo para ajudar o amigo.

“Não podemos negar o óbvio”

É a experiência como administrador, no período em que foi diretor da Polícia Militar, que dá a Julio Cezar Costa a certeza de que fará um bom trabalho como interventor da Igreja Maranata.

Houve desvios no caixa da Maranata?

Não podemos negar o óbvio. Queremos a verdade, e ela vai prevalecer. Mas é bom esclarecer que a igreja nunca fraudou. Foi fraudada e, por isso, encaminhou os documentos aos órgãos do sistema de Justiça criminal e ajuizou uma ação, requerendo a devolução do que foi desviado.

Como será sua atuação como interventor?

Vou ajudar no trabalho da Justiça. Nada ficará sem ser levantado, embora não tenha pretenção de investigar crimes.

O senhor foi indicado como interventor, mas tem ligações com a igreja, onde é pastor há 19 anos. Como fazer o trabalho com isenção? (SERÁ ISSO POSSÍVEL?)

Tenho certeza da minha isenção. Faço uma intervenção na igreja, numa situação alheia à minha vontade, mas sei que pela competência do Poder Judiciário, muito bem administrado por Pedro Feu Rosa e seus companheiros de magistratura. Tenho idoneidade para administrar a igreja, que tem um orçamento muito menor do que o da PM.

E qual é orçamento?

Por volta de R$ 10 milhoes por mês. É uma igreja simples, humilde (A IGREJA É, NA SUA MARIORIA HUMILDE, MAS A CÚPULA…), que não vive de arrecadar dinheiro (ME ENGANA QUE EU GOSTO), mas de difundir a fé.

Há outros envolvidos no desvio de recursos da igreja, além dos que ela já apontou – seu vice-presidente, Antonio Angelo, e o contador Leonardo Alvarenga?

A Justiça vai esclarecer e dizer se foi A ou B, e nela confiamos. O que estamos fazendo é a defesa de um patrimônio financeiro e material de mais de 1 milhão de fiéis (COM CERTEZA OS IRMÃOS NÃO TÊM DIREITO A NADA), em mais de 83 países. Nossa missão não é olhar para trás.

O senhor vai se afastar das funções de pastor enquanto atuar como interventor?

Não estou proibido de pregar a minha fé, mas não vou entrar em questões doutrinárias. Ainda estou avaliando se deixo o trabalho de coordenador voluntário (SERÁ MESMO VOLUNTÁRIO?) do Maanaim de Domingos Martins, onde não vou ministrar mais aulas para não ser considerada interferência conceitual.

PIU COROCOCÓ.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2013/04/a-iniquidade-permanece/comment-page-1/#comment-52363

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s